Mais Lidas

  1. Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

    Brasil

    Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

  2. Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

    Brasil

    Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

  3. Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

    Brasil

    Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

  4. A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

    Brasil

    A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

  5. Dilma deve anunciar reajuste de até 9,5% no Bolsa Família

    Brasil

    Dilma deve anunciar reajuste de até 9,5% no Bolsa Família

  6. Petrolão atinge cúpula do PT no Senado

    Brasil

    Petrolão atinge cúpula do PT no Senado

  7. Obama, o piadista, tira sarro de Trump em jantar

    Mundo

    Obama, o piadista, tira sarro de Trump em jantar

  8. Felipe Melo entra de sola e detona comentarista Neto

    Esporte

    Felipe Melo entra de sola e detona comentarista Neto

Robô japonês 'aprende' a tomar decisões

Tecnologia imita o comportamento do cérebro humano, capaz de formular soluções para novos problemas a partir de conceitos básicos

- Atualizado em

O robô do Instituto de Tecnologia de Tóquio usa uma tecnologia que lhe permite aprender novas tarefas a partir de instruções básicas
O robô do Instituto de Tecnologia de Tóquio usa uma tecnologia que lhe permite aprender novas tarefas a partir de instruções básicas(Tokyo Institute of Technology/Divulgação/VEJA)

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Tóquio, no Japão, criaram um robô capaz de perceber mudanças no ambiente externo e realizar novas tarefas a partir de conceitos aprendidos anteriormente. Usando uma tecnologia chamada de 'rede neural autorreplicante', que imita o comportamento dos neurônios no cérebro, a máquina consegue formular soluções para problemas simples.

Um vídeo publicado na internet (veja abaixo) mostra como o novo robô 'aprende' a tomar decisões. Quando submetido a um teste para servir água a uma pessoa, o robô pega uma garrafa e despeja o conteúdo do recipiente no copo. Depois, sendo requisitado a gelar a água, ele se vê diante de um problema para o qual não foi programado: tem as duas 'mãos' ocupadas - uma com o copo e outra com a garrafa - e precisa de uma mão livre para pegar o gelo. Ele então deixa sobre a mesa o recipiente, sem qualquer comando adicional. Quando confrontado novamente com o problema, repete a sequência rapidamente.

A demonstração, apesar de simples, representa um avanço significativo em termos de tecnologia e programação. Esta capacidade de aprendizagem, quase tão básica quanto a habilidade de um recém-nascido para associar informações e estímulos do ambiente, sugere que um robô pode ser programado com um conjunto limitado de informações e, ao longo de suas experiências, recombinar os dados para, automaticamente, apresentar soluções sem programação adicional.

Embora robôs sejam atualmente usados na indústria para realizar diferentes tarefas, eles só reproduzem comandos limitados, estipulados previamente para determinadas situações. Quando o contexto muda, a máquina não é capaz de apresentar soluções para os problemas.

TAGs:
Neurociência
Robótica