Mais Lidas

  1. Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

    Entretenimento

    Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

  2. Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

    Brasil

    Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

  3. Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

    Brasil

    Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

  4. Alvo de investigação, sobrinho de Lula é processado por calotes em série

    Brasil

    Alvo de investigação, sobrinho de Lula é processado por calotes em...

  5. Paixão, obsessão e morte

    Entretenimento

    Paixão, obsessão e morte

  6. Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

    Mundo

    Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

  7. A selvageria continua: bandidos fazem ofensiva para difamar vítima de estupro coletivo

    Brasil

    A selvageria continua: bandidos fazem ofensiva para difamar vítima...

  8. Marido toma gosto e posta nova foto sensual de Luana Piovani

    Entretenimento

    Marido toma gosto e posta nova foto sensual de Luana Piovani

Projeto Excelências volta ao ar - com o apoio de VEJA

Ferramenta foi criada pela ONG Transparência Brasil para fiscalizar a atividade legislativa

Por: Daniel Jelin - Atualizado em

MÉTODO - Abramo (à esq.): “Não se combate corrupção dizendo que isso é feio. É preciso racionalidade”. Castello Branco (à dir.): “Quanto maior a fiscalização, melhor a gestão”
MÉTODO - Abramo (à esq.): “Não se combate corrupção dizendo que isso é feio. É preciso racionalidade”. Castello Branco (à dir.): “Quanto maior a fiscalização, melhor a gestão” (Rafael Ohana/CBD .Apress e Antonio Paz JC/VEJA)

Dezenas de milhares de pessoas saíram às ruas em junho confiantes em que é possível, sim, aperfeiçoar a máquina do estado. Elas têm razão. É possível - e necessário - fazê-lo. E não estranha que protestos por melhores serviços públicos tenham tomado a forma de paradas contra a classe política: a face mais perversa e repugnante da ineficiência é mesmo a corrupção. Mas o fato é que democracias sólidas não podem confiar às ruas a tarefa de aprimorar seu arcabouço institucional. Vigiar sistematicamente os políticos ainda é a melhor esperança de um país mais justo e bem administrado. Daí a importância do trabalho das ONGs Contas Abertas, parceira de VEJA desde abril de 2012, e Transparência Brasil, cujo carro-chefe, o projeto Excelências, volta ao ar neste sábado, também com o apoio de VEJA. A varredura de informações sobre o poder público -- sobre a atividade parlamentar, no caso da Transparência Brasil, e sobre a execução do Orçamento, no caso da Contas Abertas -- ajuda a fechar os ralos da administração pública e contribui para a contínua modernização do estado.

Excelências nasceu em 2006 e já naquele ano foi premiado por sua contribuição à imprensa. Sua façanha: reunir num mesmo endereço da internet (www.excelencias.org.br), de forma clara, objetiva e isenta, informações atualizadas sobre a atividade parlamentar. O sucesso foi imediato, repercutiu profundamente na cobertura política e levou a ONG a ampliar seu radar. No auge, a ferramenta chegou a acompanhar o Congresso Nacional e as Casas legislativas de todos os estados e capitais.

No fim de 2012, o serviço foi retirado do ar, para prejuízo da democracia - agora sanado com seu relançamento. Em sua nova encarnação, a ferramenta foca o trabalho dos 513 deputados federais e 81 senadores, com informações sobre processos na Justiça, uso de cotas parlamentares, gastos com diárias, faltas, emendas, votos em plenário, relevância das propostas, patrimônio e financiamento de campanha - além do histórico de cargos, candidaturas e filiações partidárias. É possível conhecer tanto a ficha de cada parlamentar como o perfil das Casas e bancadas segundo os diversos aspectos monitorados.

Esse raio X da atividade parlamentar traz revelações assombrosas. Por exemplo, a maioria das "excelências" está enrolada na Justiça ou nos tribunais de contas: 273 deputados (53% da Casa) e 42 senadores (52%). Amazonas, Mato Grosso e Tocantins têm as bancadas mais encrencadas, com dez de onze parlamentares (91%) citados nas cortes. "Existe muito mais informação de domínio público do que as pessoas se dão conta", diz o diretor executivo da Transparência Brasil, Claudio Weber Abramo. O problema é que esmiuçar bases de dados dispersas em diferentes órgãos e esferas administrativas é um trabalho lento - e às vezes penoso. Evidentemente, muitos políticos não têm interesse em ver divulgado o tipo de informação com que o Excelências trabalha. Abramo é rotineiramente processado por divulgar informações que, a rigor, são públicas. Invariavelmente ele ganha.

Abramo avalia que o país conseguiu aprimorar alguns controles de gestão, em particular na esfera federal. Alguns dos avanços são, de origem, bandeiras da ONG, como a Lei de Acesso à Informação, compromisso arrancado em 2006 do então candidato à reeleição Luiz Inácio Lula da Silva. "Não se combate corrupção dizendo que isso é feio. É preciso racionalidade, e é isso que procuramos oferecer."

Para Gil Castello Branco, secretário-geral da ONG Contas Abertas, falta punir. "Quanto maior a fiscalização, melhor a gestão", diz. Ele concorda que a prestação de contas melhorou nos últimos vinte anos, mas chama atenção para zonas cinzentas da esfera federal, como estatais e embaixadas. E faz a mesma ressalva de Abramo: estados e municípios ficaram para trás. Por isso, desde 2010, a entidade promove uma saudável competição. Trata-se do Índice de Transparência (indicedetransparencia.com), que avalia a eficiência dos estados na divulgação de dados segundo 105 parâmetros. O trabalho da entidade - caso raro de ONG que não aceita recursos públicos - já produziu efeitos bem concretos, como a criação de um serviço para disciplinar a prestação de contas dos cartões de crédito corporativos. "O que falta é punir", diz. "O corrupto é um jogador. Sabendo que o risco é mínimo, ele continua a delinquir."

VEJA se orgulha de apoiar iniciativas que tornam a fiscalização do poder mais rigorosa. Esse também é o mote do Ranking de Gestão dos Estados (veja.abril.com.br/ranking-de-gestao-dos-estados), em parceria com a Unidade de Inteligência da revista britânica The Economist, e do Ranking de Deputados e Senadores, levantamento anual de VEJA em conjunto com o Núcleo de Estudos sobre o Congresso da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Necon/Uerj). Nesse "ranking do progresso" (veja.abril.com.br/ranking-do-progresso), cada parlamentar recebe uma nota de acordo com seu posicionamento em relação a nove eixos de atuação, como o combate à corrupção e a defesa do equilíbrio entre poderes. Sua terceira edição será publicada até o fim do ano.

Para ler outras reportagens compre a edição desta semana de VEJA no IBA, no tablet ou nas bancas.

Outros destaques de VEJA desta semana