Mais Lidas

  1. Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente Dilma

    Brasil

    Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente...

  2. Secretário-geral da OEA invoca cláusula democrática por crise na Venezuela

    Mundo

    Secretário-geral da OEA invoca cláusula democrática por crise na...

  3. Doença que causa feridas e desfigura o rosto das vítimas está se espalhando no Oriente Médio

    Mundo

    Doença que causa feridas e desfigura o rosto das vítimas está se...

  4. Brasileiro que desenhava para a DC é demitido após comentário sobre caso de estupro

    Entretenimento

    Brasileiro que desenhava para a DC é demitido após comentário sobre...

  5. Conselho do MP nega pedido de Lula para afastar procurador da Lava Jato

    Brasil

    Conselho do MP nega pedido de Lula para afastar procurador da Lava...

  6. Comissão dá prazo de 20 dias para ministros de Temer se defenderem de acusações do PT

    Brasil

    Comissão dá prazo de 20 dias para ministros de Temer se defenderem...

  7. Ex-ministros de Dilma e ex-presidentes da Petrobras e Correios vão receber salário por 6 meses

    Brasil

    Ex-ministros de Dilma e ex-presidentes da Petrobras e Correios vão...

  8. Odebrecht assina pré-acordo de delação premiada

    Brasil

    Odebrecht assina pré-acordo de delação premiada

Morre menina de 6 anos queimada em ataque a ônibus em São Luís

Ana Clara Sousa morreu na manhã desta segunda-feira. Ela teve 95% do corpo queimado em ataque a ônibus. Polícia prendeu mais seis acusados

- Atualizado em

Ônibus foram incendiados em São Luís no Maranhão na sexta-feira (03), em retaliação à ocupação, do Complexo Penitenciário de Pedrinhas pela polícia militar
Ônibus foram incendiados em São Luís no Maranhão na sexta-feira (03), em retaliação à ocupação, do Complexo Penitenciário de Pedrinhas pela Polícia Militar(Francisco Silva/Jornal Pequeno/EFE/VEJA)

A menina Ana Clara Santos Sousa, de 6 anos, que teve 95% do corpo queimado em um ataque a ônibus na sexta-feira, em São Luiz,morreu nesta segunda-feira, informou a Secretaria de Saúde do Maranhão. O coletivo em que a menina estava com a mãe e a irmã foi invadido e incendiado por homens armados.

Ana Clara foi uma das vítimas da onda de ataques que começou depois de uma operação realizada pela Tropa de Choque da Polícia Militar no Complexo Penitenciário de Pedrinhas. A intervenção pretende diminuir as mortes nas unidades prisionais do Estado. Só em 2013, de acordo com o relatório do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) entregue no dia 27 de dezembro, sessenta detentos morreram nos presídios do Maranhão.

Nos ataques que ocorrem desde sexta-feira na capital maranhense, quatro ônibus foram incendiados e duas delegacias foram alvo de tiros.

Leia também:

Pedrinhas: a barbárie em um presídio fora de controle

Prisões - Nesta segunda-feira, a Polícia Militar do Estado anunciou a prisão de mais seis acusados de participar dos atentados. Com estas detenções, sobe para dezessete o número de presos acusados de participar das ações criminosas.

Dois dos acusados presos são adolescentes. Os seis detidos durante uma operação estavam escondidos em um matagal e são apontados como os criminosos que organizaram e executaram o único ataque que deixou cinco vítimas, entre elas duas irmãs - além de Ana Clara, outra de 1 ano e cinco meses, e a mãe das duas meninas.

Operação - Neste domingo, a polícia maranhense montou uma grande operação na cidade, envolvendo 400 policias militares e 150 policiais civis, para conter a onde de ataques e atentados.

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


(Com Estadão Conteúdo)

TAGs:
Maranhão
Prisão