Mais Lidas

  1. Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

    Brasil

    Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

  2. Janot pede ao STF que proíba PF de negociar delações

    Brasil

    Janot pede ao STF que proíba PF de negociar delações

  3. Senadora governista tenta paralisar comissão do impeachment

    Brasil

    Senadora governista tenta paralisar comissão do impeachment

  4. A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

    Brasil

    A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

  5. Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

    Brasil

    Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

  6. Janaína Paschoal: 'Foram anos de falsidade ideológica na nossa cara'

    Brasil

    Janaína Paschoal: 'Foram anos de falsidade ideológica na nossa cara'

  7. Saiba por que seu cachorro não gosta de abraços

    Ciência

    Saiba por que seu cachorro não gosta de abraços

  8. No Senado, Cardozo insiste em 'golpe' e diz que pedirá suspeição do relator

    Brasil

    No Senado, Cardozo insiste em 'golpe' e diz que pedirá suspeição do...

Polícia reconstitui ação de bandidos em joalheria de São Paulo

Mulher foi feita refém na sexta-feira com artefatos que seriam explosivos amarrados ao corpo; ela foi obrigada a levar objetos de valor do local e entregar aos bandidos

Por: Marina Pinhoni - Atualizado em

Joalheria Guerreiro, na Rua Oscar Freire, em São Paulo, assaltada nesta sexta-feira
Joalheria Guerreiro, na Rua Oscar Freire, em São Paulo, assaltada nesta sexta-feira(Reprodução/VEJA)
A Polícia Civil de São Paulo reconstituiu nesta terça-feira a ação dos bandidos que fizeram uma mulher refém na última sexta-feira e amarraram ao corpo dela artefatos que, segundo os bandidos, seriam explosivos. Ela foi obrigada a retirar objetos de valor de uma joalheria da Rua Oscar Freire, nos Jardins, região nobre da capital paulista. A empresária Marcia Pellegrino, de 31 anos, teve um colete cheio de artefatos amarrado ao corpo, e foi obrigada a entrar na loja com uma caixa que, segundo as ameaças dos bandidos, seria uma bomba. Posteriormente, foi constatado pelos policiais do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) que a caixa continha pólvora, com potencial para explosão. Já o colete, não continha explosivos. Por enquanto, ainda não há pista sobre os suspeitos, que fugiram do local levando joias e relógios. Os policiais da 2ª Delegacia do Patrimônio do Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (Deic), para onde a ocorrência foi encaminhada, refizeram o caminho percorrido por Márcia desde o local onde ela teria sido abordada por oito criminosos, no bairro do Morumbi, até a joalheria Guerreiro, que fica na Rua Oscar Freire. A vítima, que já havia prestado depoimento na sexta-feira no 78º Distrito Policial, onde o caso foi inicialmente registrado, foi ouvida novamente nesta segunda-feira pelos policiais do Deic. Nesta terça-feira, a polícia ainda analisava os dados colhidos para definir quais pessoas serão ouvidas posteriormente. Insegurança - O comércio na região da Rua Oscar Freire funcionava normalmente na manhã desta terça-feira. De acordo com os funcionários de lojas vizinhas à joalheria, não foi constatada diminuição do movimento após o crime. Para uma moradora da região, entretanto, a sensação era de insegurança. "Foi um horror. Acompanhei pela televisão e até tremia em pensar que poderia ter acontecido comigo", afirmou Maria Cecília Barros, de 71 anos, que mora em um prédio bem próximo à joalheria. "Eu já não passeio na região com tranquilidade. Só estou aqui agora, porque minha filha já está chegando para nos buscar", afirmou Maria Cecília, que aguardava a chegada da filha sentada em um banco em frente à joalheria, junto com a mãe de 94 anos.
TAGs:
Crime
Roubo
São Paulo