Mais Lidas

  1. Temer vence 1ª batalha e Congresso aprova meta fiscal

    Brasil

    Temer vence 1ª batalha e Congresso aprova meta fiscal

  2. Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e frieza’, diz irmã

    Entretenimento

    Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e...

  3. Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

    Entretenimento

    Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

  4. Afastado do Planejamento, Jucá ocupa tribuna do Congresso e provoca bate-boca

    Brasil

    Afastado do Planejamento, Jucá ocupa tribuna do Congresso e provoca...

  5. Em gravação, Renan fala em mudar lei da delação

    Brasil

    Em gravação, Renan fala em mudar lei da delação

  6. Miriam Belchior é exonerada da presidência da Caixa

    Economia

    Miriam Belchior é exonerada da presidência da Caixa

  7. Gilmar Mendes presidirá 2ª Turma do STF, responsável por julgar Lava Jato

    Brasil

    Gilmar Mendes presidirá 2ª Turma do STF, responsável por julgar...

  8. Bruna Linzmeyer sensualiza após ataques homofóbicos no Instagram

    Entretenimento

    Bruna Linzmeyer sensualiza após ataques homofóbicos no Instagram

PF acha rombo de R$ 5 bi em fundo dos Correios

São 28 funcionários, executivos do mercado e empresários investigados

- Atualizado em

Presidente do Instituto de Seguridade Social dos Correios e Telégrafos (Postalis), Antonio Carlos Conquista
Presidente do Instituto de Seguridade Social dos Correios e Telégrafos (Postalis), Antonio Carlos Conquista(Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Um relatório da Polícia Federal entregue à Justiça Federal do Rio de Janeiro aponta um rombo de 5 bilhões de reais no Postalis, o fundo de pensão dos Correios e o terceiro maior do país, conforme reportagem publicada pelo jornal Folha de S. Paulo. A investigação responsabiliza 28 pessoas, entre funcionários e ex-funcionários de alto escalão do Postalis, além de executivos do mercado financeiro.

As suspeitas recaem sobre as gestões de Alexej Predtechensky, conhecido como Russo e ligado ao PMDB, e de Antônio Carlos Conquista, atual dirigente, indicado pelo PT. Os dois teriam fechado contratos com consultorias que apoiaram aplicações suspeitas de conflitos de interesse porque seus executivos atuavam tanto no fundo de pensão como nos planos adquiridos.

A assessoria do Postalis informou que os Russo e Conquista prestaram esclarecimentos à PF.

TAGs:
Correios