tarja-rio+20

Rio de Janeiro

Organizadores tentam evitar colapso do trânsito durante a Rio+20

Previsão é de que pelo menos 500 carros circulem com delegações durante o evento. Governo do estado apresentou ônibus especiais para a conferência

Cecília Ritto, do Rio de Janeiro
Vista do Flamengo no Rio de Janeiro

Vista do Flamengo no Rio de Janeiro (Christophe Simon/AFP)

“Cada chefe de estado terá uma média de cinco automóveis por comitiva. Serão mais de 500 automóveis só para circular. Estamos falando de comitivas de tamanho mínimo. Há outras bem maiores do que essas. Não haveria condição de transportar todo mundo em veículos sustentáveis”, afirmou o secretário estadual de Transportes, Julio Lopes

Apesar dos esforços para “esverdear” o sistema de transportes durante a Rio+20, o fluxo de autoridades e comitivas previsto para o Rio de Janeiro durante a conferência terá grande impacto sobre o meio ambiente e a rotina da cidade – tanto que, antevendo o problema, a prefeitura decretou feriado nos dias 20, 21 e 22 deste mês. A previsão é de que, durante o evento, pelo menos 500 automóveis circulem entre a zona sul e a zona oeste, transportando autoridades e delegações. Isso se soma, naturalmente, à frota permanente do Rio, uma cidade com trânsito saturado e em pleno processo de transformação de seus sistemas de transporte.

Da zona sul, onde a maioria das autoridades ficará hospedada, para o Riocentro, local principal das discussões sobre meio ambiente, o transporte usado pelos representantes da linha hierárquica mais alta dos países será o menos sustentável.

“Cada chefe de estado terá uma média de cinco automóveis por comitiva. Serão mais de 500 automóveis só para circular. Estamos falando de comitivas de tamanho mínimo. Há outras bem maiores do que essas. Não haveria condição de transportar todo mundo em veículos sustentáveis. O importante é que estamos fazendo esforços para dar sustentabilidade ao Rio”, afirmou o secretário estadual de Transportes, Julio Lopes. O secretário considerou apenas os 102 chefes de estado e de governo confirmados. No entanto, ao todo, 176 países enviarão representantes para a conferência. Apesar do aumento da circulação de automóveis durante a Rio+20, a expectativa dos organizadores e da prefeitura é de que o feriado reduza a movimentação de veículos.

Divulgação/ Governo do estado

Governo do Rio disponibilizará 17 ônibus sustentáveis para transportar as delegações durante a Rio+20

Governo do Rio disponibilizará 17 ônibus sustentáveis para transportar as delegações durante a Rio+20

Nesta terça-feira, o governo do estado apresentou o ônibus que circulará pelo município para transportar as delegações dos dias 13 a 22 de junho. Serão 17 coletivos de três tipos: diesel 100% de cana, diesel S50 (com menor teor de enxofre) e diesel e gás. A tecnologia GNV+Diesel possibilita que o ônibus circule com até 90% de combustível alternativo. A redução de emissão de monóxido de carbono 20% e o material particulado cai 80%.

Os ônibus da Volkswagen são fabricados pela MAN Latin America, que começará a produzi-los em série a partir de setembro de 2013. “Este ônibus é de fretamento, mas o projeto original é de um ônibus urbano para atender linhas de transporte. Estamos em busca do equilíbrio entre custo operacional e do beneficio que se poderá ter na substituição do diesel por gás natural”, disse Marco Saltini, diretor de relações governamentais e institucionais da MAN Latin America. O objetivo da empresa é, após 2013, fazer parte da renovação da frota da cidade do Rio. Os ônibus HNV+Diesel fazem parte do programa de transporte sustentável do estado, de olho na Copa do Mundo de 2014 e nas Olimpíadas de 2016.

A frota de 17 ônibus fabricados especialmente para a Rio+20 é, segundo Lopes, a quantidade pedida pelo Governo Federal. O Comitê Nacional de Organização da conferência disponibilizará 350 ônibus divididos em nove linhas para os participantes credenciados para a Rio+20. Duas dessas linhas vão conectar os aeroportos Internacional Antônio Carlos Jobim e Santos Dumont aos hotéis. As outras sete ligarão o centro, a zona sul e a Barra da Tijuca ao Riocentro.

Para o público em geral, sem credenciamento, a prefeitura esquematizou uma linha especial com ponto de partida do shopping Rio Sul, em Botafogo. O coletivo fará ligações com as estações de metrô Cardeal Arcoverde, em Copacabana, e General Osório, em Ipanema, com destino ao Riocentro, Parque dos Atletas e Arena da Barra. O executivo da cidade também reforçou algumas linhas de ônibus estratégicas. A linha 2018, por exemplo, que circula entre o Galeão e o Alvorada, via zona sul, terá 18 coletivos ao preço de 12 reais a passagem.

A linha 2918, que também faz o percurso Galeão-Alvorada, mas pela Linha Amarela, terá 13 ônibus com tarifa de 12 reais. Para quem circular pela linha 332, Taquara-Castelo, via Rio Centro e orla, encontrará um reforço de 29 ônibus convencionais e pagará 5,40 reais pela viagem.

O taxi é a opção mais cara. Se considerar Copacabana como o ponto de partida do passageiro, onde há grande concentração de hotéis na zona sul, a ida até o Riocentro, com bandeira 1, sai por cerca de 65 reais. Para a Cidade dos Atletas, a viagem pode custar em torno de 60 reais. Quando o destino é o Aterro do Flamengo, também na zona sul, onde acontecerá a cúpula dos povos, o custo é menor. A corrida sai por aproximadamente 18 reais. Caso o passageiro opte pelo taxi especial, o preço aumenta. Para o Riocentro e a Cidade dos Atletas, é necessário desembolsar 110 reais e, para o Aterro, 28. 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados