Mais Lidas

  1. O PT assaltou até funcionários públicos endividados

    Brasil

    O PT assaltou até funcionários públicos endividados

  2. Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

    Mundo

    Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

  3. Gospel Ana Paula Valadão é criticada por foto no velório da avó

    Entretenimento

    Gospel Ana Paula Valadão é criticada por foto no velório da avó

  4. Zezé Di Camargo alfineta Wesley Safadão: 'Emergente'

    Entretenimento

    Zezé Di Camargo alfineta Wesley Safadão: 'Emergente'

  5. Pronto, os ingleses falaram. E falaram grosso

    Mundo

    Pronto, os ingleses falaram. E falaram grosso

  6. Laura Keller provoca Simony, a 'surtada', pelo Instagram

    Entretenimento

    Laura Keller provoca Simony, a 'surtada', pelo Instagram

  7. Roger Abdelmassih é indiciado novamente por estupros

    Brasil

    Roger Abdelmassih é indiciado novamente por estupros

  8. Como os brasileiros que vivem no Reino Unido serão afetados pela saída da UE

    Mundo

    Como os brasileiros que vivem no Reino Unido serão afetados pela...

BC surpreende e mantém a taxa de juros a 14,25%

Sem elevação, prevista por grande parte de economistas e investidores, tendência é dólar seguir em alta

- Atualizado em

Banco Central do Brasil, em Brasília
A sede do Banco Central, em Brasília(Bia Fanelli/Folhapress/VEJA)

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou na noite desta quarta-feira a manutenção da taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic, em 14,25%. A decisão não foi unânime. "Avaliando o cenário macroeconômico, as perspectivas para a inflação e o atual balanço de riscos, e considerando a elevação das incertezas domésticas e, principalmente, externas, o Copom decidiu manter a taxa Selic em 14,25%, sem viés, por seis votos a favor e dois votos pela elevação da taxa Selic em 0,50 ponto porcentual", diz o texto do BC sobre a decisão. Sidnei Corrêa Marques e Tony Volpon foram os integrantes do Copom que votaram pela elevação.

A decisão do Copom surpreendeu os analistas. O mercado abriu a semana com apostas quase unânimes de que haveria alta de meio ponto porcentual da Selic. O quadro começou a virar nesta terça-feira, com declarações do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, dadas após o Fundo Monetário Internacional (FMI) revisar para baixo suas projeções para a economia brasileira. Em outubro, o Fundo previa retração de 1% para o produto interno bruto (PIB) brasileiro em 2016. Agora, a projeção é de encolhimento de 3,5%.

Tombini afirmou que "todas as informações econômicas relevantes e disponíveis até a reunião do Copom" são consideradas para a decisão sobre os juros. A declaração não traz novidade - o BC tem, afinal, que estar atento a todos os elementos que tenham impacto sobre a inflação. Ainda assim, ela foi interpretada como um sinal de que o BC poderia ser comedido na decisão desta quarta, já que a revisão feita pelo FMI nada mais fez do que alinhar as projeções do Fundo a um desempenho da economia brasileira já amplamente esperado pelos agentes econômicos.

A interpretação feita pelo mercado acabou sendo certeira. Ou talvez nem tanto: economistas que revisaram as previsões para a decisão do Copom o fizeram apostando em elevação de apenas 0,25 ponto porcentual. A manutenção era o cenário menos provável desenhado pelos analistas.

Leia mais:

Incerteza sobre juros faz dólar subir e fechar a R$ 4,10

Após fala de Tombini, decisão sobre juros nesta quarta virou grande incógnita

Divergência - Também é surpreendente a discrepância dos votos do BC. Não é raro que os integrantes do Copom tenham votos divergentes, mas é muito incomum que a decisão entre eles seja tão diferente como foi a desta quarta-feira, com seis diretores votando pela manutenção e dois votando por uma alta expressiva, de meio ponto porcentual.

Essa divergência, além do "recuo" do BC de uma ação mais firme na política monetária, tendem a puxar a alta do dólar nos próximos dias. Foi o que ocorreu nos últimos dois dias, nas sessões que se seguiram à declaração de Tombini. Nesta quarta, o dólar fechou em 4,10 reais, seu maior valor de fechamento desde setembro do ano passado.

(Da redação)