Rio de Janeiro

O depoimento de Thor

Filho do empresário Eike Batista reconstituiu, para a polícia, os detalhes da viagem até o acidente que matou o ajudante de caminhoneiro Wanderson

Leslie Leitão, do Rio de Janeiro
Trecho do depoimento de Thor Batista

Trecho do depoimento de Thor Batista (Reprodução)

No depoimento prestado à Polícia Civil, o estudante Thor Batista, de 20 anos, filho do empresário Eike Batista e da ex-modelo Luma de Oliveira, reconstitui os últimos momentos da viagem de Itaipava para o Rio, até o atropelamento que matou o ajudante de caminhoneiro Wanderson Pereira dos Santos, de 30 anos. Segundo o relato feito por Thor na 61ª DP (Xerém), logo depois da colisão foi encontrado sobre o parabrisa do Mercedes-Benz McLaren uma lata de cerveja, “provavelmente da vítima”, diz a transcrição do depoimento, à qual o site de VEJA teve acesso.

Leia também: Thor vai à missa de sétimo dia do ciclista que atropelou

Segundo o estudante, o choque do Mercedes-Benz contra o corpo e a bicicleta do ajudante de caminhoneiro se deu por volta das 19h30. Thor afirmou que momentos antes do acidente encontrava-se na faixa da esquerda, e que havia acabado de ultrapassar um veículo. “Estava com todos os faróis ligados, pois não existe iluminação naquele trecho da via”, afirmou. O rapaz contou que estava a 100 km/h e que, naquele trecho, por saber da existência de ciclistas, tirou um pouco o pé do acelerador. Continue aqui a ler a reportagem.

Reprodução

Trecho do depoimento de Thor Batista à Polícia Civil, prestado no 61ª DP (Xerém), no Rio de Janeiro

 



Os detalhes do depoimento coincidem com o que Thor relatou em uma conta de Twitter, criada na noite de segunda-feira. Um dos detalhes do acidente ainda está para ser esclarecido. Thor afirmou que Wanderson e a bicicleta estavam na faixa de rolamento dos carros. O delegado titular da 61ª DP, Mário Roberto Arruda, afirmou que os policiais que foram ao local viram marcas de frenagem no centro da pista, mas que esta informação só será confirmada dentro de 15 ou 20 dias, quando ficará pronto o laudo do Instituto de Criminalística Carlos Éboli.

Thor nega que estivesse acima dos limites de velocidade e afirma que Wanderson atravessou a pista inadvertidamente, o que não deu a ele tempo de parar o carro. Thor acumulou 51 pontos na carteira em 18 meses.

Abaixo, a página do relatório do depoimento em que Thor detalha como foi o momento exato do acidente e as horas posteriores:

Reprodução

Trecho do depoimento de Thor Batista à Polícia Civil, prestado no 61ª DP (Xerém), no Rio de Janeiro

 



Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados