direito dos animais

Geral

Um cão Lobo a cada duas horas

Em São Paulo, só em 2011, foram mais de 5.000 casos de maus tratos contra animais. Punição branda ajuda a perpetuar a violência contra cães e gatos

Cida Alves
  • Fraldinha, a mascote da ONG Clube dos Vira-Latas, foi resgatada dentro de um rio, enrolada em um pano e com a coluna fraturada

    Cida Alves

  • Assim como no caso do rottweiler Lobo, Toni foi amarrado a um carro e arrastado pelo próprio dono. Parte de uma pata teve de ser amputada

    Cida Alves

  • Brutos ficou onze anos amarrado a uma corda de pouco mais de um metro. Quando foi resgatado, mal sabia andar

    Cida Alves

  • O pitbull Sorriso foi espancado pelo dono porque mostrou os dentes

    Cida Alves

  • Há casos de cadelas que deram à luz em situações de abandono e maus tratos e foram parar no abrigo com os filhotes

    Cida Alves

  • Cerca de 500 cães vivem no lar transitório da ONG

    Cida Alves

  • Os cães que vivem no lar transitório da ONG  passam por um período de reabilitação de três meses, em média. Depois são levados para feiras de adoação

    Cida Alves

Foto 0 / 7

Ampliar Fotos

"Ninguém que maltrate um animal vai preso. No caso do Lobo, a pena foi multa de 1.090 reais e trabalho voluntário. É muito pouco. O tratamento para tentar salvar a vida dele custou 7,5 mil reais", conta Miriam Miranda, presidente da ONG Vira Lata, Vira Vida, de Piracicaba

No Brasil, algumas práticas de crueldade animal, como as rinhas de galo e a Farra do Boi, são consideradas ilegais e punidas com cadeia. Mas há um tipo de violência contra bichos quase ignorada pelas autoridades e pela Justiça: os maus tratos contra cães, gatos e outros animais de estimação.

O caso mais recente foi um vídeo publicado na internet em 14 de dezembro mostrando um pequeno cão yorkshire espancado por uma mulher em Formosa, no interior de Goiás. A violência é presenciada por uma criança pequena, supostamente a filha da agressora. Segundo a polícia, o cão morreu. Também os casos de Titã, enterrado vivo em Novo Horizonte, e Lobo, o rottweiler que morreu depois de ser amarrado a um carro e arrastado pelo próprio dono em Piracicaba, ambos em São Paulo, chamaram atenção. Infelizmente, esses não são episódios isolados.

Leia também:
Projeto de lei cria delegacia contra maus tratos a animais
Reinaldo Azevedo: De cães e homens

O crime de maus tratos não costuma ser considerado caso de polícia nem mesmo pela polícia – apesar de o ser. Os registros são precários e não há dados oficiais sobre os abusos cometidos contra animais domésticos no Brasil. O Centro de Controle de Zoonoses da cidade de São Paulo recebeu neste ano 8.702 denúncias de maus tratos e mais da metade foi confirmada. Isso representa cerca de 5.000 casos de maus tratos no ano ou 14 por dia - uma média de uma agressão a cada 2 horas.

O dia a dia das entidades que resgatam esses bichos prova como a violência contra eles é recorrente. “Pela quantidade de cães que temos aqui já é possivel ter uma ideia do tamanho desse universo de crueldade", afirma Claudia Demarchi, presidente da ONG Clube dos Vira-Latas, de Ribeirão Pires. "Recebemos mais de 100 e-mails e telefonemas por dia com denúncias e cerca de 20% estão relacionadas a maus tratos”.

No canil que coordena há sete anos, ela cuida de aproximadamente 500 cães. Entre eles há vários “Titãs” e “Lobos”, animais mutilados e traumatizados pela crueldade dos homens (veja a galeria).

