Mais Lidas

  1. Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

    Entretenimento

    Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

  2. Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

    Brasil

    Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

  3. Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

    Brasil

    Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

  4. Alvo de investigação, sobrinho de Lula é processado por calotes em série

    Brasil

    Alvo de investigação, sobrinho de Lula é processado por calotes em...

  5. Paixão, obsessão e morte

    Entretenimento

    Paixão, obsessão e morte

  6. Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

    Mundo

    Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

  7. A selvageria continua: bandidos fazem ofensiva para difamar vítima de estupro coletivo

    Brasil

    A selvageria continua: bandidos fazem ofensiva para difamar vítima...

  8. Marido toma gosto e posta nova foto sensual de Luana Piovani

    Entretenimento

    Marido toma gosto e posta nova foto sensual de Luana Piovani

BC derruba previsão de crescimento em 2014 para 0,2%

Projeção para inflação também piorou. Para o próximo ano, expectativa é de que preços se mantenham em alta – e perigosamente perto do teto da meta

- Atualizado em

O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini
Presidente do Banco Central, Alexandre Tombini. Atividade deverá começar a se recuperar no 2º semestre de 2016(Ueslei Marcelino/Reuters/VEJA)

O Banco Central (BC) reduziu sua projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deste ano de 0,7% para 0,2%. Já a perspectiva para inflação subiu ligeiramente, passando de 6,3% para 6,4%, segundo o Relatório Trimestral de Inflação divulgado nesta terça-feira. Para 2015 o cenário é um pouco mais otimista, mas a inflação segue perigosamente próxima ao teto da meta do governo.

O documento também prevê crescimento de 0,6% do Produto Interno Bruto (PIB) em doze meses até setembro - a projeção para o acumulado do ano ainda não foi divulgada - e inflação em 6,1%. No relatório anterior, a expectativa de inflação para o ano que vem era de 5,8%. A projeção do BC é mais otimista do que a do mercado financeiro, que prevê inflação acima do teto em 2015, como mostrou relatório Focus divulgado na segunda-feira. Para 2016 a expectativa é de que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) encerre o ano em alta de 4,9%.

O Bacen acredita que a atividade doméstica "deverá entrar em trajetória de recuperação no segundo semestre do próximo ano", segundo o relatório. O cenário traçado pelo BC para 2014 leva em conta a taxa básica de juros, Selic, em 11,75% ao ano e o dólar a 2,55 reais. A projeção leva em conta o cenário de referência que serve de base para as decisões do Copom.

Leia também:

Mercado projeta inflação acima do teto da meta em 2015

Prévia da inflação avança em dezembro e tem alta de 6,46% no ano

Tombini diz que inflação subirá ainda mais no 1º trimestre de 2015

"Para o Copom, o fato de a inflação atualmente se encontrar em patamares elevados reflete, em parte, a ocorrência de dois importantes processos de ajustes de preços relativos na economia - realinhamento dos preços domésticos em relação aos internacionais e realinhamento dos preços administrados em relação aos livres", informou o Banco Central. A autoridade monetária acrescentou que "não descarta elevação da inflação no curto prazo e antecipa que a mesma tende a permanecer elevada em 2015, mas, por outro lado, também antecipa que ainda no próximo ano a inflação entra em longo período de declínio".

Preços administrados - O Banco Central projeta que a variação do conjunto dos preços administrados por contrato e monitorados, tanto no cenário de mercado quanto no de referência, é de 5,3% para 2014. Nos últimos dois relatórios, essa previsão era de 5% nos dois cenários.

O expectativa de alta, explica o documento do BC, considera variações ocorridas até novembro nos preços da gasolina (2,3%) e do gás de bujão (4,3%), bem como as hipóteses, para o acumulado de 2014, de recuo de 6,4% nas tarifas de telefonia fixa e de aumento de 18,2% nos preços da eletricidade.

No relatório anterior de setembro, o BC previa aumento de 0,2% para a gasolina até agosto e de 0,3% para o gás de bujão. Também previa, na época, que para o acumulado de 2014 haveria um recuo de 6,3% nas tarifas de telefonia fixa e um aumento de 16,8% nos preços da eletricidade.

A autoridade monetária também revisou a previsão de reajuste dos preços administrados para os próximos dois anos. Em ambos os cenários, a projeção de reajustes dos itens administrados por contrato e monitorados em 2015 subiu de 6% no último relatório em setembro para 6,2% agora. O BC leva em conta hipóteses de aumento de 0,6% nas tarifas de telefonia fixa e de 17% nas tarifas de eletricidade. Para 2016, passou de 4,9% para 5,2%.

(Com Estadão Conteúdo)

TAGs:
Banco Central
Inflação
PIB
Crescimento