Astronomia

Nasa quer testar efeitos de viagem espacial em irmãos gêmeos

Agência pretende separar os irmãos, enviando um deles ao espaço enquanto o outro fica na Terra. Objetivo é estudar os efeitos da viagem no corpo e no DNA dos astronautas

gêmeos

No começo de 2015, a Nasa pretende enviar o astronauta Scott Kelly (à esquerda) ao espaço, onde passará por uma série de exames de saúde. Seu irmão, Mark Kelly (à direita), deve ficar na Terra e passar pelos mesmos testes (Nasa/VEJA)

Os astronautas americanos Scott Kelly e Mark Kelly são conhecidos como os primeiros — e até agora únicos — irmãos gêmeos a viajarem para o espaço. Um documento divulgado pela Nasa no último dia 30 anuncia que eles devem fazer parte de outro feito inédito. Dessa vez, um experimento científico. Segundo a agência, Scott Kelly será enviado ao espaço em 2015, onde permanecerá a bordo da Estação Espacial Internacional, enquanto Mark permanecerá na Terra. O objetivo é comparar as condições fisiológicas dos irmãos, para estudar como a exposição às condições do espaço afeta a biologia dos seres humanos.

Scott e Mark são gêmeos idênticos, nascidos no dia 21 de fevereiro de 1964. Antes de entrar para a Nasa, em 1996, ambos foram pilotos da marinha americana. Como astronauta, Scott Kelly participou de duas missões em ônibus espaciais e passou seis meses na Estação Espacial Internacional. Mark também participou de quatro missões em ônibus espaciais, mas se aposentou em 2011 para cuidar da mulher, a deputada Gabrielle Giffords, ferida em um tiroteio no início de 2011.

A experiência planejada pela Nasa partiu de uma ideia da própria dupla. Segundo os planos, Scott deve embarcar em março de 2015, para passar um ano a bordo da Estação Espacial. Nesse meio tempo, ele e seu irmão deverão passar por testes físicos e cognitivos frequentes, além de recolher amostras de sangue, saliva e urina, para comparar em tempo reala saúde dos gêmeos.

Paradoxo — Em 1911, o físico francês Paul Langevin formulou um experimento mental conhecido como Paradoxo dos Gêmeos para ajudar a compreender as consequências da Teoria da Relatividade, formulada por Albert Einstein poucos anos antes. Segundo a teoria, a velocidade da luz é constante, o que torna tempo e espaço relativos. Assim, quanto mais perto da velocidade da luz um objeto se movimentasse, mais devagar o tempo iria passar.

Saiba mais

TEORIA DA RELATIVIDADE
A Teoria da Relatividade foi desenvolvida pelo físico alemão Albert Einstein no início do século XX. Ela pode ser dividida em campos: a relatividade restrita e a geral. A relatividade restrita diz que a velocidade da luz medida no vácuo é a mesma sob qualquer referencial de observação. Mesmo que um objeto esteja se afastando ou se aproximando, a velocidade relativa da luz não muda. Para que a velocidade seja sempre a mesma, há uma dilatação no tempo.

A relatividade geral adiciona gravidade à relatividade restrita. Ela diz que o espaço e o tempo são uma coisa só. É como se ele fosse uma grande superfície elástica. Planetas colocados sobre essa superfície "afundam" o plano por causa de sua massa ou velocidade. À medida que um satélite, por exemplo, se move na direção de um planeta, ele cai em direção ao astro por causa dessa deformação.

Em seu experimento, Langevin imaginou uma dupla de gêmeos idênticos. Um deles é escolhido para fazer uma viagem espacial, a bordo de uma nave que se movimenta a velocidades próximas à da luz. Quando ele voltar à Terra e se encontrar com seu irmão, estará mais jovem que este — apesar de terem nascido no mesmo dia —, pois o tempo terá passado de modo mais devagar durante sua viagem. Por enquanto, o experimento permanece apenas mental, pois não existe nenhuma tecnologia capaz de reproduzi-lo nos dias de hoje.

Embora o experimento projetado pelos irmãos Scott e Mark Kelly lembre, de certa forma, o Paradoxo dos Gêmeos, os planos da Nasa passam longe de testar a Teoria da Relatividade. O objetivo da agência espacial é realizar investigações de curto prazo sobre as diferenças genéticas, metabólicas e corporais entre os irmãos.

Uma das características que será analisada, por exemplo, é se a radiação espacial pode alterar o DNA de Scott. Segundo o documento da Nasa, outras sugestões de pesquisa podem ser enviadas por cientistas para a agência até o dia 17 de setembro. Os projetos escolhidos serão divulgados em janeiro de 2014. 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados