Intenção de consumo das famílias fica estável

De acordo com a Confederação Nacional do Comércio, a estabilidade do índice foi provocada pelo aumento da confiança das famílias de renda mais alta

- Atualizado em

Compras no shopping "Woodbury Common Premium Outlets", em Nova York
Para CNC,receio do comprometimento da renda impede que consumidor gaste mais(Bia Parreiras/VEJA)

O Índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) se manteve estável em setembro ante agosto, de acordo com pesquisa divulgada nesta terça-feira pela Confederação Nacional do Comércio (CNC). Na comparação com setembro do ano passado, houve recuo de 0,3%. "Mesmo com a manutenção do aumento real da renda e da baixa taxa de desemprego, as incertezas quanto aos impactos da desaceleração econômica no mercado de trabalho refletiram sobre a confiança das famílias, na comparação anual", afirmou a CNC, em nota oficial.

De acordo com a confederação, no entanto, a intenção de consumo das famílias em 135,7 pontos em setembro mostra um nível favorável ao consumo. Na comparação entre setembro e agosto, a CNC destacou que o consumidor está receoso com o comprometimento da renda com dívidas, o que seria um empecilho a um crescimento maior do ICF.

Renda - A estabilidade do índice registrada na comparação mensal foi influenciada pelo aumento da confiança das famílias de renda mais alta (acima de dez salários mínimos), com elevação de 0,6%. Já as famílias com renda abaixo de dez salários mínimos apresentaram retração de 0,1%. Os dados regionais mostraram que as capitais do Centro-Oeste e do Norte tiveram variação mensal positiva na intenção de consumo de 3,7% e 2,0%, respectivamente.

Na comparação anual, mais uma vez a intenção de consumo apresentou variação negativa em razão da cautela com o mercado de trabalho. "Novamente, todos os componentes da pesquisa relacionados ao emprego e à renda registraram recuo nessa base de comparação. Contudo, mesmo com recuo no período, esses componentes ainda se situam num patamar expressivo, o que indica que a confiança das famílias ainda é elevada", argumentou a CNC.

(Com Agência Estado)

TAGs:
Família