Astronomia

Europa aprova construção do maior telescópio do mundo

Conselho do Observatório Europeu do Sul (ESO) dá aval ao início da construção do European Extremely Large Telescope, no norte do Chile

O Observatório Europeu do Sul (ESO) apresenta ilustração do European Extremely Large Telescope (E-ELT), que será o maior telescópio óptico infravermelho no mundo localizado em Cerro Armazones, uma montanha 3.060 metros no deserto de Atacama, Chile

O European Extremely Large Telescope será construído em Cerro Armazones, no Chile. A previsão é que o telescópio entre em funcionamento no início da próxima década (L. Calcada/ESO/AFP/VEJA)

O conselho diretor do Observatório Europeu do Sul (ESO) aprovou na noite de segunda-feira a construção do maior telescópio ótico do mundo, o European Extremely Large Telescope (E-ELT), que ficará em Cerro Armazones, norte do Chile. O projeto vem sendo discutido desde 2005 e a previsão é que e o E-ELT entre em funcionamento no início da próxima década.

Saiba mais

EUROPEAN EXTREMELY LARGE TELESCOPE (E-ELT)
O E-ELT pertence a uma classe de telescópios chamada Extremely Large Telescopes (ELT, Telescópios Extremamente Grandes). São telescópios com um espelho de diâmetro superior a 20 metros. Todos os ELTs estão em fase de projeto ou construção. Os cientistas esperam que eles aumentem a chance de encontrar planetas parecidos com a Terra em volta de outras estrelas, o conhecimento sobre a origem do universo e descobertas inéditas. A grande vantagem dos ELTs é a quantidade de luz que conseguem coletar. Isso faz com que eles enxerguem objetos nunca antes observados. Conheça outros projetos de ELT:

GIANT MAGELLAN TELESCOPE
O GMT (Giant Magellan Telescope, Telescópio Gigante de Magalhães) é um telescópio de 25,4 metros de diâmetro que contará com um sistema de sete espelhos de 8,4 metros. O complexo ótico será construído no Deserto do Atacama, no Chile, e é financiado por institutos dos Estados Unidos, Austrália e Coreia do Sul. A previsão é de que ele fique pronto em 2018.

THIRTY METER TELESCOPE
O TMT (Thirty Meter Telescope, Telescópio de Trinta Metros) é um telescópio planejado para 2018 que vai usar um espelho segmentado, parecido com o do E-ELT, de 30 metros de diâmetro. O projeto é uma parceria entre os Estados Unidos, Canadá, Japão, Índia e China. Ele será construído no Havaí e fará observações entre as faixas ultravioleta e infravermelho do espectro. As imagens do TMT serão 10 vezes mais nítidas que as do Telescópio Espacial Hubble.

A decisão de dar início ao projeto foi tomada depois que dois terços do conselho diretor do ESO (pelo menos dez países) aprovaram o E-ELT. A votação aconteceu durante reunião realizada na cidade de Garching, na Alemanha.

Áustria, República Checa, Alemanha, Holanda, Suécia e Suíça votaram a favor do início do programa. Quatro outros países votaram a favor de forma provisória: Bélgica, Finlândia, Itália e Reino Unido. A confirmação do voto desses quatro países depende da confirmação de seus representantes oficiais, que não estiveram na reunião. Os quatro Estados-membros restantes, entre eles o Brasil, estão trabalhando para aderir ao programa em breve.

Leia também: Brasil empaca construção do maior telescópio do mundo, diz diretor de observatório europeu

Para que o projeto seja finalizado, além da aprovação dos membros, é necessário que todos os Estados confirmem a destinação dos investimentos que foram acordados no ano passado. Alguns gastos com elementos do projeto não vão ser feitos até que seja atingido 90% do custo total estimado para a construção do E-ELT.

O projeto, avaliado em 1,35 bilhão de dólares (cerca de 2,7 bilhões de reais), vai permitir a construção de um telescópio com um gigantesco espelho de 39,3 metros, muito acima do tamanho dos maiores telescópios óticos atuais. O E-ELT será construído em Cerro Armazones, próximo ao do Observatório Paranal do ESO, onde a grande altitude e a extrema aridez permitem uma excelente visibilidade do céu.

Infográfico: Os maiores observatórios terrestres do mundo

"Este é um resultado excelente e um grande dia para a ESO. Podemos agora avançar na programação com este grande projeto", disse Tim de Zeeuw, diretor do Observatório Europeu do Sul (ESO).

(Com Agência France-Presse)

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados