Mais Lidas

  1. Polícia tenta identificar bandidos que praticaram estupro coletivo em favela do Rio de Janeiro

    Brasil

    Polícia tenta identificar bandidos que praticaram estupro coletivo...

  2. China cria ônibus que 'passa por cima' de engarrafamentos

    Economia

    China cria ônibus que 'passa por cima' de engarrafamentos

  3. Ex-ator mirim sobre pedofilia em Hollywood: ‘Fui molestado por várias pessoas’

    Entretenimento

    Ex-ator mirim sobre pedofilia em Hollywood: ‘Fui molestado por...

  4. Família de Johnny Depp 'odiava' Amber Heard

    Entretenimento

    Família de Johnny Depp 'odiava' Amber Heard

  5. Johnny Depp perde a mãe e o casamento em apenas dois dias

    Entretenimento

    Johnny Depp perde a mãe e o casamento em apenas dois dias

  6. Temer e os áudios: por que a Lava Jato preocupa também o governo interino

    Brasil

    Temer e os áudios: por que a Lava Jato preocupa também o governo...

  7. STF dá prazo de cinco dias para Temer se explicar sobre reforma administrativa

    Brasil

    STF dá prazo de cinco dias para Temer se explicar sobre reforma...

  8. Fã que atacou Ana Hickmann ia fazer 'roleta russa', diz delegado

    Entretenimento

    Fã que atacou Ana Hickmann ia fazer 'roleta russa', diz delegado

Ganho de Cunha é mais raro que loteria, diz jornal

Taxa de sucesso do presidente da Câmara dos Deputados com investimentos no mercado é mais improvável que ganhar na Mega Sena

- Atualizado em

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, ao deixar o prédio do STF (Supremo Tribunal Federal), nesta quarta-feira (23)
O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, ao deixar o prédio do STF (Supremo Tribunal Federal)(Alan Marques/Folhapress)

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), obteve uma taxa de sucesso com investimentos no mercado que é mais improvável que ganhar na Mega Sena. A avaliação consta de documento protocolado no Supremo Tribunal Federal (STF) pela Procuradoria Geral da República (PGR), com base num inquérito da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). As informações foram publicadas pelo jornal Folha de S.Paulo neste sábado.

Entre abril de 2004 e fevereiro de 2005, Cunha teria lucrado 917.000 reais após acertar 100% em operações no mercado de dólares e 98% em apostas em outro papel. De acordo com o jornal, a PGR teria apontado que a probabilidade de se obter uma taxa de sucesso de 98% ocorre em uma vez a cada 257 septilhões (o número 257 seguido de 24 zeros). Em comparação, a Mega Sena confere à aposta mínima uma chance em 50 milhões.

Conforme a PGR, ao mesmo tempo em que Cunha ganhava com seus investimentos, o fundo de pensão Prece, de funcionários da Cedae, companhia de água do Rio, amargava prejuízos. A Prece operava sete fundos de investimento por meio de várias corretoras, entre elas a Laeta, que tinha Cunha como cliente, além do corretor Lúcio Bolonha Funaro.

Para a PGR, a taxa de sucesso de Cunha e Funaro "somente se tornava viável mediante a manipulação na distribuição dos negócios fechados, pela fraude verificada, com conivência dos 'perdedores', ou seja, os fundos da Prece". De acordo com a procuradoria, "todos os prejuízos ficavam para os fundos e todos os lucros para determinados clientes das corretoras, entre eles Cunha e Funaro."

Em sua defesa na CVM, Cunha teria afirmado que seu desempenho na época decorreu de operar "com convicção". O deputado não foi localizado pelo jornal na sexta-feira, dia 8, para comentar o assunto. Funaro, de acordo com a Folha, havia afirmado no ano passado, por meio de assessoria de imprensa, que a investigação da CVM "está sob sigilo e a defesa será apresentada no tempo oportuno".

(Com Estadão Conteúdo)

TAGs:
Operação Lava Jato
Eduardo Cunha