Mais Lidas

  1. Ciro defende 'sequestrar' Lula em caso de pedido de prisão

    Brasil

    Ciro defende 'sequestrar' Lula em caso de pedido de prisão

  2. Andréa de Nóbrega deixa Carlos Alberto e 'A Praça É Nossa'

    Entretenimento

    Andréa de Nóbrega deixa Carlos Alberto e 'A Praça É Nossa'

  3. Campanha de Dilma recebeu R$ 2 mi de investigada na Boca Livre

    Brasil

    Campanha de Dilma recebeu R$ 2 mi de investigada na Boca Livre

  4. Ministério da Cultura fazia fiscalização 'pífia', diz MP sobre grupo que desviou R$ 180 mi

    Brasil

    Ministério da Cultura fazia fiscalização 'pífia', diz MP sobre...

  5. Patricia Abravanel bate na África e apanha nas redes

    Entretenimento

    Patricia Abravanel bate na África e apanha nas redes

  6. 'Boca livre que nós pagamos', diz ministro sobre casamento bancado com Lei Rouanet

    Brasil

    'Boca livre que nós pagamos', diz ministro sobre casamento bancado...

  7. Argumentos a favor do Brexit começam a virar pó

    Mundo

    Argumentos a favor do Brexit começam a virar pó

  8. ‘Game of Thrones’: por que saber a origem de Jon Snow é importante

    Entretenimento

    ‘Game of Thrones’: por que saber a origem de Jon Snow é importante

'BC considera todas as informações disponíveis', diz Tombini após relatório do FMI

Fundo piorou sua previsão para a economia brasileira em 2016, com expectativa de retração de 3,5%; Banco Central decide nesta quarta a nova taxa Selic

- Atualizado em

O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini
O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini(Paco Chuquiure/Reuters)

Pouco depois de o Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgar uma piora nas previsões econômicas para o Brasil, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, afirmou nesta terça-feira que o Copom leva em consideração todas as informações relevantes e disponíveis nas suas decisões. O FMI reduziu de 1% para 3,5% sua previsão de retração da economia brasileira em 2016.

"O presidente Tombini ressalta que todas as informações econômicas relevantes e disponíveis até a reunião do Copom são consideradas nas decisões do colegiado", destacou comunicado do BC, no primeiro dia de reuniões para decidir sobre a Selic.

O documento foi divulgado cerca de uma hora depois de o Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciar as revisões em seu relatório "Perspectiva Econômica Global", piorando a perspectiva de contração da atividade econômica brasileira em 2016 e não vendo mais retomada do crescimento em 2017.

Segundo o FMI, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve sofrer retração de 3,5% este ano e ficar estagnado em 2017. Os números são piores do que as estimativas de economistas brasileiros ouvidos pelo BC na pesquisa semanal Focus.

Leia mais:

Brasil vai encolher 3,5% em 2016 e não vai crescer em 2017, diz FMI

Economistas preveem alta da Selic de meio ponto porcentual já nesta semana

No comunicado, Tombini avaliou como "significativas" as revisões para o Brasil feitas pelo FMI, destacando que a entidade "atribui a fatores não-econômicos as razões para esta rápida e pronunciada deterioração das previsões".

"Parece uma desculpa para quem não quer subir juros", disse o sócio-gestor da Absolute Investimentos Renato Botto, ressaltando que há grande incerteza em relação à decisão do Comitê de Política Monetária do BC desta semana. Ele acredita que o BC deve elevar a Selic em 0,5 ponto porcentual, a 14,75%, mas a decisão não deve ser unânime.

O Copom dá início nesta terça-feira a dois dias de reuniões para discutir a taxa de juros básico. A expectativa de economistas consultados na pesquisa Focus é de que o Copom eleve a Selic em meio ponto porcentual na quarta-feira, o mesmo apontado em pesquisa da agência Reuters.

(Com Reuters)