Mais Lidas

  1. Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

    Brasil

    Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

  2. Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

    Brasil

    Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

  3. Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

    Brasil

    Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

  4. Marcola quer fazer botox

    Brasil

    Marcola quer fazer botox

  5. Janot pede ao STF que proíba PF de negociar delações

    Brasil

    Janot pede ao STF que proíba PF de negociar delações

  6. Irmãs tramam pelo WhatsApp assalto ao próprio pai no interior de São Paulo

    Brasil

    Irmãs tramam pelo WhatsApp assalto ao próprio pai no interior de...

  7. A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

    Brasil

    A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

  8. Felipe Melo entra de sola e detona comentarista Neto

    Esporte

    Felipe Melo entra de sola e detona comentarista Neto

PTN, o partido entre o tostão e o milhão

VEJA desta semana mostra como a sigla que lançou Jânio Quadros - do "varre, varre, vassourinha" - negociou 1 milhão de reais para apoiar a reeleição de Eduardo Paes, no Rio

Por: Cecília Ritto e Thiago Prado - Atualizado em

PTN aceita dinheiro do PMDB em troca de apoio a Eduardo Paes
PTN aceita dinheiro do PMDB em troca de apoio a Eduardo Paes(Divulgação/VEJA)

O PTN está aliado na capital paulista ao candidato que encabeça as pesquisas de intenções de voto, Celso Russomanno, do PRB. A presidente do PTN-SP, Renata Abreu, chegou a ser indicada como vice da chapa paulistana, mas o projeto não se concretizou. Atualmente, Renata integra o conselho político da campanha de Russomanno

O Partido Trabalhista Nacional, PTN, é um dos nanicos da coligação de 20 siglas que apoia a candidatura do peemedebista Eduardo Paes à reeleição. A sopa de letrinhas que compõe a base de Paes tem, entre outros efeitos, o de evitar a multiplicações de candidaturas - pois, com maior número de candidatos, fica mais difícil resolver o pleito em primeiro turno. A extensão da base aliada do PMDB é um dos pontos que o atual prefeito precisa explicar repetidas vezes, em entrevistas e debates. Paes tem a defesa na ponta da língua: "Governei fazendo aliança sem prostituir o meu governo", diz, fazendo referência à mescla de 15 siglas que o elegeu em 2008. As minúcias da negociação da candidatura do prefeito com o PTN tornam mais delicada a tese de Paes.

Em VEJA desta semana, a coluna Radar expõe os termos do PTN para dar o braço a Paes em 2012. O mecanismo de troca de dinheiro por apoio tem o mesmo DNA do mensalão do PT - algo que Eduardo Paes combateu em 2005, como sub-relator da CPI dos Correios. O PMDB ofereceu um milhão de reais ao presidente estadual do PTN, Jorge Sanfins Esch, em troca da aliança com o prefeito.

Deve-se ressaltar o seguinte: a transferência de dinheiro entre partidos políticos é legal, desde que cumpridas condições da Justiça Eleitoral. Mas a gravação das conversas no PTN mostram que o "milhão" em questão é resultado da seguinte soma: 150.000 a 200.000 reais iriam para campanhas dos candidatos ao cargo de vereador pelo partido; outros 800.000 reais saldariam uma "dívida" da prefeitura com Sanfins Esch, da época em que ele ocupava, no governo de Cesar Maia, o Conselho de Administração da RioLuz.

Jorge Sanfins Esch, presidente do PTN do Rio, afirma que o PMDB ofereceu 1 milhão por apoio
Jorge Sanfins Esch, presidente do PTN do Rio, afirma que o PMDB ofereceu 1 milhão por apoio(Reprodução/VEJA)

Sanfins Esch afirmou que, para aderir à base aliada, o presidente do PMDB do Rio, Jorge Picciani, prometeu agilizar o pagamento - uma troca de favores. Picciani é um dos principais nomes peemedebistas no Rio e foi braço-direito do governador Sérgio Cabral no primeiro mandato, quando era presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Na última eleição, tentou o Senado, mas ficou em terceiro lugar. O currículo de Picciani tem outra passagem pouco invejável: ele foi denunciado pelo Ministério Público Federal por suposto envolvimento com trabalho escravo.

O PTN não tem representação no Congresso. Na última eleição, em 2010, fez duas apostas: Suelem Aline Mendes Silva e Adilson José Rodrigues - nomes de batismo, respectivamente, da Mulher Pera e de Maguila. Os dois não conseguiram se eleger. Este ano, o PTN lançou 7.451 candidatos, dos quais 80 a prefeito, 138 à vice-prefeitura e 7.233 à vereança. Em relação ao ano de 2008, na última eleição para prefeitos e vereadores, o partido teve um aumento de 48,25% de candidaturas. Em números absolutos, são 2.425 pessoas a mais tentando um cargo público pelo PTN. Muitas das cidades onde o partido lançou candidato próprio são de pequeno porte. Há chapas 'puro-sangue' em alguns municípios como água Branca do Amapari, no Amapá, Itapiranga, no Amazonas, e José de Freitas, no Piauí.

No estado do Rio, o PTN concorre à prefeitura de Duque de Caxias, Itaguaí e Mesquita, na Baixada Fluminense. O candidato a prefeito e a vice pelo PTN em Macaé, no norte do estado, estão inaptos a permanecer no pleito, segundo informa a Justiça Eleitoral.

Radar: Gravação mostra presidente de partido nanico comemorando acerto de um milhão de reais para apoiar reeleição de prefeito

Entrevista: Presidente do PTN do Rio: Mais partidos receberiam dinheiro para apoiar Eduardo Paes

Russomanno - O PTN está aliado na capital paulista ao candidato que encabeça as pesquisas de intenções de voto, Celso Russomanno, do PRB. A presidente do PTN-SP, Renata Abreu, chegou a ser indicada como vice da chapa paulistana, mas o projeto não se concretizou. Atualmente, Renata integra o conselho político da campanha de Russomanno. Faz parte das incumbências do conselho rodar pelas subprefeituras para ouvir as reclamações dos eleitores.

São Paulo, aliás, é a cidade onde o PTN foi estruturado. O partido obteve o registro provisório em 6 de outubro de 1945. Um ano depois, conseguiu o registro definitivo. O principal nome da legenda é, por ironia, o de Jânio Quadros, do "varre, varre, vassourinha", em uma alusão à tentativa de "moralizar" a política. Foi assim que a campanha presidencial de Jânio à Presidência o levou ao cargo mais alto da República. O ícone do PTN, que usava também a frase do "tostão contra o milhão", ficaria agora envergonhado.

TAGs:
Eduardo Paes
Corrupção
Partidos Políticos
Eleições