O cão Toni, por exemplo, foi arrastado pelo dono, tal como Lobo. Ele perdeu parte da pata esquerda e, há um ano, recebe tratamento no Clube dos Vira-Latas. O pitbull Ezequiel teve as duas patas dianteiras quebradas e os olhos queimados com cigarro. Brutos ficou 11 anos amarrado a uma corda de pouco mais de um metro na laje de casa. Quando foi resgatado com apoio da polícia, mal conseguia andar. A mascote do lugar, Fraldinha, foi jogada em um rio com a coluna quebrada. Hoje, ela se locomove com o auxílio de uma cadeira de rodas.

Cada animal precisa passar por, no mínimo, três meses de tratamento e readaptação até poder ser liberado para adoção. Só neste ano, o Clube dos Vira-Latas conseguiu encontrar um lar para 380 cães, como Kadu, encontrado na rua com duas patas quebradas. Uma teve de ser amputada e, a outra, ficou com sequelas. A família da secretária Verônica Kubalack Ferreira, de 48 anos, esperou três meses para levá-lo para casa. "Valeu muito a pena aguardar a recuperação", diz Verônica. "Apesar de ainda ser um pouco assustado, ele é muito carinhoso. E ter o Kadu me despertou ainda mais para a causa dos animais maltratados".

Penas brandas - Miriam Miranda, presidente da ONG Vira Lata, Vira Vida, de Piracicaba, acompanhou de perto o caso de Lobo. Ela diz que os maus tratos contra animais domésticos se perpetuam porque a penalidade para esse tipo de crime é muito branda.

“Não há possibilidade de uma pessoa que maltrata e mata um animal acabar presa", constata Miriam. "No caso do Lobo, por exemplo, a pena foi uma multa de dois salários mínimos (1 090 reais) e trabalho voluntário de 120 horas no canil municipal. Isso é muito pouco. Só o tratamento para tentar salvar a vida do Lobo custou 7 500 reais”. Lembre-se aqui que são raras as ONGs de proteção aos animais que recebem dinheiro público. A maioria delas sobrevive de doações e sob o risco permanente de fechar por falta de recursos.

O caso do rottweiller criou uma mobilização nacional que levou ativistas até Brasília para pedir que a lei seja mais dura. Hoje, os maus tratos contra animais domésticos são enquadrados na lei de crimes ambientais (nº 9605/98). A pena varia de três meses a um ano de prisão – no máximo um ano e meio, se há a morte do animal. Os casos acabam convertidos em penas alternativas, com o pagamento de cestas básicas ou a realização de serviços comunitários.

Existem hoje em tramitação no Congresso Nacional 21 projetos relacionados à questão animal, alguns há mais de 10 anos. Mas nem todos vêm para melhorar a situação. Um deles, de autoria do ex-deputado do PSDB de Alagoas José Thomaz Nonô, quer excluir das sanções penais as práticas contra animais domésticos ou domesticados. O projeto está pronto para ser votado e acaba emperrando outras propostas, como a da bancada do Partido Verde que pede o aumento da pena para maus tratos para até quatro anos de prisão. 

"Se pedirmos para votar o projeto do PV, pelo regimento teremos que votar também o projeto do Nonô, que é sobre o mesmo tema", afirma o deputado federal Ricardo Izar (PSD-SP), presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Animais do Congresso. "E nosso receio é que ele seja aprovado". A estratégia é esperar até 2014 para que o projeto do tucano caduque. “O problema é que há pouca vontade política em relação ao tema dos animais", diz Izar. "Esse é considerado um assunto de menor importância”.

Para driblar essa morosidade, entidades de proteção aos animais do estado de São Paulo começarão no ano que vem uma campanha para conseguir 1,5 milhão de assinaturas e apresentar um projeto de iniciativa popular para a criação da Lei Lobo (para assinar a petição, clique aqui), que seria elaborada com a ajuda do Ministério da Justiça para aumentar a pena para agressores de animais. Até que a legislação do Brasil evolua, lobos e titãs continuarão a contar apenas com a caridade de algumas poucas cláudias, mirians e verônicas.

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados