Mais Lidas

  1. MG: oposição entra com recursos contra nomeação da mulher de Pimentel

    Brasil

    MG: oposição entra com recursos contra nomeação da mulher de Pimentel

  2. Manifestantes anti-impeachment entram em conflito com polícia do Senado

    Brasil

    Manifestantes anti-impeachment entram em conflito com polícia do...

  3. Ex-BBB Ana Paula elogia (e envelhece) Patrícia Poeta: 'A senhora arrasa'

    Entretenimento

    Ex-BBB Ana Paula elogia (e envelhece) Patrícia Poeta: 'A senhora...

  4. Presidente do Conselho de Ética desafia Cunha e vira alvo de denúncia na Câmara

    Brasil

    Presidente do Conselho de Ética desafia Cunha e vira alvo de...

  5. MP faz nova denúncia contra João Santana, Odebrecht e mais 15 na Lava Jato

    Brasil

    MP faz nova denúncia contra João Santana, Odebrecht e mais 15 na...

  6. Reale defende impeachment no Senado: 'Crime de responsabilidade sem punição é golpe'

    Brasil

    Reale defende impeachment no Senado: 'Crime de responsabilidade sem...

  7. Atriz de ‘50 Tons’ se diz ‘entediada’ após gravar cenas de sexo por sete horas

    Entretenimento

    Atriz de ‘50 Tons’ se diz ‘entediada’ após gravar cenas de sexo por...

  8. Oposição da Venezuela diz ter o triplo das assinaturas necessárias para referendo

    Mundo

    Oposição da Venezuela diz ter o triplo das assinaturas necessárias...

Dez árvores formidáveis e as razões para preservá-las

A pedido de VEJA.com, o ambientalista Ricardo Cardim aponta dez exemplares que vale a pena conhecer neste Dia da Árvore - ou em qualquer outro dia

Por: Daniel Jelin - Atualizado em

Jequitibá-branco do Parque do Trianon
Jequitibá-branco do Parque do Trianon: remanescente centenária da mata de São Paulo(Clayton de Souza/AE/VEJA)

Dia da Árvore não é muito mais que uma data escolar - eventualmente capturada por um ou outro protesto ou ato público de ocasião. E não ajudou nada o decreto de 1965 que substituiu o 21 de setembro por uma certa Festa Anual das Árvores, a se comemorar em março no Norte e Nordeste e em setembro no resto do país, em atenção a diferentes 'características fisiográfico-climáticas'.

O objetivo do decreto, vazado na linguagem típica daqueles anos, era divulgar a 'importância das árvores no progresso da Pátria e no bem-estar dos cidadãos'. Um fracasso fácil de explicar: no registro histórico, a ideia dominante de 'progresso da Pátria' sempre rivalizou com 'importância das árvores'.

O ambientalista Ricardo Cardim, à frente da Figueira das Lágrimas
O ambientalista Ricardo Cardim, à frente da Figueira das Lágrimas(Fernando Moraes/VEJA)

O ambientalista Ricardo Cardim coleciona há anos histórias deste embate ('injusto', diz) entre o verde e o concreto. Em particular, escolheu as disputas travadas em São Paulo, onde o botânico nasceu e cresceu. 'As pessoas tendem a achar que meio ambiente é Amazônia, é crédito de carbono etc.', explica. 'Meio ambiente é o lugar onde você vive'.

Parte da pesquisa de Cardim pode ser conferida no blog Árvores de São Paulo, uma divertida intersecção entre botânica, cultura e história que ele pretende publicar em livro, que já tem nome ('Almanaque do Verde Paulistano'), mas ainda aguarda editora.

São histórias como a da Figueira das Lágrimas, a mais antiga árvore documentada de São Paulo, que marcava o limite da cidade e o ponto de despedida dos viajantes que desciam o Caminho do Mar - daí as lágrimas. Ou dos cambucis do bairro homônimo, onde hoje só se avista um exemplar adulto. Ou da melancia campestre, para sempre varrida dos antigos campos do Butantã.

A pedido de VEJA.com, Cardim apontou dez árvores de interesse histórico e botânico que resistiram - e ainda resistem - ao 'progresso da Pátria' e que vale a pena conhecer neste Dia da Árvore - ou em qualquer outro dia. Confira abaixo no mapa: