Mais Lidas

  1. Temer revoga decreto de Dilma e restitui poder às Forças Armadas

    Brasil

    Temer revoga decreto de Dilma e restitui poder às Forças Armadas

  2. Como o médium João de Deus venceu o câncer

    Brasil

    Como o médium João de Deus venceu o câncer

  3. 'Hulk iraniano': halterofilista quer combater o Estado Islâmico

    Mundo

    'Hulk iraniano': halterofilista quer combater o Estado Islâmico

  4. Funaro ameaçou atear fogo em casa de delator com os filhos dentro, diz PGR

    Brasil

    Funaro ameaçou atear fogo em casa de delator com os filhos dentro,...

  5. PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

    Brasil

    PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

  6. Advogada liga Toffoli e Gilberto Carvalho a máfia do DF

    Brasil

    Advogada liga Toffoli e Gilberto Carvalho a máfia do DF

  7. Muro da mansão de Zuckerberg no Havaí irrita moradores locais

    Mundo

    Muro da mansão de Zuckerberg no Havaí irrita moradores locais

  8. Ex de Luiza Brunet se defende: 'Versão distorcida'

    Entretenimento

    Ex de Luiza Brunet se defende: 'Versão distorcida'

Procuradora ficará em cela especial no presídio de Bangu 8

- Atualizado em

A procuradora de Justiça aposentada Vera Lúcia Sant'Anna Gomes foi levada para a carceragem do Tribunal de Justiça (TJ) do Rio de Janeiro e será encaminhada para exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML). De acordo com informações do TJ, a procuradora ficará presa no presídio Bangu 8, no complexo penitenciário de Bangu, onde há celas especiais (para quem diploma de curso universitário).

Acusada de torturar uma menina de 2 anos que estava sob sua guarda provisória, Vera Lúcia se entregou à Justiça nesta quinta-feira. O advogado dela, Jair Leite Pereira, disse que a procuradora ainda tinha esperanças de ter a prisão revogada.

Ela chegou ao TJ por volta do meio-dia, com um turbante cor de rosa na cabeça e óculos escuros. Vera Lúcia chorou em alguns momentos ao se apresentar.Sua prisão preventiva havia sido decretada no último dia 5, com base em um relatório do Ministério Público que relatou agressões, humilhações e maus tratos à criança, que ficou com ela por 27 dias, sob guarda provisória - período experimental exigido pela Justiça para a adoção.

(Com Agência Estado)