Mais Lidas

  1. Brasileiro que desenhava para a DC é demitido após comentário sobre caso de estupro

    Entretenimento

    Brasileiro que desenhava para a DC é demitido após comentário sobre...

  2. Morte no Everest: 'Você se importa se eu continuar?'

    Mundo

    Morte no Everest: 'Você se importa se eu continuar?'

  3. Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

    Brasil

    Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

  4. Bumlai diz que fez empréstimo fraudulento para PT por medo de invasão de terras

    Brasil

    Bumlai diz que fez empréstimo fraudulento para PT por medo de...

  5. Lula pede ao STF acesso à delação de Pedro Corrêa

    Brasil

    Lula pede ao STF acesso à delação de Pedro Corrêa

  6. Lula sabia que mensalão era propina, diz Corrêa em delação

    Brasil

    Lula sabia que mensalão era propina, diz Corrêa em delação

  7. Zoológico nos EUA defende decisão de matar gorila

    Mundo

    Zoológico nos EUA defende decisão de matar gorila

  8. Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente Dilma

    Brasil

    Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente...

Mapa do tráfico: Bonde dos 40 e PCM disputam venda de crack em São Luís

Facções criminosas que nasceram da rivalidade entre detentos do interior do Estado e da capital hoje disputam o monopólio do tráfico de drogas

Por: Felipe Frazão, de São Luís - Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


As duas principais facções criminosas do Maranhão, o Bonde dos 40 e o Primeiro Comando do Maranhão (PCM), travam uma batalha dentro e fora dos presídios do Estado. Nas ruas da Região Metropolitana de São Luís, a capital maranhense, os grupos rivais desafiam a polícia diariamente na disputa pelo controle de favelas e pontos de venda de crack. Para o governo maranhense e a cúpula da Polícia Civil, a guerra do tráfico está por trás da onda de homicídios e latrocínios no Estado.

Os líderes do Bonde dos 40, a sanguinária facção que promoveu decapitações no presídio de Pedrinhas, estarão na lista de detentos que serão transferidos para presídios federais. As Secretarias de Justiça e Administração Penitenciária e da Segurança Pública já prepararam uma lista e a submeteram à avaliação da Vara de Execuções Penais da Justiça maranhanse. Entre os prováveis transferidos estão os criminosos Allan Kardec Dias Costa e Giheliton de Jesus Santos, o "Gil", Hilton John Alves Araújo, o "Praguinha", Jorge Henrique Amorim Martins, o "Dragão", e Wilderlei Moraes, o "Paiakan".

"Estamos percebendo que o PCM está tentando aproveitar que os líderes do Bonde estão presos para dominar a área deles", diz o subdelegado-geral da Polícia Civil, Marcos Affonso.

"Ainda não há uma hegemonia entre eles, as facções brigam por espaço aqui em São Luís, que é o foco do tráfico", afirma a superintendente de Polícia Civil da capital e região metropolitana, Katherine Chaves.

Leia também: Disque-Pedrinhas: uso de celular é comum em presídio

Colapso nas cadeias reflete décadas de gestão Sarney

Vídeo mostra o ataque selvagem que matou a menina Ana Clara

Facções: Bonde dos 40 PCM

Influências - Inspirados e próximos ao Primeiro Comando da Capital (PCC), de São Paulo, os integrantes do PCM criaram a facção com criminosos do interior do Maranhão, os chamados "baixadeiros", por atuarem na Baixada Maranhense. Eles montaram um estatuto próprio baseado no do PCC - com dizeres como "irmão ajuda irmão" - e organizaram uma hierarquia própria. Os "soldados" (bandidos com menos cinco anos no crime organizado) e os "torres" (aqueles com mais tempo na quadrilha) só agem segundo as ordens do "conselho", a cúpula da facção. Quem não obedece é considerado traidor e condenado à morte. Os que passam pelo sistema prisional tem o hábito de tatuar no antebraço as palavras "paz, justiça e liberdade" - lema do PCM.

O PCM mantém o controle da venda de crack e maconha nos bairros do Coroado, Coroadinho e Pocinha. A droga já é refinada em "laboratórios" do Maranhão. A quadrilha também pratica assaltos a banco e roubos, mas age com mais discrição. "O que os sustenta mais é o tráfico, mas eles fazem muitos assaltos pesados também", diz o subdelegado-geral.

A facção mais violenta é o Bonde dos 40, que reúne - com menos organização - uma série de bandos que atuavam em bairros diferentes e distantes de São Luís, sobretudo as áreas de palafitas. As áreas de domínio do grupo criminoso são citadas em letras de funk maranhense, como o bairro de Fátima e Vila Embratel. A inteligência da Polícia Civil já identificou que o bando ampliou sua organização, criando um conselho de líderes. Eles também estão formando pontes com traficantes do Rio de Janeiro, segundo a polícia.

"O Bonde dos 40 começou desorganizado, como uma revolta contra o PCM, que queria exclusividade no fornecimento de drogas", diz Affonso. "Eles tentaram se unir, mas o Bonde não aceitou."

Em julho, a Polícia Civil apreendeu um livro com a contabilidade do tráfico. Nele, os investigadores acharam registros de quanto a quadrilha arrecadava por mês: 150.000 reais com a venda de crack e assaltos. O dinheiro é usado em pagamento de advogados, para sustentar o tráfico e ajudar as famílias de "irmãos" - como eles se chamam - presos. O inimigo é o tradicional "alemão", termo muito usual no Rio de Janeiro.

Em escutas telefônicas, o setor de inteligência da Polícia Civil identificou que os líderes do Bonde dos 40 ordenaram por um "salve geral" os ataques a vinte ônibus, delegacias e decretaram a morte de policiais militares. A onda de terror terminou com a morte da menina Ana Clara, de seis anos. "É uma retaliação, tentativa de intimidar e desestabilizar a polícia", diz Katherine.

Por que o presídio de Pedrinhas entrou em colapso

TAGs:
Crime
Crime Organizado
Maranhão