Mais Lidas

  1. Temer vence 1ª batalha e Congresso aprova meta fiscal

    Brasil

    Temer vence 1ª batalha e Congresso aprova meta fiscal

  2. Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e frieza’, diz irmã

    Entretenimento

    Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e...

  3. Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

    Entretenimento

    Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

  4. Afastado do Planejamento, Jucá ocupa tribuna do Congresso e provoca bate-boca

    Brasil

    Afastado do Planejamento, Jucá ocupa tribuna do Congresso e provoca...

  5. Em gravação, Renan fala em mudar lei da delação

    Brasil

    Em gravação, Renan fala em mudar lei da delação

  6. Miriam Belchior é exonerada da presidência da Caixa

    Economia

    Miriam Belchior é exonerada da presidência da Caixa

  7. Gilmar Mendes presidirá 2ª Turma do STF, responsável por julgar Lava Jato

    Brasil

    Gilmar Mendes presidirá 2ª Turma do STF, responsável por julgar...

  8. Bruna Linzmeyer sensualiza após ataques homofóbicos no Instagram

    Entretenimento

    Bruna Linzmeyer sensualiza após ataques homofóbicos no Instagram

Rabino Edir? Quase isso

A construção de sua versão do Templo de Salomão é apenas a parte mais vistosa da incorporação de símbolos do judaísmo pelo líder da Igreja Universal

Por: Juliana Linhares e Thaís Botelho - Atualizado em

Reino de Salomão - Edir Macedo muda a narrativa: como era, há sete anos, e agora, com uma nova liturgia que coincide com a inauguração de templo de 685 milhões de reais
Reino de Salomão - Edir Macedo muda a narrativa: como era, há sete anos, e agora, com uma nova liturgia que coincide com a inauguração de templo de 685 milhões de reais (Instagram e José Patrício/Estadão Conteúdo)

De quipá, xale de orações, barba de profeta e chamado por alguns de seus pastores de "sumo sacerdote", o nome dado ao religioso supremo do antigo povo de Israel. Edir Macedo fez uma mudança surpreendente na narrativa da Igreja Universal do Reino de Deus, a maior confissão neopentecostal do país, criada por ele. Os elementos da religião judaica que o líder evangélico passou a incorporar imprimem um novo significado à sua obra magna, o gigantesco Templo de Salomão do Brás, inaugurado na semana passada. Uma vez que Macedo não ficou louco, não rasga dinheiro nem pretende deixar de arrecadá-lo, a virada judaicizante é analisada fora da Iurd à luz da carreira excepcionalmente bem-sucedida do homem que partiu de zero para 1,9 milhão de fiéis em menos de quatro décadas - com um pequeno encolhimento nos últimos anos, produto da concorrência. "É uma estratégia de marketing. Ele quer recuperar o que já teve e, fantasiado assim, dar uma nova guinada em sua teologia. Edir é conhecido por não ter nenhuma coerência bíblica", diz um dos maiores líderes evangélicos do país, e concorrente de Macedo.

O Templo de Salomão, aberto com a presença da presidente Dilma Rousseff e do governador paulista Geraldo Alckmin, é um sinal de que Macedo pensa mais do que grande. O templo original, descrito na Bíblia, foi erguido em Jerusalém no reino de Salomão, quase 1 000 anos antes de Cristo, como a primeira construção permanente de louvor a Jeová, deus de Israel. Foi destruído por Nabucodonosor, rei da Babilônia, e reconstruído em 516 a.C., sob a designação conhecida como Segundo Templo. Na catástrofe seguinte, foram as tropas do Império Romano que puniram uma rebelião não só arrasando o templo como levando o povo judeu à diáspora. Um Terceiro Templo, místico ou real, é esperado por judeus e cristãos que acreditam nas profecias sobre o fim dos tempos. Enquanto isso não acontece, mórmons, maçons e agora a Universal fazem suas versões. Não é coisa pouca. No ano passado, Macedo falou da grandiosidade de sua construção e aproveitou para passar o solidéu: "Pensem em doar 10% - não é o dízimo - ao templo. Só a iluminação dele custou 22 milhões de reais. Vai somando. As 10 000 cadeiras, mais 22 milhões. As pedras, que vieram de Israel, 30 milhões. O som saiu por 10 milhões. Estamos fazendo tudo do melhor. Amém, pessoal?".

Para ler a continuação dessa reportagem compre a edição desta semana de VEJA no IBA, no tablet, no iPhone ou nas bancas.

Outros destaques de VEJA desta semana