Mais Lidas

  1. Sônia Abrão pede desculpas por sair correndo do programa

    Entretenimento

    Sônia Abrão pede desculpas por sair correndo do programa

  2. Estupro de jovem de 16 anos no Rio "está provado", diz delegada

    Brasil

    Estupro de jovem de 16 anos no Rio "está provado", diz delegada

  3. Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

    Brasil

    Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

  4. Japão: Pais abandonam filho na floresta para castigá-lo e criança desaparece

    Mundo

    Japão: Pais abandonam filho na floresta para castigá-lo e criança...

  5. Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente Dilma

    Brasil

    Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente...

  6. Ex-presidente do PSDB de Minas é preso em operação

    Brasil

    Ex-presidente do PSDB de Minas é preso em operação

  7. Renan Ribeiro, do 'The Voice', morre em acidente de carro

    Entretenimento

    Renan Ribeiro, do 'The Voice', morre em acidente de carro

  8. Latam suspende temporariamente voos à Venezuela

    Economia

    Latam suspende temporariamente voos à Venezuela

Governadores criaram mais de 10.000 cargos comissionados em 2013

Amapá, Ceará, São Paulo e Tocantins foram os Estados que mais aumentaram as vagas preenchidas por indicação política, segundo o IBGE

Por: Daniel Haidar - Atualizado em

Amapá: Estado que mais ampliou quadro de cargos comissionados em 2013
Amapá: Estado que mais ampliou quadro de cargos comissionados em 2013(Divulgação/Governo do Estado do Amapá/VEJA)

Os governos estaduais ampliaram, no ano passado, a proporção de funcionários comissionados ou temporários, em detrimento das posições ocupadas por servidores que passaram por concurso público. O diagnóstico é um dos resultados da pesquisa Perfil dos Estados Brasileiros - Estadic 2013, divulgada na manhã desta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nos 26 Estados e no Distrito Federal, entre 2012 e 2013 houve redução de 0,3% nos funcionários das administrações direta e indireta - o que representa 8.324 servidores a menos. Ao mesmo tempo, foi registrado aumento de 9,9% nos cargos comissionados, 13,6% nos trabalhadores sem vínculo permanente e de 10,7% nos estagiários. Só nos postos de confiança foram alocadas 10.386 pessoas.

Leia também:

Rio é o Estado com menor fatia do orçamento dedicada à saúde Gestão do lixo ainda é um desafio na maioria dos Estados Brasileiros

Só nove unidades da federação reduziram os postos preenchidos por nomeações: Amazonas, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Paraíba, Pernambuco, Rondônia e Santa Catarina. Nos demais, houve aumento nos cargos comissionados. As maiores elevações foram registradas no Amapá (199,9% vagas a mais para cargos de confiança), Ceará (115,7%), São Paulo (90,2%) e Tocantins (85,5%).

Variação percentual dos tipos de contratação no

serviço público entre 2012 e 2013

Fonte: IBGE

A tendência identificada pela pesquisa é de privilégio para as vagas nas quais os governantes podem contratar e demitir sem o crivo do concurso público. Como se sabe, nomear e demitir são prerrogativas que dão ainda mais poder aos governantes. Os cargos de confiança - ou comissionados - existem justamente para permitir que os governadores moldem, com alguma liberdade, o funcionamento da máquina pública. Entre eles estão os secretários, presidentes e diretores de autarquias e assessores diretos. Os exageros nesse sentido, no entanto, ocasionam aberrações, com risco de criar uma espécie de "mercado" de cargos de destaque, ao sabor dos interesses políticos.

"A conclusão óbvia é de que há um aumento no uso político da máquina pública por governadores. Cargo de confiança é naturalmente político. Independentemente de partidos, as máquinas estaduais estão mais aparelhadas, e, como vemos, isso tem peso crescente para os gastos públicos", disse o cientista político Carlos Melo, professor do Insper.

Os governos estaduais tinham, em 2013, um total de 3.120.599 servidores na administração direta (gabinete do governador e secretarias) e indireta (autarquias, fundações e empresas públicas) - ou 1,6% da população do país. Entre as unidades da federação, há grandes diferenças na proporção de pessoas empregadas no serviço público estadual. No Distrito Federal, 5,2% da população local estava empregada no governo estadual. O DF é seguido por Acre (4,7%), Amapá (4,2%) e Tocantins (3,6%). A Bahia é o Estado com menor proporção da população empregada no governo estadual, com apenas 0,8%.

Cargos comissionados nos estados

A radiografia da distribuição dos cargos públicos pelo país foi prejudicada por governos que ignoraram o pedido do IBGE e não informaram completamente o quadro de funcionários. Foi o caso de Alagoas em 2013 e de Roraima e Sergipe em 2012.

Os números mostram que o aumento da população não pode servir de justificativa para o aumento dos cargos comissionados e temporários. Os dois estados com a maior expansão populacional de 2012 a 2013 foram Rondônia (8,7% a mais de habitantes) e Espírito Santo (7,3%). Nestas unidades da federação houve queda na quantidade de cargos de confiança, respectivamente, de 4,2% e 4,9%. Também diminuiu o total de servidores nos dois estados em 2% no caso de Rondônia e em 3,2% no caso do Espírito Santo.

A pesquisa foi realizada pela segunda vez em 2013. O objetivo da Estadic é colher informações e fornecer elementos para análise de como são organizados os recursos humanos dos Estados, quais prioridades são seguidas e de que forma as principais políticas são implementadas.

Leia também:

Ranking dos Estados aponta o destino dos investimentos no Brasil

TAGs:
IBGE
Orçamento