Clima

Por que o calor bateu recordes nas regiões Sul e Sudeste

São Paulo, Porto Alegre e Rio de Janeiro registraram recorde de temperatura no mês de janeiro. Uma região de alta pressão instalada entre o Sudeste e o Sul barra a formação de nuvens, diminui as chuvas e aumenta o calor

Praia do Arpoador

A média de temperaturas do Rio de Janeiro neste mês chegou aos 33,9, acima da esperada pelos meteorologistas (Gabriel de Paiva/Agência O Globo)

Janeiro é o mês mais quente de São Paulo nos últimos 71 anos. A temperatura média ficou em 31,9 graus Celsius, a mais quente desde que o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) começou a fazer o levantamento, em 1943. A marca superou o antigo recorde de 31,8 graus Celsius, registrada em fevereiro de 1984.

Maiores médias de temperatura em São Paulo

Posição Mês / Ano temperatura
jan/2014 31,9°C
fev/1984 31,8°C
fev/2003 31,6°C
jan/1956 30,9°C
fev/1999 30,9°C
fev/2010 30,9°C
jan/1998 30,8°C
jan/1999 30,8°C
fev/1977 30,7°C
10º mar/2007 30,7°C
11º fev/2012 30,7°C

A previsão é que, nos próximos dias, o calor continue e a umidade fique em torno dos 30% entre o início e o meio da tarde. As máximas devem ser de 33 a 35 graus Celsius.

Em Porto Alegre, este é o janeiro mais quente desde 1916, ano em que Inmet passou a fazer seus registros na capital do Rio Grande do Sul. A temperatura média do mês foi de 33 graus Celsius, quatro décimos acima do recorde anterior, de janeiro de 1953. Na última quinta-feira, a sensação térmica foi de 41 graus Celsius.

Enquanto isso, a Zona Oeste do Rio de Janeiro enfrenta o verão mais infernal dos últimos 30 anos, com a temperatura média em janeiro de 36,5 graus Celsius. Em toda a cidade, a temperatura média registrada é de 33,9 graus Celsius, maior que os 33,1 graus Celsius esperados pelos meteorologistas.

Leia também: 
Frio nos EUA, calor no Brasil: os perigos das temperaturas extremas para o corpo
O ano de 2013 está entre os mais quentes da história


Calor recorde – Uma das explicações para o calor intenso do mês está no ar quente e seco que se instalou entre o Sudeste e o Sul. Uma região de alta pressão, localizada acima do oceano Atlântico, entre o oeste africano e o leste da América do Sul, expandiu-se para uma área que chega até Brasília e passa por Estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Esse fenômeno inibe a formação de nuvens, impedindo as chuvas que reduzem as temperaturas. "Sua abrangência está maior, deixando o ar mais seco e quente. Quanto mais seco, menos nuvens, o que significa também que parte da energia solar que seria refletida por elas está indo direto para a superfície, elevando ainda mais a temperatura”, afirma Augusto Pereira Filho, professor do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP (IAG-USP). 

De acordo com o Inmet, o forte calor de janeiro está associado também a não formação de uma área de escoamento de vapor d’água com origem na Amazônia, chamada zona de convergência do Atlântico Sul. Ela é responsável por dias mais nublados, úmidos e chuvosos. E também não houve a passagem de frentes frias que provocassem declínio nas temperaturas sobre o Estado.

"Essa falta de umidade está se mantendo: tivemos um inverno muito seco e frio e agora temos um verão muito seco e quente. Essa situação provoca a evaporação rápida da água de rios e dos reservatórios. E isso pode trazer consequências como a falta de água e de energia", diz Pereira Filho. 

Falta de chuvas – Além do calor elevado, os Estados sofrem as consequências da distribuição desigual de chuvas no país desde o fim do ano passado. No início do verão houve muitas chuvas em Minas Gerais, Espírito Santo e norte do Rio de Janeiro. No leste de Minas Gerais e no norte do Espírito Santo não chovia tanto desde 1979. Essa umidade, entretanto, não alcançou São Paulo.

Dezembro foi o terceiro mês menos chuvoso dos últimos 71 anos na capital, só perdendo para os anos de 1999 e 1963, segundo dados do Inmet. As chuvas na capital de São Paulo atingiram o volume de 237,9 milímetros, inferior à média histórica de 265,6 milímetros.

Com isso, o reservatório da Cantareira, que abastece a Grande São Paulo, está com 22,4% da capacidade total, o menor nível em seus 39 anos de operação, de acordo com dados divulgados na quinta-feira pela Sabesp, empresa encarregada dos sistemas de água e esgoto no estado. No Rio de Janeiro, a previsão do Inmet é que não haja chuvas até 8 de fevereiro. "Há uma combinação de fatores meteorológicos globais que levou a atmosfera a estar mais seca este ano. E, de acordo com o prognóstico para este trimestre, as chuvas devem chegar ao Estado com força em fevereiro e março, o que pode causar problemas nas cidades", afirma Pereira Filho.

Fenômeno local – Ainda não é possível saber se o calor intenso está ligado a um fenômeno maior relacionado ao clima. "É preciso lembrar que as estações meteorológicas estão em ambientes urbanos que refletem as condições locais das ilhas de calor. A região metropolitana de São Paulo é um caso típico e essas temperaturas exacerbadas não são representativas de uma área maior", afirma Pereira Filho. "Trata-se de fenômenos locais, com influência muito pequena no balanço de energia global. Além disso, calor e frio intensos são variabilidades climáticas normais, resultado da interação com sistemas maiores no globo. Há muita incerteza sobre estes assuntos, e eles ainda são objetos de investigações para descobrir sua origem."

Temperaturas de São Paulo em janeiro de 2014

O mês é o mais quente na cidade desde o início das observações do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), desde 1943

 
FONTE: Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet)

Como dormir bem no verão

1 de 10

Usar lençol de algodão

No calor, tecidos que absorvem o suor, como o algodão e o linho, são boas opções para lençóis, capas de travesseiros e pijamas, ao contrário da maioria dos materiais sintéticos. Antes de colocar o pijama, tomar um banho com água morna – e não gelado – também ajuda a enfrentar o calor intenso. "Nenhuma temperatura extrema é boa para dormir. Só não sentimos tanto desconforto no frio quanto no calor porque resolvemos o problema de maneira mais fácil, dormindo com vários cobertores”, afirma a neurofisiologista Stella Tavares. 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados