Mais Lidas

  1. Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e frieza’, diz irmã

    Entretenimento

    Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e...

  2. Temer bate na mesa e diz que sabe o que fazer no governo: 'Eu tratava com bandidos'

    Brasil

    Temer bate na mesa e diz que sabe o que fazer no governo: 'Eu...

  3. Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

    Entretenimento

    Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

  4. Bruna Linzmeyer sensualiza após ataques homofóbicos no Instagram

    Entretenimento

    Bruna Linzmeyer sensualiza após ataques homofóbicos no Instagram

  5. PT obstrui votação e Câmara demora 6 horas para aprovar MP

    Brasil

    PT obstrui votação e Câmara demora 6 horas para aprovar MP

  6. Propina bancou viagem para Europa de esposa de Collor, diz doleiro

    Brasil

    Propina bancou viagem para Europa de esposa de Collor, diz doleiro

  7. Temer propõe limite ao gasto público com base na inflação do ano anterior

    Economia

    Temer propõe limite ao gasto público com base na inflação do ano...

  8. Jucá dá o troco em desafeto: 'Ele deveria entregar a mulher, que é procurada pela polícia'

    Brasil

    Jucá dá o troco em desafeto: 'Ele deveria entregar a mulher, que é...

PSDB formaliza pedido para que provas da Acarajé sejam incluídas em ação contra Dilma

Em pedido ao TSE, tucanos argumentam que são “públicos e notórios” os fatos que apontam para uma arrecadação irregular da campanha à reeleição de Dilma Rousseff

Por: Laryssa Borges, de Brasília - Atualizado em

Michel Temer e Dilma Rousseff no Desfile da Independência em Brasília (DF)
Michel Temer e Dilma Rousseff no Desfile da Independência em Brasília (DF)(Pedro Ladeira/Folhapress)

O PSDB protocolou nesta terça-feira no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pedido para que as provas recolhidas na 23ª fase da Operação Lava Jato sejam anexadas ao processo de cassação da presidente Dilma Rousseff. A prisão do marqueteiro João Santana, decretada pelo juiz Sergio Moro na fase Acarajé, é considerada mais um catalisador para a ação que pode tirar a petista e o vice-presidente Michel Temer do poder.

No pedido, os tucanos alegam que são "públicos e notórios" os fatos que apontam para uma arrecadação irregular da campanha à reeleição de Dilma Rousseff e dizem que as novas informações sobre repasses de dinheiro a João Santana no exterior devem embasar o processo de cassação. Na epígrafe do documento, o PSDB lembra a notória frase de Dilma Rousseff "nós podemos fazer o diabo quando é a hora da eleição" e responde: "Vade retro, satanás".

A Polícia Federal deflagrou nesta segunda-feira a 23ª fase da Operação Lava Jato, que tem como alvo preferencial o marqueteiro João Santana. A nova etapa das investigações cumpriu 51 mandados judiciais na Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo e atinge em cheio as campanhas presidenciais de Lula e Dilma.

Conforme revelou VEJA, depois do repasse de documentos encontrados em fevereiro de 2015, durante a nona fase da Lava Jato, investigadores detectaram indícios de que subsidiárias da empreiteira Odebrecht repassaram dinheiro a contas no exterior controladas por João Santana, marqueteiro responsável pelas campanhas que levaram Lula e Dilma a vitórias nas últimas três eleições presidenciais. Os indícios são de que o publicitário recebeu secretamente dinheiro por meio de contas que o Grupo Odebrecht mantinha no exterior para quitar despesas de campanhas do PT.

LEIA TAMBÉM:

Shellbill, a ironia da conta de fachada de João Santana

Alvo da Acarajé, executivo da Odebrecht está preso na Suíça

VEJA também mostrou que, ao analisarem o material apreendido ainda na nona fase da Lava Jato, os investigadores encontraram uma carta enviada em 2013 pela esposa de João Santana, Mônica Moura, ao engenheiro Zwi Skornicki com as coordenadas de duas contas no exterior. Sócia do marido, Mônica indicava uma conta nos Estados Unidos e a outra na Inglaterra.

O envolvimento direto de um marqueteiro em suspeitas de corrupção não é novidade nos mais de 13 anos de governo petista. No auge do escândalo do mensalão, o publicitário Duda Mendonça, que dominava as campanhas petistas na época, admitiu à CPI dos Correios que recebera no exterior o pagamento por serviços prestados durante a eleição de Lula.

TAGs:
Operação Lava Jato
PSDB