Mais Lidas

  1. Sônia Abrão pede desculpas por sair correndo do programa

    Entretenimento

    Sônia Abrão pede desculpas por sair correndo do programa

  2. Estupro de jovem de 16 anos no Rio "está provado", diz delegada

    Brasil

    Estupro de jovem de 16 anos no Rio "está provado", diz delegada

  3. Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

    Brasil

    Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

  4. Japão: Pais abandonam filho na floresta para castigá-lo e criança desaparece

    Mundo

    Japão: Pais abandonam filho na floresta para castigá-lo e criança...

  5. Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente Dilma

    Brasil

    Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente...

  6. Ex-presidente do PSDB de Minas é preso em operação

    Brasil

    Ex-presidente do PSDB de Minas é preso em operação

  7. Renan Ribeiro, do 'The Voice', morre em acidente de carro

    Entretenimento

    Renan Ribeiro, do 'The Voice', morre em acidente de carro

  8. Latam suspende temporariamente voos à Venezuela

    Economia

    Latam suspende temporariamente voos à Venezuela

Reajuste do mínimo abre rombo de R$ 2,9 bilhões no Orçamento

Em agosto, a proposta de Orçamento enviada ao Congresso previa mínimo de 865,50 reais em 2016, mas decreto desta terça o elevou para 880 reais. Governo não informou como pretende equacionar as contas

- Atualizado em

Presidente Dilma Rousseff durante evento em Brasília - 11/12/2015
Presidente Dilma Rousseff durante evento em Brasília - 11/12/2015(Ueslei Marcelino/Reuters)

O Ministério do Planejamento informou nesta terça-feira, 29, que o impacto total do reajuste do salário mínimo - que vai de 788 reais neste ano para 880 reais no ano que vem - será de 30,2 bilhões de reais sobre o Orçamento de 2016. A pasta esclarece que, desse total, 27,3 bilhões de reais já estão previstos no Orçamento. Outros 2,9 bilhões de reais não estão na peça orçamentária e será necessário encontrar maneiras - o governo não informou quais - de equacionar a conta.

Leia também:

Salário mínimo será de R$ 880 em 2016, diz governo

O governo previa uma elevação menor para o mínimo, para 865,50 reais, quando enviou a proposta de Orçamento do ano que vem para o Congresso Nacional, em agosto. Quando o Congresso aprovou, no último dia 17, a previsão foi para 870,99 reais. Nesta terça-feira, a presidente Dilma Rousseff assinou o decreto reajustando o salário mínimo de 2016 para 880 reais, a partir de 1º de janeiro, um aumento de 11,6% em relação aos 788 reais de 2015. O decreto será publicado na quarta-feira no Diário Oficial da União (DOU).

O Ministério do Planejamento informou que a diferença entre o que o governo propôs de aumento e o que foi concretizado agora vai ampliar o impacto para as contas públicas em 4,77 bilhões de reais. Desse montante, 1,87 bilhão já havia sido incorporado durante a tramitação da Lei Orçamentária Anual (LOA) no Congresso Nacional. Os outros 2,9 bilhões de reais do impacto do novo valor do salário mínimo não foram previstos na LOA. "Isso aconteceu pois, durante a tramitação da LOA no Congresso Nacional, houve uma revisão dos parâmetros macroeconômicos que já apontava para um valor do salário mínimo superior. Na ocasião, em função dessa revisão, o relator do orçamento fez uma estimativa, que resultou na incorporação dos 1,87 bilhão de reais ao orçamento", afirmou o ministério.

Do impacto de 4,77 bilhões de reais, 3,03 bilhões de reais são relativos ao Regime Geral da Previdência Social (RGPS), 612,19 milhões de reais nos benefícios da Renda Mensal Vitalícia da Lei Orgânica da Assistência Social (RMV/LOAS) e 1,12 bilhão de reais nos benefícios de abono e seguro-desemprego. "O cálculo foi feito utilizando o novo valor do salário mínimo como parâmetro para as projeções de despesas afetadas por este, sendo o valor do impacto a diferença entre o total de despesas com o salário mínimo de 865,46 reais e o total de despesas com o salário mínimo de 880 reais", informa o ministério, por meio de nota.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)