Por: Marcela Donini, de Santa Maria - Atualizado em

Missa da Juventude em memória das vítimas do incêndio na boate Kiss
Missa da Juventude em memória das vítimas do incêndio na boate Kiss(Marcela Donini/VEJA)

Força e fé. As duas palavras com as quais o bispo auxiliar de Porto Alegre Dom Jaime Spengler iniciou a Missa da Juventude em memória das vítimas do incêndio na noite deste sábado eram uma mensagem enviada por uma menina que se recupera num dos hospitais de Santa Maria. Dom Jaime esteve no seu quarto e perguntou o que ela gostaria que fosse dito neste momento.

Em sua maioria de camisetas brancas, muitas homenageando seus filhos, amigos e irmãos, os presentes lotaram a Basílica Nossa Senhora da Medianeira, em Santa Maria. Foram lembrados também os 114 feridos que permanecem internados nos hospitais do Rio Grande do Sul - número corrigido pela Secretaria Estadual da Saúde, que havia anunciado 109 no início da tarde deste sábado.

"O melhor de nossa sociedade, nossos jovens, nossos filhos buscavam o amor", disse Dom Jaime, definindo as vidas perdidas no último domingo.

Presidida por ele, a missa contou ainda com a presença do arcebispo de Santa Maria, Dom Hélio Adelar Rubert. Além das cerca de 3.000 que estavam dentro do santuário, outras dezenas acompanharam a cerimônia pelo lado de fora. Durante os 90 minutos da missa, voluntários ofereciam água à comunidade que enfrentava o calor dentro da igreja, enquanto outros recolhiam as garrafas vazias, exemplo de força e fé de que falava a menina ao bispo.

TAGs:
Santa Maria
Tragédia
Rio Grande do Sul