Mais Lidas

  1. Morte no Everest: 'Você se importa se eu continuar?'

    Mundo

    Morte no Everest: 'Você se importa se eu continuar?'

  2. Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

    Brasil

    Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

  3. Bumlai diz que fez empréstimo fraudulento para PT por medo de invasão de terras

    Brasil

    Bumlai diz que fez empréstimo fraudulento para PT por medo de...

  4. Sônia Abrão pede desculpas por sair correndo do programa

    Entretenimento

    Sônia Abrão pede desculpas por sair correndo do programa

  5. Japão: Pais abandonam filho na floresta para castigá-lo e criança desaparece

    Mundo

    Japão: Pais abandonam filho na floresta para castigá-lo e criança...

  6. Após revelação de conversa em que critica a Lava Jato, ministro da Transparência pede demissão

    Brasil

    Após revelação de conversa em que critica a Lava Jato, ministro da...

  7. Estupro de jovem de 16 anos no Rio "está provado", diz delegada

    Brasil

    Estupro de jovem de 16 anos no Rio "está provado", diz delegada

  8. Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente Dilma

    Brasil

    Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente...

Dólar termina abaixo dos R$ 3,60 sob influência da política

Expectativa pela convenção do PMDB e pelas manifestações de domingo foram fatores que levaram a moeda ao menor valor desde agosto de 2015

- Atualizado em

Dólar
Moeda chegou a subir no início do dia(iStockphoto/Getty Images)

O dólar encerrou esta sexta-feira com queda de 0,67%, fechando a 3,59 reais, seu menor valor desde 28 de agosto do ano passado. Em março, a baixa acumulada já é de 10,1%.

Mais uma vez, o declínio da moeda americana foi conduzido principalmente pelo cenário político, com investidores na expectativa pelo fim de semana. A convenção do PMDB no sábado e as manifestações de domingo foram apontadas como fatores que podem piorar a situação da presidente Dilma Rousseff. No limite, na visão do mercado, uma saída de Dilma da Presidência pode dar início a uma recuperação da economia.

Hoje, o início do dia ainda trouxe certa recomposição de posições compradas em dólar, o que fez a moeda americana chegar a ser cotada às 9h48 na máxima de 3,66 reais (alta de 1,34%). Profissionais ouvidos pelo jornal O Estado de S. Paulo, justificaram o avanço citando certo fluxo de saída do país, com alguns investidores aproveitando as cotações mais baixas para remeter dólares, além de um pouco de cautela com as notícias políticas. Se no dia anterior houve euforia com o pedido de prisão preventiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nesta sexta alguns profissionais ponderaram que a medida pode ter sido precipitada, injustificada e inconsequente.

"É claro que o mercado acha que quanto mais fraco ficar o atual governo, melhor, porque Dilma tende a cair. Só que ontem mesmo muita gente criticou o Ministério Público de São Paulo, inclusive membros da oposição", disse um profissional. "O mercado acabou ficando mais cauteloso pela manhã e comprou um pouco de dólar."

Ao longo da manhã, porém, o dólar voltou a desacelerar e perto das 12h já oscilava no território negativo. Além do fato de a moeda americana também estar em queda no exterior, em relação a várias divisas de países emergentes e exportadores de commodities, pesava o fato do fim de semana estar próximo. A convenção do PMDB, marcada para este sábado, que pode fazer o partido se afastar do Planalto, e as manifestações de domingo eram citadas como motivo para manter ou elevar posições vendidas em dólar - e não compradas.

Em função disso, o dólar renovou algumas mínimas no início da tarde e, novamente, mais perto do fim da jornada. No melhor momento, às 16h51, marcou 3,58 reais (queda de 0,93%). Depois, encerrou nos 3,59 reais.

Leia também:

Mulher negra ganha menos de 40% da renda de homem branco, diz Ipea

Impasse sobre futuro do ex-presidente Lula aumenta incerteza no Brasil, diz Fitch

(Com Estadão Conteúdo)

TAGs:
Dólar
Dilma Rousseff
PMDB