Mais Lidas

  1. Andréa de Nóbrega deixa Carlos Alberto e 'A Praça É Nossa'

    Entretenimento

    Andréa de Nóbrega deixa Carlos Alberto e 'A Praça É Nossa'

  2. Exclusivo: delator revela caminho das propinas para operador de Renan e do PMDB

    Brasil

    Exclusivo: delator revela caminho das propinas para operador de...

  3. Patricia Abravanel bate na África e apanha nas redes

    Entretenimento

    Patricia Abravanel bate na África e apanha nas redes

  4. Campanha de Dilma recebeu R$ 2 mi de investigada na Boca Livre

    Brasil

    Campanha de Dilma recebeu R$ 2 mi de investigada na Boca Livre

  5. Moro reabre ação que envolve executivos da Andrade Gutierrez

    Brasil

    Moro reabre ação que envolve executivos da Andrade Gutierrez

  6. Ciro defende 'sequestrar' Lula em caso de pedido de prisão

    Brasil

    Ciro defende 'sequestrar' Lula em caso de pedido de prisão

  7. ‘Game of Thrones’: por que saber a origem de Jon Snow é importante

    Entretenimento

    ‘Game of Thrones’: por que saber a origem de Jon Snow é importante

  8. Impeachment pode marcar nova onda de valorização do real

    Economia

    Impeachment pode marcar nova onda de valorização do real

Tuma Jr. lança livro que expõe a fábrica de dossiês petistas contra adversários

Em 'Assassinato de Reputações - Um Crime de Estado', ex-secretário nacional de Justiça revela como atores obscuros usam o governo para proteger os amigos e triturar adversários políticos

- Atualizado em

APARELHO CLANDESTINO - Romeu Tuma Junior: "Recebi ordens para produzir e esquentar dossiês contra uma lista inteira de adversários do governo"
APARELHO CLANDESTINO - Romeu Tuma Junior: "Recebi ordens para produzir e esquentar dossiês contra uma lista inteira de adversários do governo"(Paulo Vitale/VEJA)

O ex-secretário nacional de Justiça Romeu Tuma Junior lançou nesta sexta-feira o livro Assassinato de Reputações - Um Crime de Estado (Editora Top Books, R$ 69,90), no qual revela como foi articulada no governo federal uma máquina para montar dossiês contra adversários. Pela natureza de suas atividades à frente da Secretaria Nacional de Justiça, de 2007 a 2010, o delegado Tuma ouviu confidências e teve contato com alguns dos segredos mais bem guardados do país, mas também experimentou um outro lado do poder - no qual, sem escrúpulos, atores obscuros usam o governo para proteger os amigos e triturar aqueles que são considerados inimigos.

O conteúdo do livro foi antecipado na edição de VEJA da semana passada, quando foi relatado como Tuma Junior recebeu ordens enquanto esteve no cargo para "produzir e esquentar" dossiês contra adversários do governo Lula. Em 2010, durante o segundo mandato de Luiz Inácio Lula da Silva, ele foi demitido do cargo de secretário por suspeitas de envolvimento com a chamada máfia chinesa.

Em uma das revelações feitas no livro, o delegado afirma que Lula foi informante da ditadura. Segundo escreveu Tuma Junior, o então líder sindical repassava dados sobre greves sob o codinome de "Barba" ao Departamento de Ordem Política e Social (Dops), onde atuava seu pai, Romeu Tuma. O petista ficou preso em 1980 por 30 dias no Dops, após greves no ABC. Ao dar informações ao governo militar, Lula garantiu "privilégios" na prisão. O livro do delegado lista como privilégios noites de sono em um sofá do Dops e uma visita à mãe, dona Lindu, que estava gravemente doente.

Procurado, o Instituto Lula informou na sexta-feira que o ex-presidente não iria fazer comentários.

Reputações - Boa parte do livro é dedicada ao que o delegado chama de "assassinato de reputações". A obra afirma que o então ministro da Justiça e hoje governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, o assediava para que deixasse vazar documentos que prejudicariam adversários. Ele cita o caso do cartel que começou a ser investigado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal em 2008.

Segundo Tuma Junior, "começou a sair na imprensa que vinha informação da Alstom envolvendo os tucanos". "Um dia chegou o documento da Suíça, em nome da secretaria. Falei para não mandarem para o Ministério Público ainda: 'Lacrem o envelope, tragam para mim e avisemos ao ministro, porque chegou a bomba dos documentos da Alstom'", escreve. As informações tinham como alvo principal Robson Marinho, ex-chefe da Casa Civil do governo tucano de Mário Covas. Eram relatórios enviados voluntariamente pelo país europeu. O ex-secretário de Justiça relata que os documentos, mesmo compartilhados por poucas pessoas, acabaram vazando.

Ele também critica a ação de parte dos promotores paulistas. "É importante registrar: no Ministério Público de São Paulo existe uma ala que sempre protegeu tucanos de alta plumagem".

Tuma Júnior também acusa outro ex-ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, de pedir que o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), fosse investigado após dizer que Lula sabia do mensalão. A ordem ao ministro, diz Tuma Júnior, teria sido dada por Gilberto Carvalho, braço direito do ex-presidente. Carvalho afirma que vai processar o delegado.

O ex-secretário nacional de Justiça atribui a sua demissão do cargo, em 2010, a uma "armação" do governo Lula. Em 5 de maio de 2010, reportagens revelaram que a Polícia Federal tinha interceptado gravações e e-mails ligando-o a Li Kwok Kwen, o Paulo Li, acusado de ser um dos chefes da máfia chinesa em São Paulo.

A quadrilha era suspeita de ser especializada em contrabando de telefones celulares e venda de vistos permanentes.

"A pergunta que faço é: o que era mais importante para o Estadão noticiar? A foto do 'chefe da máfia', um chinês, com o secretário Nacional de Justiça na China, ou entregando um presente para o presidente Lula (...)? Eu respondo: é óbvio que, se não fosse armação do governo com o jornal, se o indivíduo fosse mesmo um mafioso, o Lula estaria na capa do Estadão e não eu", escreve, referindo-se ao fato de o então suspeito de integrar a máfia chinesa aparecer em várias fotos ao lado de autoridades da República.

Leia também:

EM VEJA: Tuma Junior revela em livro segredos sórdidos do poder

Governo manobra e adia audiência de Tuma Jr. na Câmara

(Com Estadão Conteúdo)

TAGs:
Justiça
PT