Mais Lidas

  1. TSE determina que PT devolva R$ 7 mi aos cofres públicos

    Brasil

    TSE determina que PT devolva R$ 7 mi aos cofres públicos

  2. Janaína Paschoal: 'Foram anos de falsidade ideológica na nossa cara'

    Brasil

    Janaína Paschoal: 'Foram anos de falsidade ideológica na nossa cara'

  3. Não há elementos para impeachment de Michel Temer, diz Janaína Paschoal

    Brasil

    Não há elementos para impeachment de Michel Temer, diz Janaína...

  4. Janaína Paschoal se exalta ao defender procurador acusado de agredir esposa

    Brasil

    Janaína Paschoal se exalta ao defender procurador acusado de...

  5. Presidente do Conselho de Ética desafia Cunha e vira alvo de denúncia na Câmara

    Brasil

    Presidente do Conselho de Ética desafia Cunha e vira alvo de...

  6. MG: oposição entra com recursos contra nomeação da mulher de Pimentel

    Brasil

    MG: oposição entra com recursos contra nomeação da mulher de Pimentel

  7. Temer diz que não será candidato em 2018

    Brasil

    Temer diz que não será candidato em 2018

  8. Reale defende impeachment no Senado: 'Crime de responsabilidade sem punição é golpe'

    Brasil

    Reale defende impeachment no Senado: 'Crime de responsabilidade sem...

Por que o calor bateu recordes nas regiões Sul e Sudeste

São Paulo, Porto Alegre e Rio de Janeiro registraram recorde de temperatura no mês de janeiro. Uma região de alta pressão instalada entre o Sudeste e o Sul barra a formação de nuvens, diminui as chuvas e aumenta o calor

- Atualizado em

Praia do Arpoador
A média de temperaturas do Rio de Janeiro neste mês chegou aos 33,9, acima da esperada pelos meteorologistas(Gabriel de Paiva/Agência O Globo/VEJA)

Janeiro é o mês mais quente de São Paulo nos últimos 71 anos. A temperatura média ficou em 31,9 graus Celsius, a mais quente desde que o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) começou a fazer o levantamento, em 1943. A marca superou o antigo recorde de 31,8 graus Celsius, registrada em fevereiro de 1984.

Maiores médias de temperatura em São Paulo
Posição Mês / Ano temperatura
jan/2014 31,9°C
fev/1984 31,8°C
fev/2003 31,6°C
jan/1956 30,9°C
fev/1999 30,9°C
fev/2010 30,9°C
jan/1998 30,8°C
jan/1999 30,8°C
fev/1977 30,7°C
10º mar/2007 30,7°C
11º fev/2012 30,7°C

A previsão é que, nos próximos dias, o calor continue e a umidade fique em torno dos 30% entre o início e o meio da tarde. As máximas devem ser de 33 a 35 graus Celsius.

Em Porto Alegre, este é o janeiro mais quente desde 1916, ano em que Inmet passou a fazer seus registros na capital do Rio Grande do Sul. A temperatura média do mês foi de 33 graus Celsius, quatro décimos acima do recorde anterior, de janeiro de 1953. Na última quinta-feira, a sensação térmica foi de 41 graus Celsius.

Enquanto isso, a Zona Oeste do Rio de Janeiro enfrenta o verão mais infernal dos últimos 30 anos, com a temperatura média em janeiro de 36,5 graus Celsius. Em toda a cidade, a temperatura média registrada é de 33,9 graus Celsius, maior que os 33,1 graus Celsius esperados pelos meteorologistas.

Leia também:

Frio nos EUA, calor no Brasil: os perigos das temperaturas extremas para o corpo

O ano de 2013 está entre os mais quentes da história

De acordo com o Inmet, o forte calor de janeiro está associado também a não formação de uma área de escoamento de vapor d'água com origem na Amazônia, chamada zona de convergência do Atlântico Sul. Ela é responsável por dias mais nublados, úmidos e chuvosos. E também não houve a passagem de frentes frias que provocassem declínio nas temperaturas sobre o Estado.

"Essa falta de umidade está se mantendo: tivemos um inverno muito seco e frio e agora temos um verão muito seco e quente. Essa situação provoca a evaporação rápida da água de rios e dos reservatórios. E isso pode trazer consequências como a falta de água e de energia", diz Pereira Filho.

Falta de chuvas - Além do calor elevado, os Estados sofrem as consequências da distribuição desigual de chuvas no país desde o fim do ano passado. No início do verão houve muitas chuvas em Minas Gerais, Espírito Santo e norte do Rio de Janeiro. No leste de Minas Gerais e no norte do Espírito Santo não chovia tanto desde 1979. Essa umidade, entretanto, não alcançou São Paulo.

Dezembro foi o terceiro mês menos chuvoso dos últimos 71 anos na capital, só perdendo para os anos de 1999 e 1963, segundo dados do Inmet. As chuvas na capital de São Paulo atingiram o volume de 237,9 milímetros, inferior à média histórica de 265,6 milímetros.

Com isso, o reservatório da Cantareira, que abastece a Grande São Paulo, está com 22,4% da capacidade total, o menor nível em seus 39 anos de operação, de acordo com dados divulgados na quinta-feira pela Sabesp, empresa encarregada dos sistemas de água e esgoto no estado. No Rio de Janeiro, a previsão do Inmet é que não haja chuvas até 8 de fevereiro. "Há uma combinação de fatores meteorológicos globais que levou a atmosfera a estar mais seca este ano. E, de acordo com o prognóstico para este trimestre, as chuvas devem chegar ao Estado com força em fevereiro e março, o que pode causar problemas nas cidades", afirma Pereira Filho.

Fenômeno local - Ainda não é possível saber se o calor intenso está ligado a um fenômeno maior relacionado ao clima. "É preciso lembrar que as estações meteorológicas estão em ambientes urbanos que refletem as condições locais das ilhas de calor. A região metropolitana de São Paulo é um caso típico e essas temperaturas exacerbadas não são representativas de uma área maior", afirma Pereira Filho. "Trata-se de fenômenos locais, com influência muito pequena no balanço de energia global. Além disso, calor e frio intensos são variabilidades climáticas normais, resultado da interação com sistemas maiores no globo. Há muita incerteza sobre estes assuntos, e eles ainda são objetos de investigações para descobrir sua origem."

Temperaturas de São Paulo em janeiro de 2014

O mês é o mais quente na cidade desde o início das observações do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), desde 1943

FONTE: Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet)

Como dormir bem no verão

TAGs:
Clima