Mais Lidas

  1. Exclusivo: delator revela caminho das propinas para operador de Renan e do PMDB

    Brasil

    Exclusivo: delator revela caminho das propinas para operador de...

  2. Andréa de Nóbrega deixa Carlos Alberto e 'A Praça É Nossa'

    Entretenimento

    Andréa de Nóbrega deixa Carlos Alberto e 'A Praça É Nossa'

  3. Moro reabre ação que envolve executivos da Andrade Gutierrez

    Brasil

    Moro reabre ação que envolve executivos da Andrade Gutierrez

  4. Campanha de Dilma recebeu R$ 2 mi de investigada na Boca Livre

    Brasil

    Campanha de Dilma recebeu R$ 2 mi de investigada na Boca Livre

  5. Ciro defende 'sequestrar' Lula em caso de pedido de prisão

    Brasil

    Ciro defende 'sequestrar' Lula em caso de pedido de prisão

  6. Patricia Abravanel bate na África e apanha nas redes

    Entretenimento

    Patricia Abravanel bate na África e apanha nas redes

  7. Defesa pede suspensão da investigação e revogação da prisão de Paulo Bernardo

    Brasil

    Defesa pede suspensão da investigação e revogação da prisão de...

  8. Pelados no trabalho: meme na Bielorrússia espalhou 'nudes' nas redes sociais

    Mundo

    Pelados no trabalho: meme na Bielorrússia espalhou 'nudes' nas...

Orlando Silva: "Saio com o sentimento do dever cumprido"

Ministro é o sexto auxiliar da presidente Dilma Rousseff a deixar o primeiro escalão em dez meses de governo

Por: Luciana Marques e Carolina Freitas - Atualizado em

Charge de Orlando Silva
Charge de Orlando Silva(Rob/VEJA)
Orlando Silva deixou nesta quarta-feira o cargo de ministro do Esporte do governo Dilma Rousseff. Ele é o sexto ministro de Dilma Rousseff a deixar a equipe desde o início do mandato da presidente, em janeiro - e o quinto a cair por envolvimento em um esquema de corrupção. O anúncio oficial foi feito à noite pelo próprio Orlando Silva após reunião dele com a presidente Dilma e com o presidente do PCdoB, Renato Rabelo, no Palácio do Planalto. A exoneração "a pedido" sairá nesta quinta-feira no Diário Oficial da União. Por enquanto, o ministério ficará a cargo de um interino, também filiado ao partido de Orlando Silva, o secretário-executivo da pasta, Waldemar Manoel Silva de Souza. "Fato nenhum houve que possa comprometer a minha honra e minha conduta ética", afirmou o agora ex-ministro durante coletiva. Orlando Silva voltou a dizer que não há provas contra ele e tachou as denúncias feitas pelo policial militar João Dias como um "ataque baixo" e uma "agressão vil", mas admitiu o acirramento da crise política por causa das denúncias. "Decidimos que a melhor solução seria sair do governo para defender a minha honra", disse, reafirmando o apoio ao governo Dilma apesar de seu desligamento do cargo. "Saio com o sentimento do dever cumprido". Renato Rabelo saiu em defesa do ex-ministro. "Nós defendemos desde o primeiro momento nosso ministro porque ele é honesto, sincero e um jovem com grande capacidade", disse . O presidente do PCdoB não quis adiantar o nome que deve ocupar a vaga de Orlando Silva definitivamente. "Cabe à presidente da República manter, tirar e substituir ministro", afirmou. "O que posso adiantar que ela vai resolver isso logo". Ao deixar o governo, Orlando Silva perderá o foro privilegiado. Com isso, o inquérito contra ele deverá ser apurado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), e não pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Reunião - A decisão de tirar Orlando Silva do governo já estava tomada desde a manhã desta quarta. Conforme noticiou a coluna Radar on-line, Orlando Silva era considerado desde cedo pelos colegas de partido e pelo governo um "cabra marcado para morrer". Às 18 horas o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, confirmou que a demissão era inevitável. Carvalho recebeu, por volta das 10 horas, Orlando Silva e líderes do PCdoB para um conversa no Palácio do Planalto. Lá já ficou decidida a demissão do ministro, envolvido em um esquema de corrupção revelado por VEJA. Os comunistas reuniram-se então na Câmara para tratar da sucessão de Silva.
Waldemar Manoel Silva de Souza
O interino Waldemar de Souza(Marcello Casal Jr./ABr/VEJA)

Interino - Waldemar Souza integra a direção estadual do PCdoB no Rio de Janeiro e foi o braço direito de Orlando Silva no ministério. Seguindo ordens do chefe, Souza constituiu uma Comissão de Sindicância em 24 de outubro para investigar as revelações de VEJA. O escândalo envolvendo Orlando Silva chegou a respingar no secretário-executivo. O policial militar João Dias Ferreira, que denunciou o esquema de corrupção na pasta, disse ter, entre as provas das irregularidades, o áudio de uma reunião de abril de 2008 que teve a presença de Souza e de outros três integrantes da cúpula do ministério.

A assinatura de Souza também apareceu num convênio altamente suspeito com o Sindicato das Associações de Futebol (Sindafebol). Em dezembro de 2010, o governo federal repassou, de uma só vez e sem licitação, 6,2 milhões de reais para que o sindicato fizesse o cadastramento das torcidas organizadas dentro dos preparativos para a Copa do Mundo de 2014. O projeto jamais saiu do papel.

Cronologia - A queda de Orlando Silva começou a se desenhar quando VEJA revelou, na edição do dia 19 de outubro, que o ministro era o mentor de irregularidades na pasta e que recebeu propina na garagem do próprio ministério. Silva passou a semana seguinte negando as acusações e chamando o delator do esquema de "bandido" sem credibilidade. Foi à Câmara e ao Senado prestar depoimento. "Querem tirar ministro no grito", reclamou na quinta-feira. No dia seguinte, Silva foi recebido pela presidente Dilma e entregou a ela um calhamaço de documentos em que tentava se defender das acusações. Foi mantido no cargo - pelo menos até esta quarta-feira. No mesmo dia, o procurador-geral da República, Roberto Gurguel, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido de investigação sobre o caso. Na terça-feira, a solicitação foi aceita e o Supremo abriu um inquérito para apurar os desvios - fato considerado pelo Planalto como a estopim para a queda do ministro. A situação de Orlando Silva já havia se complicado depois que VEJA desta semana mostrou detalhes sobre como um assessor do ministro Orlando Silva orientou o policial militar João Dias Ferreira a enganar a fiscalização do próprio ministério. João Dias foi o delator do esquema de corrupção instalado no ministério. O ministro ainda compareceu ao Senado na terça-feira. Pretendia falar sobre a Lei Geral da Copa, mas enfrentou protestos da oposição e ouviu um pedido direto de Onyx Lorenzoni (DEM-RS): "Pede para sair, ministro. O senhor vai fazer um bem para o país."
João Dias, soldado da Polícia Militar
João Dias, delator do esquema de corrupção(Cristiano Mariz/VEJA)
Gota d'água - As revelações e a abertura do inquérito no Supremo foram a gota d'água em uma relação já difícil entre Dilma e Orlando Silva, mais um ministro herdado por ela de Luiz Inácio Lula da Silva. Há tempos Dilma estava insatisfeita com o trabalho de Silva e tentava tirar dele o comando da organização da Copa do Mundo de 2014. Na visão da presidente, o ministro era próximo demais da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Quando o caso de corrupção veio à tona, Dilma imediatamente resolveu centralizar as questões relativas à Copa. Quem decide sobre o evento agora é a própria presidente e a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann. Leia também: Delator de esquema no Esporte falará à Câmara Esporte ainda tem muitas 'caixas-pretas', afirma João Dias Ministério prorroga convênio com ONG de fachada Corrupção - Reportagens publicadas em VEJA mostram que o partido de Silva, o PCdoB, organizou uma estrutura dentro da pasta para desviar dinheiro público usando ONGs amigas como fachada. As verbas deveriam ser usadas para incentivar crianças carentes a praticar esportes, mas acabavam engordando o bolso dos comunistas. O esquema funcionava da seguinte forma: as ONGs pagavam uma taxa de 20% do valor do contrato ao partido, que fechava o convênio com elas e chegava a indicar fornecedores de notas frias de despesas fictícias para embasar o repasse. De acordo com o policial militar João Dias Ferreira, delator do esquema, os convênios previam o atendimento a 5.000 crianças, mas, quando muito, atendiam 500. Muitas vezes, não atendiam sequer uma. Entidades dirigidas por João Dias participaram do esquema e ele chegou a ser preso em 2010 pela polícia de Brasília. Segundo o delator, o dinheiro desviado foi usado pelo PCdoB para pagar despesas da campanha presidencial de 2006. Biografia - Orlando Silva de Jesus Júnior tem 40 anos, nasceu em Salvador (BA) e formou-se em Direito e Ciências Sociais. Ele chegou ao comando do Ministério do Esporte em março de 2006, durante o governo Lula, após passar por outros três cargos na própria pasta, de secretário nacional de Esporte, secretário nacional de Esporte Educacional e secretário-executivo do Ministério. Antes disso, atuou como líder estudantil - foi presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), de 1995 a 1997, e da União da Juventude Socialista (UJS), de 1998 a 2001. Também foi representante da Federação Mundial das Juventudes Democráticas (FMJD). Em 2008, seu nome foi envolvido no escândalo dos cartões corporativos do governo Lula. Utilizou o benefício para consumo particular em restaurantes sem estar cumprindo agenda oficial. Após as denúncias, alegou ter se enganado e devolveu o dinheiro. Quedas em série - Até agora, foram demitidos do governo Dilma, por envolvimento com corrupção, os ministros Antonio Palocci (Casa Civil), Alfredo Nascimento (Transportes), Wagner Rossi (Agricultura) e Pedro Novais (Turismo). Nelson Jobim, então titular da Defesa, saiu por criticar publicamente o governo. Confira o histórico de escândalos do governo Dilma
TAGs:
Dilma Rousseff
Orlando Silva
Corrupção
Ministério do Esporte