Mais Lidas

  1. Bom para ambas as partes?

    Brasil

    Bom para ambas as partes?

  2. Attuch, o porta-voz da quadrilha

    Brasil

    Attuch, o porta-voz da quadrilha

  3. Após foto em velório, Ana Paula Valadão diz que vai deixar redes sociais

    Entretenimento

    Após foto em velório, Ana Paula Valadão diz que vai deixar redes...

  4. Parlamento Europeu pede que Reino Unido comece a sair da UE na terça

    Mundo

    Parlamento Europeu pede que Reino Unido comece a sair da UE na terça

  5. 'Que país é esse?' Moro é aplaudido durante show em Curitiba

    Brasil

    'Que país é esse?' Moro é aplaudido durante show em Curitiba

  6. Premiê escocesa diz que parlamento do país pode bloquear o Brexit

    Mundo

    Premiê escocesa diz que parlamento do país pode bloquear o Brexit

  7. O PT assaltou até funcionários públicos endividados

    Brasil

    O PT assaltou até funcionários públicos endividados

  8. Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

    Mundo

    Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

Presa no regime militar, Dilma precisa olhar para o futuro

Presidente terá de administrar divergências sobre Comissão da Verdade

Por: Carolina Freitas - Atualizado em

Octaciano Nogueira, cientista político: "O país vive um momento de relativa estabilidade institucional. A democracia brasileira está madura o suficiente para barrar um presidente que se lance a aventuras."

Um só assunto foi capaz de embargar a voz da presidente Dilma Rousseff durante seu discurso de posse: a atuação dela, nos anos 70, contra o regime militar brasileiro. Dilma disse não sentir rancor ou ressentimento. Disse que o passado é inspiração para lutar hoje pela democracia. Assim esperam os brasileiros. A presidente terá pela frente questões delicadas sobre o período para tratar. E precisará fazê-lo com o distanciamento e a objetividade de uma estadista.

A primeira batalha se dará em torno da criação da Comissão Nacional da Verdade, para apurar crimes cometidos na época do regime militar. O projeto de lei para instituir o grupo foi apresentado pelo governo anterior, formulado pelo então ministro dos Direitos Humanos, Paulo Vanucchi. A proposta deve entrar em discussão no Congresso a partir de fevereiro, quando termina o recesso parlamentar. Antes mesmo de ser criada, a comissão causa barulho.

Na primeira semana de governo Dilma, o assunto foi ponto de discórdia pública entre a sucessora de Vanucchi, Maria do Rosário, e o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), José Elito Siqueira. Para ela, a comissão devolve a dignidade a torturados, mortos e desaparecidos. Para ele, é perda de tempo.

Siqueira disse que não há motivo para ter vergonha dos desaparecimentos da época do regime militar. Está errado. Os abusos cometidos durante a ditadura são, sim, causa para vergonha. O regime torturou e sumiu com pessoas - e isso não é civilização. O novo ministro do GSI, no entanto, tem razão ao dizer que é preciso olhar os acontecimentos daquela época do ponto de vista da história. Eles já não devem alimentar a política do presente.

Nesta sexta-feira, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, apimentou ainda mais a discussão. Disse que é preciso investigar não só as ações adotadas pela ditadura, mas também a atuação de grupos armados que tentavam derrubar o regime.

"Houve uma divergência inicial com o então secretário [de Direitos Humanos] Paulo Vanucchi sobre a natureza do projeto. O projeto pretendido por ele era unilateral, pretendia fazer uma análise da memória apenas por um lado da história. Nós queríamos que fosse feita uma visão completa do tema - ou seja, as ações desenvolvidas não só pelas Forças Armadas à época como também pelos movimentos guerrilheiros", declarou Jobim.

Reconhecimento - Se for de fato instaurada, a comissão não punirá quem tenha violado os direitos humanos durante o regime militar. A Lei da Anistia perdoou agentes de estado que praticaram crimes contra opositores do governo entre 1961 e 1979. Assim, a Comissão da Verdade poderia propor apenas reparações administrativas e simbólicas. "O assunto será discutido sob o aspecto do combate à tortura e à violência, para que não mais aconteçam como naquela época. É nada mais que um reconhecimento de responsabilidades", explica a historiadora Jacqueline Quaresquim, da Fundação Escola de Sociologia de São Paulo.

Isso se for mantido o texto da Lei da Anistia. Muito questionada na Justiça, a lei, aprovada para acelerar o processo de redemocratização do país, em 1979, foi confirmada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em julgamento no ano passado. Ainda em 2010, porém, a Corte de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA) condenou o Brasil pelo desaparecimento de 62 pessoas entre 1972 e 1974, durante a Guerrilha do Araguaia. O órgão internacional quer punição para os militares envolvidos no episódio, o que vai contra a Lei da Anistia. Dilma terá de lidar com essa negociação.

A presidente precisa manter uma distância ideológica segura da discussão, para que nada soe a revanche - ela aderiu à luta armada e foi presa e torturada durante o governo militar. "Dilma tem se comportado com equilíbrio e bom-senso. Se um dia foi uma pessoa radical, parece ter deixado de ser", analisa o historiador e cientista político da Universidade de Brasília (UnB) Octaciano Nogueira. "Ela recebeu o cargo após sucessivas eleições livres e competitivas. O país vive um momento de relativa estabilidade institucional. A democracia brasileira está madura o suficiente para barrar um presidente que se lance a aventuras."

Em seu primeiro discurso após tomar posse, no Congresso Nacional, a nova presidente disse que ela e tantos outros de sua geração lutaram "contra o arbítrio, a censura e a ditadura" e que, por isso, são "naturalmente amantes da plena democracia e da defesa intransigente dos direitos humanos no nosso país e como bandeira sagrada de todos os povos".

É preciso lembrar, no entanto, que os grupos radicais de esquerda, sobretudo aqueles que optaram pela luta armada, não queriam exatamente a democracia, mas sim um regime comunista no Brasil. E comunismo e democracia nunca foram sinônimos. A fala da petista ficou aquém do que Jobim sugere - uma Comissão da Verdade que sirva para todos.

TAGs:
Dilma Rousseff
Direitos Humanos
Tortura
Discurso