Pesquisa

A cura da calvície pode chegar em dez anos

Má formação de células-tronco impediria o crescimento natural do cabelo

A falta de células progenitoras na região sem cabelo do couro cabeludo pode ser a chave para a cura da calvicie

A falta de células progenitoras na região sem cabelo do couro cabeludo pode ser a chave para a cura da calvicie (Christopher Robbins)

A equipe americana estuda se é possível resolver o problema criando um creme ou loção. Não se sabe se o efeito é o mesmo nas mulheres

A calvície masculina pode estar com os dias contados. Cientistas descobriram que uma das causas da perda excessiva de cabelo são células-tronco que não se desenvolveram completamente no couro cabeludo. Caso os pesquisadores consigam estimular o 'amadurecimento' dessas células, é possível que os fios voltem a crescer naturalmente, acabando com a calvície.

A pesquisa foi conduzida pelo médico americano George Cotsarelis e financiada pelo governo americano e pela empresa de cosméticos francesa L'Oreal. O cientista analisou células de áreas calvas e com cabelo e percebeu que, apesar de ambas as regiões possuírem o mesmo número de células-tronco, as áreas sem cabelo possuem um tipo de célula em menor quantidade. Essas células seriam as progenitoras, um estágio mais 'avançado' das células-tronco.

De acordo com o cientista, isso quer dizer pode haver um problema na ativação das células-tronco nas áreas calvas da cabeça para que elas se transformem em células progenitoras. Agora, a equipe de Cotsarelis está estudando possibilidades de resolver o problema criando um creme ou loção. Seria possível também remover as células-tronco do couro cabeludo do paciente, ativá-las em laboratório e transplantá-las de volta.

Os pesquisadores ainda não sabem se o efeito é semelhante nas mulheres e pretendem investigá-lo nos estágios seguintes do estudo. Cotsarelis acredita que um tratamento esteja disponível no mercado em cerca de dez anos.

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados