Mais Lidas

  1. Dilma agiu na liberação de créditos, mas não em pedaladas, aponta perícia

    Brasil

    Dilma agiu na liberação de créditos, mas não em pedaladas, aponta...

  2. Pilotos de Nascar brigam (de forma bizarra) após batida

    Esporte

    Pilotos de Nascar brigam (de forma bizarra) após batida

  3. Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

    Mundo

    Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

  4. Após foto em velório, Ana Paula Valadão diz que vai deixar redes sociais

    Entretenimento

    Após foto em velório, Ana Paula Valadão diz que vai deixar redes...

  5. Messi desiste da seleção após novo fracasso da Argentina: 'Acabou para mim'

    Esporte

    Messi desiste da seleção após novo fracasso da Argentina: 'Acabou...

  6. 'Game of Thrones': final da 6ª temporada é recheado de mortes e confirma teoria dos fãs

    Entretenimento

    'Game of Thrones': final da 6ª temporada é recheado de mortes e...

  7. Guarda municipal de SP mata criança de 11 anos durante perseguição

    Brasil

    Guarda municipal de SP mata criança de 11 anos durante perseguição

  8. Mulher de Eduardo Cunha vira 'a loira do Trust' em paródia do 'Zorra'

    Entretenimento

    Mulher de Eduardo Cunha vira 'a loira do Trust' em paródia do 'Zorra'

Economia da Grã-Bretanha volta a entrar em recessão

PIB da região encolheu 0,2% no 1º tri, após retração de 0,3% no período anterior

- Atualizado em

David Cameron, primeiro ministro britânico, durante evento em Londres
David Cameron, primeiro ministro britânico: más notícias do Banco Central(Kerim Okten/EFE/VEJA)

A economia da Grã-Bretanha voltou a entrar em recessão. É o que apontam dados divulgados nesta quarta-feira pelo Escritório Nacional de Estatísticas britânico. De acordo com o órgão, o Produto Interno Bruto (PIB) encolheu 0,2% nos três meses encerrados em março, após contração de 0,3% no trimestre final de 2011. Um país está tecnicamente em recessão após dois trimestres consecutivos de queda na produção.

Os resultados do primeiro trimestre indicam que a austeridade e a fraca demanda pelas exportações britânicas para a zona do euro cobraram seu tributo. A contração foi provocada pelo pior resultado em três anos do setor da construção (-3%), enquanto o setor manufatureiro também registrou um recuo.

A última vez que a Grã-Bretanha entrou em recessão foi no auge da crise bancária global de 2008, da qual emergiu no terceiro trimestre de 2009, após cinco sucessivos trimestres de contração econômica.

O retorno da recessão vai fornecer munição aos opositores do programa de austeridade do ministro das Finanças, George Osborne, um agressivo programa de altas de impostos e cortes de gastos destinados a fechar um persistente déficit orçamentário que os críticos dizem que vai estrangular o crescimento do país.

O quadro vai também levar a economia do país a percorrer difícil caminho em 2012 para atingir as previsões de crescimento do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Escritório de Responsabilidade Orçamentária, um órgão independente que abastece o governo com projeções econômicas. Ambos preveem que a economia do país vai expandir 0,8% este ano.

Leia na coluna De Nova York, por Caio Blinder:

Não é apenas a França com suas desoladoras opções eleitorais (o conservador Sarkozy x o socialista Hollande), mas a palavra é francesa. Na Europa, existe um sentimento de malaise. São as profundas ansiedades sobre globalização, políticas de austeridade e identidade nacional. Temos o drama de partidões de esquerda e de direita para convencer a cidadania que eles podem rabiscar a quadratura do círculo: precisam oferecer empregos, salários decentes e preservar o estado do bem-estar social. Ao mesmo tempo, há a necessidade de implementar estes penosos ajustes para sair do buraco. Como conciliar crescimento e austeridade?

Entre as saídas falsas do dilema estão a demagogia e a prática do esporte do bode expiatório, em escapadas pela esquerda ou pela direita. Temos, portanto, o fortalecimento de partidos antieuropeus, antiimigrantes, islamofóbicos, antiglobalização, antieuro, antiestablishment. Uma mensagem mais do contra do que a favor. São mensagens que prosperaram não apenas no primeiro turno das eleições francesas, com destaque para a Frente Nacional, de extrema direita, de Marine Le Pen, mas estão em alta em outras paragens europeias.

(Com agências Estado e EFE)

TAGs:
PIB
Gra Bretanha
Crise do Euro
Recessão