Mais Lidas

  1. Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente Dilma

    Brasil

    Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente...

  2. Doença que causa feridas e desfigura o rosto das vítimas está se espalhando no Oriente Médio

    Mundo

    Doença que causa feridas e desfigura o rosto das vítimas está se...

  3. Brasileiro que desenhava para a DC é demitido após comentário sobre caso de estupro

    Entretenimento

    Brasileiro que desenhava para a DC é demitido após comentário sobre...

  4. Conselho do MP nega pedido de Lula para afastar procurador da Lava Jato

    Brasil

    Conselho do MP nega pedido de Lula para afastar procurador da Lava...

  5. Odebrecht assina pré-acordo de delação premiada

    Brasil

    Odebrecht assina pré-acordo de delação premiada

  6. Secretário-geral da OEA invoca cláusula democrática por crise na Venezuela

    Mundo

    Secretário-geral da OEA invoca cláusula democrática por crise na...

  7. Presidente do Bradesco é indiciado pela Polícia Federal

    Economia

    Presidente do Bradesco é indiciado pela Polícia Federal

  8. Morte no Everest: 'Você se importa se eu continuar?'

    Mundo

    Morte no Everest: 'Você se importa se eu continuar?'

Mesmo na cadeia, Delcídio recebe verbas de auxílio do Senado

Senador mantém o salário e os benefícios previstos para o cargo; secretaria da casa decidiu não descontar as ausências em sessões deliberativas

- Atualizado em

O senador Delcídio Amaral em Brasília
O senador Delcídio Amaral está preso desde novembro do ano passado(Geraldo Magela/Agência Senado/VEJA)

Preso desde o dia 25 de novembro do ano passado pela acusação de tentativa de obstrução das investigações da Operação Lava Jato, o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) manteve nos quase dois meses que se passaram o seu gabinete em funcionamento e continua sendo contemplado com auxílio moradia de 5.500 reais.

Como não teve o mandato cassado, Delcídio segue como senador, com todos os seus direitos, salário e benefícios. Ele mantém todo o aparato de seu gabinete, no 25º andar do Senado. Funcionários por ele contratados cumprem o horário, mas basicamente só respondem e-mails, correspondências e atendem telefonemas.

LEIA TAMBÉM:

Janot pede ao STF perda de mandato de Collor e Delcídio

Advogado de Delcídio do Amaral descarta delação premiada

Quando um senador em exercício falta a uma sessão deliberativa - aquela em que são votados projetos -, seu salário é descontado em aproximadamente 1.200 reais. Como a prisão de um senador é inédita, a Secretaria-Geral da Mesa do Senado decidiu adotar a interpretação que ele está licenciado do cargo, como se estivesse afastado por uma questão de saúde. O entendimento, portanto, é o de que Delcídio não comparece às sessões mais importantes porque está impedido.

Dezembro foi um mês intenso no Senado, com votações decisivas para a pauta orçamentária. No gabinete de Delcídio, entretanto, a atividade legislativa perdeu a força. Elaborar e analisar processos já não era mais necessário. Uma funcionária assumiu o posto do chefe de gabinete, Diogo Ferreira, que também foi preso junto com o chefe.

A ausência do líder do governo está refletida nas contas do gabinete. Em dezembro, apenas um gasto foi registrado. Um valor de 57 reais em correio expresso. Até mesmo o escritório de apoio que Delcídio mantinha no Mato Grosso do Sul foi fechado. Nenhuma aquisição de material de escritório ou para consumo foi registrada.

(Com Estadão Conteúdo)

TAGs:
Operação Lava Jato
Senado Federal
PT