Governo cria estatal para administrar programa nuclear

Amazul promoverá, desenvolverá e manterá tecnologias necessárias às atividades nucleares da Marinha do Brasil e do Programa Nuclear Brasileiro (PNB)

- Atualizado em

Obras da Usina Nuclear de Angra 3, Angra dos Reis, Rio de Janeiro
Obras da Usina Nuclear de Angra 3, Angra dos Reis, Rio de Janeiro. Usina recebeu financiamento de R$ 3,8 bi da Caixa Econômica Federal no fim do ano passado(Manoel Marques/VEJA)

A Amazul nasce da divisão da Empresa Gerencial de Projetos Navais (Emgepron)

O governo federal decretou, nesta segunda-feira, a criação da empresa pública Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A. (Amazul). Vinculada ao Ministério da Defesa por meio do Comando da Marinha, a empresa tem por objetivo promover, desenvolver e manter tecnologias necessárias às atividades nucleares da Marinha do Brasil e do Programa Nuclear Brasileiro (PNB). Uma das tarefas da nova companhia é desenvolver um propulsor de submarino movido a energia nuclear.

A Amazul nasce da divisão da Empresa Gerencial de Projetos Navais (Emgepron). Com isso, o quadro inicial de pessoal da Amazul será composto pelos atuais funcionários da Emgepron e pela contratação de novos servidores por concurso público.

A nova estatal, que terá sede em São Paulo e organização "sob forma de sociedade anônima, com personalidade jurídica de direito privado e patrimônio próprio", será constituída pela Assembleia Geral de Acionistas, a ser convocada pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional.

O Brasil está investindo mais em usinas nucleares. Em 2012, as usinas nucleares Angra 1 e Angra 2 bateram um novo recorde de geração, totalizando 16.040.790,5 megawatts-hora (MWh), segundo dados da Eletronuclear. Um volume de energia suficiente para suprir as necessidades das cidades de Fortaleza, Belo Horizonte e Porto Alegre durante um ano.

Além disso, no fim do ano passado, a Eletrobras informou que assinou um contrato de financiamento com a Caixa Econômica Federal no valor de 3,8 bilhões de reais para a aquisição de máquinas, equipamentos importados e contratação de serviços também importados para a construção da Usina Termonuclear Angra 3, de responsabilidade da Eletronuclear.

(com Estadão Conteúdo)

TAGs:
Ministério da Defesa
Energia Nuclear
Marinha
Submarino