Mais Lidas

  1. Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

    Brasil

    Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

  2. Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

    Brasil

    Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

  3. Família real britânica divulga fotos da princesa Charlotte

    Mundo

    Família real britânica divulga fotos da princesa Charlotte

  4. Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

    Brasil

    Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

  5. Dilma deve anunciar reajuste de até 9,5% no Bolsa Família

    Brasil

    Dilma deve anunciar reajuste de até 9,5% no Bolsa Família

  6. Marta Suplicy é vaiada em discurso em São Paulo. De novo

    Brasil

    Marta Suplicy é vaiada em discurso em São Paulo. De novo

  7. A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

    Brasil

    A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

  8. 'Parece vingança', diz Paulinho da Força sobre pacote de Dilma

    Brasil

    'Parece vingança', diz Paulinho da Força sobre pacote de Dilma

Nove gerentes são detidos por aumento abusivo de preços

Em um posto que aumentou o valor da gasolina para 4,499 reais as bombas chegaram a ser lacradas. Gerentes foram liberados após assinarem termo

- Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


Mais cinco gerentes de postos de gasolina foram detidos para prestar explicações à polícia na tarde desta quarta-feira por causa de aumentos abusivos no preço dos combustíveis. Aproveitando-se da greve dos caminhoneiros que abastecem os postos, alguns estabelecimentos quase dobraram o valor do litro da gasolina comum. No total, a Divisão de Investigações sobre Infrações contra o Consumidor do Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC) realizou nove detenções.

Diante das denúncias feitas por consumidores de aumento abusivo nos preços dos combustíveis, a Polícia Civil começou a percorrer os postos de gasolina da capital. Nesta manhã, os agentes detiveram quatro gerentes e, pela tarde, mais cinco foram presos. Um posto da Rua Alfredo Pujol, em Santana, chegou a subir o valor do litro da gasolina de 2,799 reais para 4,499 reais. As bombas do estabelecimento foram lacradas e passarão por perícia.

"Alguns comerciantes têm realizado a remarcação dos preços e obtido ganhos ilícitos em prejuízo do povo, o que caracteriza especulação", explicou o delegado Fernando Schmidt, titular do DPPC. Ele informou que os gerentes foram liberados após assinarem um termo circunstanciado, por se tratar de crime contra a economia popular, considerado de menor potencial ofensivo. A pena é de seis meses a dois anos de prisão e pagamento de multa.

Confira a locaização dos postos onde foram constatadas irregularidades, segundo a polícia:

- Rua Alfredo Pujol, 945 (gasolina: antes R$ 2,799, hoje R$ 4,499)

- Alameda Barão de Limeira, 668 (gasolina: antes R$ 2,699, hoje R$ 2,999)

- Rua Amaral Gurgel, 387 (gasolina: antes R$ 2,799, hoje R$ 2,899)

- Avenida Itaquera, 1968 (gasolina: antes R$ 2,699, hoje R$ 2,999, álcool: antes R$ 1,599, hoje R$ 1,999)

- Rua Silveira da Nóbrega, 63, Vila Pedroso (gasolina: antes R$ 2,499, hoje R$ 2,999)

- Avenida Senador Teotônio Vilela, 2089, Cidade Dutra (gasolina: antes R$ 2,499, hoje R$ 2,899: álcool: antes R$ 1,799, hoje R$ 1,899)

- Rua Maria Amália Lopes de Azevedo, 171, Horto Florestal (gasolina: antes R$ 2,78, hoje R$ 2,88; álcool: antes R$ 1,88, hoje R$ 1,98)

- Avenida Aricanduva, 9291 (gasolina: antes R$ 3,399 hoje R$ 3,599)

- Av. Interlagos, 3918 (gasolina: antes R$ 2,699, hoje R$ 2,899; álcool: antes R$ 1,699, hoje R$ 1,999)

TAGs:
São Paulo
Combustivel
Greve