Mais Lidas

  1. Andréa de Nóbrega deixa Carlos Alberto e 'A Praça É Nossa'

    Entretenimento

    Andréa de Nóbrega deixa Carlos Alberto e 'A Praça É Nossa'

  2. Patricia Abravanel bate na África e apanha nas redes

    Entretenimento

    Patricia Abravanel bate na África e apanha nas redes

  3. Exclusivo: delator revela caminho das propinas para operador de Renan e do PMDB

    Brasil

    Exclusivo: delator revela caminho das propinas para operador de...

  4. Campanha de Dilma recebeu R$ 2 mi de investigada na Boca Livre

    Brasil

    Campanha de Dilma recebeu R$ 2 mi de investigada na Boca Livre

  5. Ciro defende 'sequestrar' Lula em caso de pedido de prisão

    Brasil

    Ciro defende 'sequestrar' Lula em caso de pedido de prisão

  6. ‘Game of Thrones’: por que saber a origem de Jon Snow é importante

    Entretenimento

    ‘Game of Thrones’: por que saber a origem de Jon Snow é importante

  7. Impeachment pode marcar nova onda de valorização do real

    Economia

    Impeachment pode marcar nova onda de valorização do real

  8. Ministério da Cultura fazia fiscalização 'pífia', diz MP sobre grupo que desviou R$ 180 mi

    Brasil

    Ministério da Cultura fazia fiscalização 'pífia', diz MP sobre...

Justiça autoriza quebra de sigilo de empreiteiros e afilhado de Dirceu

Na lista estão presidentes da Camargo Corrêa, Dalton Avancini, e da OAS, José Adelmário Pinheiro Filho

Por: Laryssa Borges, de Brasília - Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


(Atualizado às 19h15)

O juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, determinou nesta terça-feira a quebra de sigilo bancário de dezenove executivos e empresas investigados na Operação Lava Jato da Polícia Federal. Na lista dos que terão seus dados repassados à Justiça estão o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque e os presidentes da construtora Camargo Corrêa, Dalton Avancini, e da OAS, José Adelmário Pinheiro Filho.

Indicado por José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil condenado no julgamento do mensalão, Duque ocupou entre os anos de 2003 e 2012 a diretoria de Serviços da Petrobras. Ele foi demitido no mesmo ano que Paulo Roberto Costa.

Leia também:

A ameaça do clube do bilhão

Delatores implicam atual diretor da Petrobras em esquema

Afilhado de Dirceu se nega a colaborar com a PF

Em seu despacho, Moro detalha que quer a lista de todas as instituições financeiras que abrigam contas dos suspeitos, além de dados sobre a movimentação bancária, os investimentos e os ativos encerrados de cada um. A lista inclui ainda o presidente do Conselho de Administração da Camargo Corrêa, João Ricardo Auler, o ex-diretor-presidente da Queiroz Galvão Idelfonso Colares, o diretor-vice-presidente executivo da construtora Mendes Junior, Sergio Cunha Mendes, o diretor da OAS Agenor Franklin Magalhães Medeiros e o vice-presidente da Engevix, Gerson de Melo Almada. Também foi incluído o nome do lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano, que estava foragido e se entregou na tarde desta terça.

Leia também:

À PF, diretor de empreiteira admite ter pago propina ao PP

Na última sexta-feira a Polícia Federal deflagrou a sétima fase da Lava Jato em cinco Estados e no Distrito Federal. Foram presos Renato Duque, apontado como operador do PT no petrolão, além de executivos de empreiteiras investigadas por participação no esquema.

TAGs:
Operação Lava Jato
Petrobras