Mais Lidas

  1. Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

    Brasil

    Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

  2. Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

    Entretenimento

    Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

  3. Gorila é morto após menino cair em jaula de zoológico nos EUA

    Mundo

    Gorila é morto após menino cair em jaula de zoológico nos EUA

  4. "Quando encontrar meu corpo, avise meu marido e minha filha"

    Mundo

    "Quando encontrar meu corpo, avise meu marido e minha filha"

  5. Ana Hickmann S/A: um sucesso construído a dois

    Entretenimento

    Ana Hickmann S/A: um sucesso construído a dois

  6. Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

    Brasil

    Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

  7. Família de jovem vítima de estupro coletivo no Rio dispensa advogada

    Brasil

    Família de jovem vítima de estupro coletivo no Rio dispensa advogada

  8. Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

    Brasil

    Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

Energia e combustíveis pressionam IPCA de 2015

Estes foram os dois itens com maior impacto na inflação do ano passado. Entre os grupos, Alimentação e Bebidas foi o destaque de alta

- Atualizado em

Torres de transmissão de energia em Santo Antônio do Jardim, em São Paulo
Contas de energia elétrica aumentaram, em média, 51% em 2015(Paulo Whitaker/Reuters)

O avanço de 10,67% do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2015 foi puxado, sobretudo, pelo avanço dos alimentos e dos preços administrados. No ano passado, entre itens com maior impacto individual, destacaram-se energia elétrica e combustíveis, que, juntos, representaram 24% do índice. Em 2015, as contas de energia elétrica aumentaram, em média, 51%, e o preço dos combustíveis subiram 21,43%.

Além da energia, o IBGE cita outras despesas com habitação que pesaram no bolso do brasileiro, como o botijão de gás, com aumento médio de 22,55%, e as contas de água e esgoto, que subiram 14,75%. "Enquanto o aluguel aumentou 7,83%, o condomínio foi a 9,72% e os artigos de limpeza para 9,56%", acrescentou.

No ano passado como um todo, o maior impacto foi exercido por Alimentação e Bebidas, de 3,00 pontos percentuais, após acumular avanço de 12,03%. Mas a maior alta aconteceu em Habitação, de 18,31%. Em dezembro, também foi o grupo Alimentação que exerceu a maior pressão, de 0,38 ponto percentual diante da alta de 1,50% no mês.

Depois de um ano de reajuste de preços administrados, aumento de impostos e déficit fiscal, a inflação ainda sofreu no final do ano os efeitos da disparada do dólar para cerca de 4 reais, mesmo com o cenário de forte recessão econômica. Esta combinação de fatores levou a inflção a ultrapassar o teto da meta do governo, de 6,50%, pela primeira vez desde 2003.

Leia mais:

Siderúrgicas e Vale perdem R$ 80 bi em valor de mercado em um ano

Orçamento da Petrobras vai ficar 9% menor em 2016

Futuro - Em um cenário de confiança muito fraca na economia, exacerbado pela crise política e ameaça de impeachment da presidente Dilma Rousseff, as expectativas de inflação não param de piorar, o que deixa o BC ainda mais sob pressão para controlar a alta dos preços.

Em seu Relatório de Inflação, o BC elevou sua expectativa de inflação em 2016 a 6,2%, passando a ver o IPCA a 4,8% em 2017. A meta central de inflação é de 4,5% pelo IPCA, mas com margem de 2 pontos percentuais em 2016 e de 1,5 ponto em 2017.

Já a pesquisa Focus do BC mostra que os economistas veem o IPCA no final de 2016 com alta de 6,87%.

A expectativa é de que o BC volte a elevar a taxa de juros, atualmente em 14,25%, na reunião de 19 e 20 de janeiro, embora tenha crescido a preocupação de que os esforços do governo para enfrentar a recessão econômica poderiam levar o BC a evitar a alta.

(Com Reuters)

TAGs:
Inflação
IPCA