Tarja - Eike Batista

Negócios

Depois do Glória, Eike põe barco à venda - mas ninguém quer comprar

Ideia de ganhar dinheiro com eventos no Pink Fleet naufragou e empresário teve de enviar o barco para desmanche devido à falta de interessados

Pink Fleet, iate do empresário Eike Batista

Pink Fleet, iate do empresário Eike Batista (Divulgação)

O empresário Eike Batista continua firme em seu plano de se desfazer da maior parte de seus ativos. Depois de ter admitido que colocou o Hotel Glória à venda, outro símbolo da excentricidade de Eike, o barco Pink Fleet, também entrou no processo de liquidação de ativos do grupo EBX. A ideia de ganhar dinheiro com eventos corporativos a bordo do navio na Baía de Guanabara não deslanchou. A embarcação, inaugurada como atração turística carioca em 2007, vinha dando prejuízo a Eike Batista.

O empresário tentou vender o barco e chegou a propor sua doação à Marinha para se livrar dos custos de manutenção - estimados em cerca de 300 mil reais por mês -, mas as tentativas não vingaram. Há cerca de um mês, o Pink Fleet deixou a Marina da Glória, onde ficava ancorado, em direção ao estaleiro Cassinú, em São Gonçalo (RJ). O objetivo é desmanchar o navio e vender suas peças. A EBX preferiu não comentar.

Leia também:
Radar on-linda: À venda
Forbes, enfim, tira Eike Batista de sua lista de bilionários

Já a venda do Hotel Glória já está encaminhada, como adiantou a coluna de VEJA, Radar On-line. O executivo-chefe da companhia suíça Acron AG, Kai Bender, informou que negocia a compra do Hotel Glória há dois anos e que concordou em pagar 225 milhões de reais por ele. O acordo será fechado nos próximos dois meses. A REX, empresa do grupo EBX que atua na área imobiliária, não quis comentar o assunto. 

O Glória foi adquirido por Eike em 2008 e, há três anos, o empresário assinou contrato de financiamento com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que aprovou o empréstimo de 190,6 milhões de reais, dentro do programa de incentivo a investimentos à rede hoteleira para a Copa de 2014 (ProCopa). Em novembro de 2012, o banco liberou 50 milhões de reais para a obra.

O projeto de Eike é um retrofit (técnica de reforma que preserva a fachada, mas moderniza todo o interior) audacioso, que chegou a ser criticado por causa da descaracterização do imóvel. A reforma teve seu pico de obras em 2010, e foi orçada em 350 milhões de reais. A obra está atrasada e dificilmente ficará pronta a tempo da Copa. Quando intensificou a diversificação de seus negócios, Eike usou o prédio como um símbolo e disse que, com ele, devolveria o glamour ao Rio de Janeiro.

A Acron, que negocia a compra do Hotel Glória, é especializada em investimentos imobiliários. Tem sede em Zurique, na Suíça, e subsidiárias na Alemanha, nos EUA e em Luxemburgo. No ano passado, iniciou investimentos em São Paulo, com foco em imóveis para investidores suíços e alemães.

Histórico — Os rumores sobre a venda do Glória começaram em junho, quando as obras de modernização foram paralisadas após três anos de intervenções no prédio, inaugurado em 1922. À época, o preço estimado para venda era de 300 milhões de reais - considerado acima do mercado e pouco atraente para as bandeiras hoteleiras.

Leia ainda:
Eike Batista coloca hotel Glória à venda, diz jornal

O hotel foi comprado em 2008 por 80 milhões de reais. Marco na arquitetura “art déco” do Rio e um dos mais luxuosos do país, o hotel estava abandonado desde 2000, quando fechou. Ele foi construído para ser o primeiro hotel cinco estrelas brasileiro, encomendado pelo então presidente da República Epitácio Pessoa para receber autoridades nas comemorações do centenário da Independência do Brasil.

(com Estadão Conteúdo)

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados