Mais Lidas

  1. Gospel Ana Paula Valadão é criticada por foto no velório da avó

    Entretenimento

    Gospel Ana Paula Valadão é criticada por foto no velório da avó

  2. O PT assaltou até funcionários públicos endividados

    Brasil

    O PT assaltou até funcionários públicos endividados

  3. Zezé Di Camargo alfineta Wesley Safadão: 'Emergente'

    Entretenimento

    Zezé Di Camargo alfineta Wesley Safadão: 'Emergente'

  4. Pronto, os ingleses falaram. E falaram grosso

    Mundo

    Pronto, os ingleses falaram. E falaram grosso

  5. Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

    Mundo

    Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

  6. Laura Keller provoca Simony, a 'surtada', pelo Instagram

    Entretenimento

    Laura Keller provoca Simony, a 'surtada', pelo Instagram

  7. Derrota no 'Power Couple' faz Simony perder a linha

    Entretenimento

    Derrota no 'Power Couple' faz Simony perder a linha

  8. Delator de Paulo Bernardo intermediou negócio milionário após viagem oficial com Lula à África

    Brasil

    Delator de Paulo Bernardo intermediou negócio milionário após...

Classe C ganha 40,3 milhões de brasileiros em sete anos

Crescimento de 64,3% fez classe passar a representar 54% da população

- Atualizado em

Estreantes no consumo de massa, gastos supérfluos da classe C preocupam
103 milhões de brasileiros - 54% da população - pertenciam à classe C em 2011(Jorge Araujo/Folha Imagem/VEJA)

O número de brasileiros que ascenderam à classe C no Brasil chegou a 40,3 milhões em sete anos. Segundo o estudo "O Observador Brasil 2012", divulgado nesta quinta-feira, a classe média brasileira passou 62.702.248 para 103.054.685 de pessoas entre 2005 e 2011 - alta de 64,3%.

O levantamento mostra que a classe C passou de 34% para 54% da população e se tornou a maior classe econômica do país. No mesmo período, as classes A e B cresceram de 15% para 22% dos brasileiros e e as classes D e E caíram 51% para 24% do total.

A metodologia utilizada para classificar os brasileiros no estudo da Cetelem BGN, empresa do grupo BNP Paribas, foi o Critério de Classificação Econômica Brasil (CCEB). Comumente tratado por Critério Brasil, ele estima o poder de compra dos indivíduos e famílias urbanas, dividindo-os por classes econômicas (A1, A2, B1, B2, C, D, E) com base nos bens domiciliares (como geladeira, televisão e máquina de lavar) e no grau de escolaridade do chefe de família.

Foram realizadas 1,5 mil entrevistas com pessoas com 16 anos ou mais em 70 cidades do país - sendo nove regiões metropolitanas - entre 17 e 23 de dezembro de 2011.

Desenvolvido em parceria com a Ipsos Public Affairs, a pesquisa mostra que a renda média familiar brasileira cresceu entre 2005 e 2011. A renda da classe média passou de 1.107 reais para 1.450 reais - alta de 30,9% - no período e a renda geral da população aumentou de 974 reais para 1.618 reais - crescimento de 66,1%.

Entre 2010 e 2011, o aumento da renda média familiar geral foi impulsionada pela classe C. A renda dos integrantes da classe C passou de 1.338 reais para 1.450 reais, única faixa da população em que foi observado crescimento. Nas classes A e B a renda média familiar caiu de 2.983 reais para 2.907 reais e, nas classes D e E, baixou de 809 reais para 792 reais.

(Com Agência Estado)

TAGs:
Brasil
Classe C
Classe Média