tarja-rio+20

Ambiente

Rio+20 é desconhecida de 78% dos brasileiros

Estudo divulgado nesta quarta mostra também que o meio ambiente é o sexto problema brasileiro apontado pelos entrevistados. Os três primeiros são saúde, violência e desemprego

Cerimônia de hasteamento da bandeira das Nações Unidas no Riocentro: território da Rio+20

Cerimônia de hasteamento da bandeira das Nações Unidas no Riocentro: território da Rio+20 (Divulgação/Unic Rio)

Um estudo divulgado pelo Ministério do Meio Ambiente na manhã desta quarta-feira revelou que 78% da população brasileira desconhecem a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20. A pesquisa "O que o brasileiro pensa do meio ambiente e do consumo sustentável" ouviu mais de duas mil pessoas de todo o País. O levantamento também indicou que o meio ambiente é apenas o sexto principal problema do Brasil, apontado por 13% dos entrevistados. Os três maiores problemas são a situação da saúde, apontada por 81% dos entrevistados, seguida da violência (65%) e do desemprego (34%).

O que está em jogo na Rio+20

Mesmo com esse resultado, a  ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, destacou que houve avanço. Na Eco 92, quando foi realizada a primeira pesquisa, apenas 6% dos brasileiros conheciam o evento. Hoje, são 22%. "Em 1992, o meio ambiente sequer aparecia na lista de prioridades. Considerando que estamos falando de todo o Brasil, este índice não é baixo. Ele representa 40 milhões de pessoas", afirmou.

De acordo com o novo levantamento do Ministério, os brasileiros também desconhecem os principais conceitos discutidos no evento. A noção de consumo sustentável é ignorada por 66% do público, e o desenvolvimento sustentável por 55% da população. Os pesquisadores percorreram casas em áreas urbanas e rurais de todas as regiões e entrevistaram pessoas maiores de 16 anos. "É muito preocupante que a população não esteja alertada. Se ela não assume sua responsabilidade cidadã, nós efetivamente não vamos conseguir alterar o padrão em que a gente vive", afirmou Moema Miranda, uma das organizadoras da Cúpula dos Povos. "É como se isso não afetasse as pessoas no cotidiano".

Além da percepção sobre a Rio+20, a pesquisa também questionou os hábitos dos brasileiros em relação às questões ambientais, ao consumo, a separação e reciclagem do lixo. O estudo indicou que 51% da população aceitariam pagar pela preservação da floresta Amazônica e que as belezas naturais são o principal motivo de orgulho do brasileiro para 28%.

Por outro lado, mais da metade (52%) dos entrevistados não separam o lixo em suas casas e 58% não têm costume de levar sacolas retornáveis ao supermercado. Dentre os problemas identificados pelo público, o desmatamento é considerado o mais grave (67%). A poluição dos rios e lagoas (47%) e do ar (36%), o volume do lixo (28%) e o desperdício de água (10%) também foram citados.

A responsabilidade sobre os problemas, segundo os entrevistados, é dos governos estadual, municipal e federal, respectivamente. A responsabilidade individual ocupa apenas a quarta colocação, indicada por 46% do público. "Em 20 anos, o brasileiro deixou de desconhecer o ambiente. Agora é hora de olhar pra os deveres e não só para os direitos", afirmou a ministra Izabella Teixeira.

(Com Agência Estado)

LEIA TAMBÉM:

Faça o teste: Que consumidor é você?

Humanidade precisará de "três planetas" em 2050

Conheça o calendário da Rio+20

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados