13/09/2011 - 10:40
Fonte: Logo-estadao-conteudo

Variedades

Bienal do Livro bate recorde de público e faturamento

Por AE

Rio - Padre Marcelo Rossi, padre Fábio de Melo, bispa Sonia Rodrigues, pastor Silas Malafaia. Numa Bienal do Livro superlativa, de recorde de público (670 mil pessoas em onze dias, número 5% maior do que o de 2009), de exemplares vendidos (2,8 milhões, contra os 2,4 milhões anteriores) e de faturamento (R$ 58 milhões, contra R$ 51,5 milhões), religiosos que dão expediente como escritores ajudaram a alavancar as vendas.

Livros como "Ágape" (Globo), o best-seller de 6 milhões de cópias do padre Marcelo, o mais vendido na Bienal, "Tempo de Esperas", do padre Fabio, e "Vivendo de Bem com a Vida", da bispa, integram o segmento que mais cresce no País, segundo a última pesquisa do Sindicato Nacional dos Editores de Livros, realizador da Bienal, com a Fagga Eventos e a GL Events. Em 2010, o incremento foi de 40%, em relação a 2009. Esta Bienal teve 25 editoras especializadas; em 2009, eram 16.

A histeria em torno do padre Marcelo foi tamanha - cerca de 15 mil pessoas só para vê-lo, concentradas num só horário, o que provocou falta de água e vagas no megaestacionamento do Riocentro - levou a organização a repensar os limites da feira. A partir de 2013, é possível que um espaço fora dos pavilhões seja destinado só para atrações extras e superpopulares. "Fugiu do nosso controle", admitiu Arthur Repsold, da GL Events. "Foi feita uma campanha muito forte pelo rádio, da qual não tínhamos conhecimento." O padre chegou a ficar com a mão machucada depois de mais de mil autógrafos, foi levado ao posto médico. Passadas dez longas horas, sem conseguir mais pegar na caneta, improvisava bênção coletiva. A presença dele repercutiu nas vendas de outros livros católicos. Na Ediouro, os do padre Reginaldo Manzotti se esgotaram; na Paulus, saíram os títulos de teologia e os infanto-juvenis.

Escritores de mais prestígio, brasileiros e estrangeiros (Luis Fernando Verissimo, Ferreira Gullar, Gonçalo M. Tavares, Michael Connelly) e grandes vendedores (Anne Rice, William Young), em especial os infanto-juvenis (Thalita Rebouças, febre Bienal após Bienal, Eduardo Spohr, Alyson Noël, Lauren Kate, a novata Hilary Duff), num total de 134 autores na programação cultural e mais de 700 nos estandes, atraíram milhares de seguidores nas mesas e nos corredores. Além deles, personalidades que nunca escreveram uma linha - Ronaldinho Gaúcho autografou até gibi.

De máquina fotográfica nas mãos, as crianças e adolescentes estão mesmo tomando conta da Bienal: 110 mil passaram pelo espaço Maré de Livros. Os menores pegavam os exemplares dispostos à altura das mãos; os maiores, em grupos grandes e barulhentos, brincavam de formar frases com caracteres de computador. A visitação escolar também cresceu. Um outro dado positivo, num momento em que se discute o baixo índice de leitura entre os educadores, foi a frequência de professores: 80 mil (eles tiveram entrada gratuita). O índice é 15% maior do que o de dois anos atrás.

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados