Ambiente

MP do Código Florestal recebe mais de 600 emendas

Texto começa a ser analisado pelo Congresso nesta terça-feira. Relator será o senador Luiz Henrique (PMDB-SC)

Ativista com uma máscara da presidente Dilma Rousseff participa de protesto em Brasília que pedia veto ao Código Florestal

Ativista com uma máscara da presidente Dilma Rousseff participa de protesto em Brasília que pedia veto ao Código Florestal (Ueslei Marcelio/Reuters/VEJA)

Deputados e senadores apresentaram mais de 620 emendas à Medida Provisória (MP) 571, enviada pela presidente Dilma Rousseff ao Congresso na semana passada, com modificações ao novo Código Florestal. O prazo para que parlamentares fizessem as sugestões de mudanças terminou às 20h30 desta segunda-feira.

A MP começará a ser analisada pelo Congresso nesta terça-feira, às 14 horas, quando ocorre a primeira reunião da comissão mista, composta por deputados e senadores. O presidente será o deputado Bohn Gass (PT-RS) e, o relator, o senador Luiz Henrique (PMDB-SC).

A MP foi publicada no Diário Oficial da União em 28 de maio. De acordo com o governo, o texto visa suprir as lacunas deixadas com os vetos da presidente ao texto do novo Código Florestal, aprovado pela Câmara dos Deputados em abril. A MP tem prazo de 60 dias podendo ser prorrogada por mais 60 – prazo total de quatro meses – antes de perder a validade. Depois de ser analisado pela comissão mista, o texto segue para o plenário da Câmara, vai ao Senado e, se alterado, volta para análise dos deputados.

O governo propôs mais de 30 alterações ao novo Código Florestal. Entre elas o escalonamento da recomposição obrigatória de faixas de matas ao longo de rios de acordo com o tamanho das propriedades, o restabelecimento dos princípios da Lei Florestal e a regulamentação do uso de áreas costeiras para produção de camarão e de sal.

Leia também: Planalto publica justificativas de vetos ao Código Floresta

Somente a Frente Parlamentar de Agricultura (FPA) apresentou mais de 75 emendas, de acordo com o deputado federal Moreira Mendes (PSD/TO), presidente a frente.

Um dos pontos a ser combatidos pelo ruralistas, segundo Mendes, é o artigo primeiro do texto aprovado no ano passado pelo Senado, reintroduzido na MP. Ele estabelece os princípios da lei do Código Florestal. Os deputados ruralistas são contra a relação de princípios porque acham que haverá margem para interpretações por parte do Judiciário.

O presidente da FPA prevê que haverá embates também em relação ao conceito de "área abandonada", que foi retomado nas modificações feitas no texto enviado pelo Palácio do Planalto. "Existe uma intenção de desfazer o direito constitucional de propriedade, para tentar desapropriar ou expropriar para fazer reforma agrária, sob o pretexto de que a área é abandonada", afirmou Moreira Mendes.

Em relação ao artigo 61, que trata da recomposição e preservação das matas nas margens de rios, Mendes acredita que as propostas serão no sentido de melhorar o texto, uma vez que existe consenso de que as mudanças feitas pelo Palácio do Planalto, como a obrigatoriedade de recomposição de acordo com o tamanho da propriedade e extensão dos rios, são consideradas boas.

O deputado citou também o item terceiro dos princípios, que reconhece "a função estratégica da produção rural na recuperação e manutenção das florestas e do papel destas na sustentabilidade da produção agropecuária". Ele considera a proposta "um acinte", argumentando que "não é função da agricultura e da pecuária sustentar a floresta, e sim produzir alimentos".

(Com Agência Estado)

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados