Mais Lidas

  1. Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

    Brasil

    Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

  2. Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

    Brasil

    Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

  3. Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

    Mundo

    Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

  4. A selvageria continua: bandidos fazem ofensiva para difamar vítima de estupro coletivo

    Brasil

    A selvageria continua: bandidos fazem ofensiva para difamar vítima...

  5. Marido toma gosto e posta nova foto sensual de Luana Piovani

    Entretenimento

    Marido toma gosto e posta nova foto sensual de Luana Piovani

  6. Luana Piovani tem nude disparado pelo marido

    Entretenimento

    Luana Piovani tem nude disparado pelo marido

  7. Defesa de vítima de estupro pedirá afastamento de delegado no Rio

    Brasil

    Defesa de vítima de estupro pedirá afastamento de delegado no Rio

  8. Vício em álcool e drogas levou Johnny Depp à violência, acusa ex

    Entretenimento

    Vício em álcool e drogas levou Johnny Depp à violência, acusa ex

Para acusação, confissão de Macarrão não livra o goleiro Bruno

Estratégia da defesa pode levar a uma redução de pena do jogador. Advogado do jogador conseguiu condenar, em Minas, PM acusado de crime em que o corpo não foi encontrado

Por: Andréa Silva, de Belo Horizonte (MG) - Atualizado em

Todos unidos contra Luiz Ferreira Romão, o Macarrão, ou todos em defesa do goleiro Bruno Fernandes de Souza? Desde que assumiu a defesa do jogador, Rui Caldas Pimenta vem sustentando com unhas e dentes a estratégia de atribuir a responsabilidade na trama do sequestro e assassinato da jovem Eliza Samudio ao amigo e braço direito do atleta. Pelos últimos movimentos dos acusados, o plano parece se concretizar aos poucos. Na manhã desta segunda-feira, o advogado de Macarrão, Wasley Vasconcelos, deixou o caso, alegando apenas questões pessoais. Entretanto, ele havia informando que renunciaria ao cargo se o seu cliente aceitasse participar de qualquer manobra para proteger o goleiro.

A expectativa é de que a qualquer momento Macarrão assuma a autoria do crime, isentando o jogador e ex-patrão de culpa. Formalmente, não há ainda confirmação a respeito de contatos de Rui Pimenta com Macarrão, que é mantido na Penitenciária de Segurança Máxima Nelson Hungria, em Contagem (MG), onde ele e o goleiro aguardam julgamento. Procurada, a Secretaria de Estado de Defesa Social Minas Gerais (Seds) informou que não poderia confirmar as datas da visita, mas afirmou que o defensor de Bruno está cadastrado para visitar Macarrão.

Para o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), deputado estadual Durval Ângelo, uma confissão de Macarrão assumindo a autoria da morte da ex-amante do goleiro é mais do que prevista. Em julho de 2010, o parlamentar, acompanhado de colegas da comissão, esteve no presídio para apurar denuncias de que Luiz Romão estaria sofrendo retaliações e ameaças de morte de funcionários da unidade e de alguns detentos, para que ele tomasse a culpa do homicídio.

"Já havíamos cantando essa pedra. Não é nenhuma surpresa. Sabíamos que, mais cedo ou mais tarde, a defesa do Bruno iria fazer do Macarrão um bode expiatório. Macarrão assumindo o crime, o jogador pode até receber uma condenação, mas com uma pena menor. Como vem sido mantido esse tempo todo na prisão, Bruno pode ganhar em breve sua liberdade e voltar a jogar futebol. Sabemos que há alguns clubes de olho no passe dele", disse o deputado.

Entretanto, na opinião do parlamentar, mesmo se Luiz Ferreira Romão assumir a autoria da morte de Eliza Samudio, a vida do amigo de Bruno ainda estará correndo perigo. "Mesmo se o Macarrão segurar sozinho as pontas, eles vão tentar eliminá-lo, para não haver o risco de ele se arrepender e depois acabar revelando toda a trama de morte da jovem".

Assistente de acusação, o advogado José Arteiro Cavalcanti também disse não se surpreender com a estratégia da defesa. Para ele, o movimento de Rui Pimenta mostra o desespero da defesa por não conseguir sustentar a versão de que, sem corpo, não há crime. "Podem se armar de qualquer maneira, estou preparado. Nenhum deles é inocente, estão todos envolvidos nesse crime macabro. Eles atraíram Eliza para o Rio, depois a sequestraram e a trouxeram para Minas, mantiveram a moça em cárcere privado, a torturaram e depois a levaram para a morte. Como é que o Bruno pode ser inocente nessa história se há provas de que ele estava junto com os comparsas a todo o momento?", questia Arteiro.

O inquérito policial em que o goleiro Bruno de Souza aparece como o principal articulador da morte de Eliza Samudio foi presidido pelo o chefe do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), delegado Edson Moreira. Segundo o delegado, não há qualquer dúvida de que a jovem foi executada a mando do ex-amante, porque o goleiro não queria assumir a paternidade do filho que ela esperava - a criança atualmente está com dois anos e vive com avó materna, no Mato Grosso do Sul.

Crime sem corpo - O advogado Rui Caldas Pimenta recentemente atuou em um julgamento de assassinato, em que o corpo da vítima não foi encontrado. O caso foi o da secretária Viviane Andrade Brandão Camargos, de 25 anos, que desapareceu em dezembro de 2002. Segundo investigações da Polícia Civil e denúncias do Ministério Público, a mulher mantinha um relacionamento amoroso com um cabo da Polícia Militar, de 43 anos, e teria sido executada pelo policial e a mulher dele, de 41. Pimenta trabalhou como advogado da acusação e o casal foi condenado pelo desaparecimento e morte da jovem. O acusado recebeu pena de 15 anos de prisão e, a mulher, 14.

Durante o julgamento, Rui Pimenta pediu pena máxima aos acusados. E a noiva de Bruno Fernandes de Souza, a dentista Ingrid Calheiros, acompanhou toda a sessão. Pouco depois, Pimenta assumiu a defesa do jogador. Desta vez, o desafio do advogado será o de provar a inocência do réu. Para isso, Pimenta pretende livrar o jogador e concentrar a autoria sobre Macarrão.

Para isso, Pimenta começou a construir a imagem de um crime com motivação passional. Em entrevista ao site de VEJA, o defensor de Bruno afirmou que Macarrão é homossexual e teria matado Eliza Samudio em nome do amor que tinha pelo atleta. O advogado Adilson Rocha, conselheiro da seção mineira da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MG) diz que quando se trata de um crime sem corpo, o cuidado deve ser dos jurados. De acordo com o conselheiro, a lei permite o julgamento independentemente da localização do corpo. "A lei não é ingênua, e não é verdadeira a impressão de que sem corpo não há crime. Tem de haver provas ou indícios com caráter suficiente de crime para convencer os jurados. O réu, para ir a júri popular, não precisa de um contato com o corpo da vítima", alerta.

LEIA TAMBÉM:

Defesa do goleiro Bruno admite pela 1ª vez que Eliza está morta

TAGs:
Bruno Fernandes
Crime
Goleiro Bruno
Minas Gerais
Rio de Janeiro
Justiça