Tarja para o tema Humor

Humor

A terapia de choque de Alexandre Frota

Em stand-up que estreou nesta segunda em SP, ator relembra feitos da carreira, situa o cinema pornô como fase e ataca os críticos. Com todas as forças

Maria Carolina Maia
O ator Alexandre Frota no palco do Cardozo Bar, em São Paulo

O ator Alexandre Frota no palco do Cardozo Bar, em São Paulo (Francisco Cepeda / AgNews)

“A minha vida é f... Uma vida casca grossa. Em 73, aos dez anos de idade, vi meu pai se separar da minha mãe. Aí, o bicho pegou.” Brincadeira ou não, o texto, trecho de um dos vídeos introdutórios de Identidade Frota, dá o tom do espetáculo, um stand-up com jeito de terapia que o ator Alexandre Frota estreou na noite desta segunda-feira, em São Paulo. Terapia de choque. Por uma hora e meia, o ator relembrou sua vida, destacou aqueles que considera os seus maiores feitos artísticos, disparou contra colegas e contou casos polêmicos com nomes como a apresentadora Xuxa, o humorista Jô Soares e a ex-mulher Claudia Raia.

A atriz, aliás, é constantemente citada no espetáculo. Seu nome aparece já num dos vídeos iniciais – um telão os apresenta enquanto o ator não inicia a apresentação. “Traí e fui traído”, diz a voz grave do pit-boy de 48 anos. Outro vídeo, exibido antes desse e daquele em que Frota lamenta o divórcio dos pais, mostra atores como Eri Johnson e Bruno Mazzeo imitando sua conhecida figura de pit-bull. Nada ali é gratuito, nem mesmo uma das cenas que abrem o arquivo, em que dois gorilas surgem copulando após a menção, em off, à carreira pornográfica de Frota, que tem pelo menos cinco dos chamados filmes adultos no currículo.

Tudo remete à reciclagem do ator. Ele sabe que não pode ignorar sua produção pornô, mas brinca com ela e destaca outros trabalhos para mostrar que longas como 11 Mulheres e Nenhum Segredo e Obsessão não passaram de uma fase.

“If you, if you could return / don’t let it burn, don’t let if fade.” É com os ternos versos iniciais de Linger, da banda irlandesa Cramberries, que o pit-boy sobe ao palco. Ainda passa no telão um dos vídeos introdutórios. Frota, no escuro e em silêncio, ri orgulhoso da própria narração, que relata como ele foi pegador na vida. “Passei cerol em um monte de famosa”, proclama.

A luz acende. O ator inicia a sua parte, com aquela que talvez seja a melhor piada do texto, escrito de próprio punho para um público que pagou 30 reais e lotou um bar da Vila Olímpia, em São Paulo. Um texto que poderia estar no programa de Tom Cavalcante, e que perde parte da graça nos trejeitos duros de Frota. “Fiz muitas novelas boas. Mas também fiz Marisol.”

Divulgação

Cartaz do stand-up 'Identidade Frota', com Alexandre Frota

Cartaz do stand-up 'Identidade Frota'

Terapia do grito – Alexandre Frota então rememora seus anos de TV Globo e sua passagem pela Casa dos Artistas, do SBT, com direito a mais vídeos no telão. As pancadas vêm logo depois. É a hora da terapia de choque, de expor a mágoa em seu estado bruto, para o espanto da plateia, calada quase todo o tempo. “Encontrei o Richarlyson quando fui fazer o meu segundo exame de próstata. Eu estava entrando, ele estava saindo. Sorrindo”, diz, citando o volante do Atlético Mineiro. “É f...”, completa, usando uma das frases mais repetidas na noite. É apenas o início da sessão, repleta de golpes baixos -- e irreproduzíveis por aqui.

Em seguida, o ator fala de Adriano e de Ronaldo. O atacante do Corinthians teria dito que gente “como Frota” fica sem rumo ao se meter com drogas. “A não ser que seja jogador de futebol. Aí, é chamado de ‘imperador’”, atacou o pit-boy. Já Ronaldo, que também o teria criticado, deveria lembrar que saiu com travestis antes de falar mal de Rafinha Bastos, que, numa piada de mau gosto, disse que “comeria” a cantora Wanessa Camargo e seu bebê. O público permanece atônito.

Frota ainda falaria de Joana Machado, a vencedora da última temporada do reality show A Fazenda, que, segundo ele, lhe deve 20% do prêmio de 2 milhões de reais. “Trabalhar na Record foi importante para mim, aprendi muito com o Edir Macedo. Não à toa vou ficar com 20% do prêmio da Joana, ela querendo ou não.” Sobre a questão, Frota diria mais tarde ter assinado um contrato com a personal trainer por ocasião de A Fazenda 3. Joana não entrou naquela edição do programa, mas, como o acordo teria validade de 24 meses, até 2012, ainda estaria de pé.

Terapia em grupo – A segunda metade do espetáculo, quase meia-hora mais comprido para a estreia, é um pouco mais suave. Frota chama ao palco uma pessoa da plateia para improvisar uma dança. E recebe colegas de humor como Candé Brandão, da Oficina dos Menestreis, com quem faz uma esquete sobre aula de balé, e Tuca Graça, com quem reproduz o quadro da dupla gay Batman e Robin, feito por ambos no programa A Praça É Nossa. Mas quem rouba a cena mesmo é Ênio Vivona, também do humorístico do SBT, com um curto stand-up que enfim faz rir.

Antes do fim, auxiliado pelas perguntas de um jornalista convidado, Frota ainda volta a falar de Claudia Raia. Conta que a tirou de Jô Soares, mas que jogou o casamento fora porque não estava “blindado pelo sistema para lidar com o sucesso”. E depois, fazendo uma das histórias de seu cardápio – que para a estreia, contudo, não ficou pronto –, conta a história de Xuxa. Diz que a viu pelada, tomando banho, quando era um modelo em início de carreira. A apresentadora não teria se inibido ao vê-lo no banheiro, observando-a. “Ela estava super descolada.”

Antes de encerrar a noite com a récita de uma música de Oswaldo Montenegro, Frota confirma o que àquela altura já se sabe: que aquele é seu momento terapêutico. “Quero, nesse espetáculo, ir passando minha vida a limpo. Sei que já fui muito criticado por algumas decisões, mas eu sou assim”, diz, em tom de despedida. “E eu anoto tudo o que dizem e agora vou colocar para fora, que é uma maneira de ficar um pouco mais leve.” Resta saber com que peso saíram os espectadores, depois da sessão de descarrego de Alexandre Frota.

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados