Mais Lidas

  1. Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

    Entretenimento

    Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

  2. Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

    Brasil

    Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

  3. Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

    Brasil

    Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

  4. Alvo de investigação, sobrinho de Lula é processado por calotes em série

    Brasil

    Alvo de investigação, sobrinho de Lula é processado por calotes em...

  5. Paixão, obsessão e morte

    Entretenimento

    Paixão, obsessão e morte

  6. Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

    Mundo

    Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

  7. A selvageria continua: bandidos fazem ofensiva para difamar vítima de estupro coletivo

    Brasil

    A selvageria continua: bandidos fazem ofensiva para difamar vítima...

  8. Marido toma gosto e posta nova foto sensual de Luana Piovani

    Entretenimento

    Marido toma gosto e posta nova foto sensual de Luana Piovani

Versão brasileira da taser promete ser realmente não-letal

Feira internacional de produtos de segurança mira na Copa de 2014 e na Olimpíada de 2016, e tem entre seus destaques pistola que dá choque menos potente

Por: Cecília Ritto - Atualizado em

A pistola Spark, fabricada no Brasil pela Condor: arma não-letal semelhante à taser, porém menos potente e com trava que impede disparos em série
A pistola Spark, fabricada no Brasil pela Condor: arma não-letal semelhante à taser, porém menos potente e com trava que impede disparos em série(Divulgação/VEJA)

Entre robôs, câmeras e sistemas de última geração, um dos destaques da feira Latin American Aerospace and Defence (LAAD), de equipamentos profissionais de segurança, é uma alternativa brasileira às pistolas taser. O uso desse tipo de arma não letal passou a ser questionado depois da morte do estudante brasileiro Roberto Laudisio, 21 anos, na Austrália, e de uma morte no Brasil. A pistola Spark, apresentada no evento, é uma arma da categoria elétrica incapacitante, cuja ação dura apenas cinco segundos. Passado esse tempo, ela é automaticamente travada. Quem usa a taser pode fazer disparos em série - e foi isso que resultou na morte de Laudisio. Essa é a principal diferença da pistola brasileira, que teve sua tecnologia desenvolvida pela empresa Condor em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (Faperj) e com o Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet) Celso Suckow da Fonseca.

A Latin American Aerospace and Defence é um evento fechado, que reúne 130 empresas de 13 países, além do Brasil. Este ano, o foco dos expositores se concentra principalmente em sistemas para monitoramento de grandes eventos esportivos, de olho na Copa do Mundo de 2014 e nos Jogos Olímpicos de 2016. A Condor, mesmo já tendo lançado a Spark no começo do ano, usou a feira como vitrine. Desde janeiro, foram vendidas cinco mil unidades, que começarão a ser entregues em maio. Diante da série de grandes eventos que acontecerão no Brasil nos próximos anos, a meta da empresa é vender, apenas aqui, 30 mil pistolas nos próximos 12 meses. "Os eventos amplificam a necessidade de itens não letais. As forças de segurança estão conscientes disso", disse o diretor de marketing da Condor, Massilon Miranda.

O Exército brasileiro é um dos interessados na compra desse tipo de armamento, fabricado apenas nos EUA, Rússia e China - e, agora, pelo Brasil, que consegue oferecer um preço mais atraente. Enquanto a taser pode chegar a sair por 5 mil reais, a Spark entra no mercado ao custo de 2.200 reais. A principal inovação da arma brasileira é que seu choque libera 40% menos energia. Outra diferença é a luz azul de led na lateral da pistola, indicando que a arma será acionada. Isso ajuda a evitar que outros policiais disparem contra a mesma pessoa. Os homens que a usarão terão uma pulseira para amarrá-la ao punho em caso de tentativa de roubo. Se alguém tentar retirar a pistola do braço do policial, não conseguirá usá-la depois porque o dispositivo que permite o funcionamento estará atrelado a essa pulseira.

Para evitar o uso da pistola como forma de torturar uma vítima, os fabricantes criaram um mecanismo de memória capaz de informar sobre os últimos mil disparos- quanto tempo duraram, em que momento foram feitos.

Para Miranda, levar a Spark para a feira é uma forma de abrir a discussão sobre as armas não letais. "Por causa do que aconteceu na Austrália, pensamos se era o momento de fazer o lançamento. Mas era o momento perfeito. É a oportunidade de trazer para o mercado um dispositivo que tem itens de segurança e, ao mesmo tempo, lançar a discussão sobre quando a arma deve ser usada", argumentou, alertando para o abuso do uso dessa pistola. No caso australiano, ela foi acionada diante da suspeita de que o rapaz havia roubado um pacote de biscoitos.

LEIA TAMBÉM:

A letalidade das armas não-letais

TAGs:
Armas
Negócios
Seguranca