Mais Lidas

  1. Bom para ambas as partes?

    Brasil

    Bom para ambas as partes?

  2. Attuch, o porta-voz da quadrilha

    Brasil

    Attuch, o porta-voz da quadrilha

  3. Após foto em velório, Ana Paula Valadão diz que vai deixar redes sociais

    Entretenimento

    Após foto em velório, Ana Paula Valadão diz que vai deixar redes...

  4. Parlamento Europeu pede que Reino Unido comece a sair da UE na terça

    Mundo

    Parlamento Europeu pede que Reino Unido comece a sair da UE na terça

  5. 'Que país é esse?' Moro é aplaudido durante show em Curitiba

    Brasil

    'Que país é esse?' Moro é aplaudido durante show em Curitiba

  6. Premiê escocesa diz que parlamento do país pode bloquear o Brexit

    Mundo

    Premiê escocesa diz que parlamento do país pode bloquear o Brexit

  7. O PT assaltou até funcionários públicos endividados

    Brasil

    O PT assaltou até funcionários públicos endividados

  8. Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

    Mundo

    Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

Justiça prorroga prisão do marqueteiro João Santana e da esposa Mônica Moura

Por: Laryssa Borges, de Brasília - Atualizado em

João Santana no IML em Curitiba
João Santana no IML em Curitiba(VEJA.com/Reuters)

O juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em Curitiba, prorrogou nesta sexta-feira, por mais cinco dias, as prisões temporárias do marqueteiro petista João Santana e da mulher e sócia do publicitário, Mônica Moura. O magistrado, que havia negado, durante as investigações, decretar a prisão preventiva do casal Santana - situação em que os dois não teriam data pré-definida para deixar a cadeia - considerou que "há certos problemas no álibi" apresentado pelos dois, que, em depoimento à Polícia Federal, afirmaram que não sabiam da origem dos recursos que foram depositados na conta da empresa que mantinham no exterior e que não tinham relação com o codinome "Feira" - referência utilizada na contabilidade paralela do Grupo Odebrecht para registrar repasses de dinheiro. Para o juiz, que chegou a dizer que considera até a hipótese de Santana e Mônica terem outras contas secretas no Brasil e no exterior, a prorrogação da prisão "prevenirá a prática de fraudes para justificar as transações já identificadas".

Segundo as investigações, entre 25 de setembro de 2013 e 4 de novembro de 2014, dias após o fim do segundo turno presidencial, o operador de propinas Zwi Skornicki repassou dinheiro à offshore panamenha Shellbill Finance SA, de João Santana e Mônica Moura. Foram nove transações, totalizando ao menos 4,5 milhões de dólares. A Shellbill Finance SA não foi declarada às autoridades brasileiras. Outros 3 milhões de dólares pagos ao marqueteiro, via Shellbill, pelo Grupo Odebrecht partiram de contas ocultas no exterior em nome das offshores Klienfeld e Innovation, que já são alvo da Lava Jato por terem sido usadas para abastecer com dinheiro sujo os ex-diretores da Petrobras Renato Duque, Paulo Roberto Costa, Jorge Zelada e Nestor Cerveró.

Além da presença da Klienfeld como fonte pagadora do casal Santana, a atuação do operador de propinas Zwi Skornicki como responsável por outros repasses - de 4,5 milhões de dólares - à dupla foi classificada como "perturbadora" pelo juiz. "A prova, em cognição sumária, da realização de outros pagamentos sub-reptícios pelo Grupo Odebrecht à 'Feira', ou seja, Mônica Moura, durante o ano de 2014 e em reais no Brasil, é, em princípio, inconsistente com álibi apresentado, de que os pagamentos na Shellbill teriam sido os únicos efetuados pela Odebrecht ao casal e igualmente inconsistente com a alegação de que os valores não-contabilizados seriam referentes exclusivamente a campanhas eleitorais na Venezuela e em Angola", disse Moro ao prorrogar a prisão do casal.

"O fato é que os elementos probatórios anteriores e os ora revelados no exame sumário das provas apreendidas indicam que o relacionamento de João Santana e com Mônica Moura com a Odebrecht é muito maior que o admitido e que eles teriam recebido quantias bem mais expressivas do que aquelas já rastreadas até a conta Shellbill", completa o magistrado. Embora a defesa do casal tenha tentado resumir o caso a uma situação de empresa não declarada no exterior, o juiz foi enfático: "não vislumbro como banalizar a prática de fraudes, com utilização de recursos escusos ou pelo menos não-contabilizados, em campanhas eleitorais, quer no Brasil ou no exterior, considerando a consequente afetação da integridade do processo político democrático. Nada há de banal nessas condutas".

Entre o material apreendido na 23ª fase da Operação Lava Jato, a Polícia Federal encontrou documentos que indicam que a Odebrecht teria feito pagamentos periódicos a João Santana inclusive sobre campanhas eleitorais no Brasil, fato sempre negado pelo marqueteiro. A prova contra Santana consta de uma planilha, administrada por Maria Lúcia Tavares, secretária do empreiteiro Marcelo Odebrecht, com indicação de que o casal recebeu da empresa 4 milhões de reais no Brasil durante a campanha eleitoral de 2014. Foram sete repasses, entre outubro e novembro daquele ano, enquanto Santana trabalhava na campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff. A planilha também contém a anotação de que a "negociação" total chegaria a 24 milhões de reais.

Com a prorrogação da prisão, o juiz Sergio Moro disse considerar que os investigadores terão mais tempo para rastrear a teia de transações suspeitas de Santana e ouvir o marqueteiro mais uma vez. Também devem ser colhidos novos depoimentos de Zwi Skornicki, de Mônica Moura e da secretária Maria Lúcia Tavares, que também teve a prisão prorrogada nesta sexta-feira.

No mesmo despacho, o magistrado ainda converteu a prisão de outros investigados na 23ª fase da Lava Jato - Vinicius Veiga Borin e a Benedicto Barbosa da Silva Júnior - em medidas cautelares. Os dois têm de entregar os passaportes, estão proibidos de deixar o país ou mudar de endereço sem autorização e são obrigados a atender às convocações da Polícia Federal e do Ministério Público.

Em nota, a defesa do marqueteiro João Santana critica a prorrogação da prisão e diz que "se o próprio Juiz concorda, em sua decisão, que é prematura qualquer conclusão sobre os fatos, deveria ter prevalecido a liberdade, como corolário do milenar princípio do "In dubio pro reo", ou seja, "na dúvida, a favor do réu".

TAGs:
Operação Lava Jato