Mais Lidas

  1. O PT assaltou até funcionários públicos endividados

    Brasil

    O PT assaltou até funcionários públicos endividados

  2. Gospel Ana Paula Valadão é criticada por foto no velório da avó

    Entretenimento

    Gospel Ana Paula Valadão é criticada por foto no velório da avó

  3. Zezé Di Camargo alfineta Wesley Safadão: 'Emergente'

    Entretenimento

    Zezé Di Camargo alfineta Wesley Safadão: 'Emergente'

  4. Pronto, os ingleses falaram. E falaram grosso

    Mundo

    Pronto, os ingleses falaram. E falaram grosso

  5. Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

    Mundo

    Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

  6. Laura Keller provoca Simony, a 'surtada', pelo Instagram

    Entretenimento

    Laura Keller provoca Simony, a 'surtada', pelo Instagram

  7. Delator de Paulo Bernardo intermediou negócio milionário após viagem oficial com Lula à África

    Brasil

    Delator de Paulo Bernardo intermediou negócio milionário após...

  8. Derrota no 'Power Couple' faz Simony perder a linha

    Entretenimento

    Derrota no 'Power Couple' faz Simony perder a linha

Hotel contrata Dirceu com salário de R$ 20 mil

Ex-ministro pede que o Supremo o libere para trabalhar como gerente administrativo de hotel durante o dia – à noite, ele tem de dormir na cadeia

Por: Laryssa Borges, de Brasília - Atualizado em

Carteira de trabalho de José Dirceu
Carteira de trabalho de José Dirceu(Reprodução/VEJA)

O Hotel Saint Peter, em Brasília, contratou o ex-ministro José Dirceu, que cumpre pena no Complexo Penitenciário da Papuda, como gerente administrativo, com salário registrado de 20 000 reais mensais. A carteira de trabalho do petista foi assinada na última sexta-feira.

A defesa de Dirceu enviou cópia dos registros de trabalho assinados pelo hotel ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo que ele possa deixar o presídio durante o dia para trabalhar, já que cumpre pena inicialmente em regime semiaberto - poderia trabalhar das 8h às 17h e dormir na cadeia. Conforme os documentos anexados, na carteira de trabalho da atual gerente do hotel, Valéria Linhares, a remuneração para o cargo é bem inferior: 1 800 reais.

Na ficha cadastral preenchida protocolarmente, Dirceu afirmou que precisa trabalhar "por necessidade" e que "aprecia hotelaria e a área administrativa". O petista listou uma série de hobbies que praticava nas horas de lazer - antes de ser condenado por corrupção ativa e formação de quadrilha pelo Supremo -, como leitura, filmes e viagens, e informou praticar "caminhadas" regularmente.

Nos bastidores, a função administrativa escolhida pelo mensaleiro é interpretada como uma estratégia para evitar um embate direto com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A entidade já recebeu pedido para cassar a carteira profissional do ex-ministro.

O dono do hotel é Paulo Masci de Abreu, de 61 anos. O Saint Peter pertencia ao ex-deputado Sérgio Naya, que foi cassado depois da queda do Edifício Palace II, no Rio de Janeiro, em 1998. A tragédia deixou oito mortos. Quando os bens de Naya foram leiloados, em 2005, Abreu arrematou o hotel, que anuncia uma noite em um quarto duplo pelo preço de 560 reais. Paulo é irmão José Masci de Abreu, presidente do nanico PTN, que apoiou a eleição de Dilma Rousseff em 2010. O empresário é dono de pelo menos dez empresas - a maioria delas, no ramo da comunicação, como as rádios Kiss FM e Tupi FM.

O ambiente hoteleiro não é novidade para Dirceu. Em 2011, VEJA revelou que o mensaleiro tinha um "gabinete" em outro hotel de Brasília, o Naoum, onde recebia altos dirigentes do governo federal. Entre os políticos que se encontravam com Dirceu estava o ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento), o então presidente da Petrobras, Sergio Gabrielli, os senadores Walter Pinheiro (PT-BA), Lindbergh Farias (PT-RJ), Delcídio Amaral (PT-MS) e Eduardo Braga (PMDB-AM), além dos deputados Devanir Ribeiro (PT-SP) e Candido Vaccarezza (PT-SP).

Leia também:

Dirceu mostra que ainda manda em Brasília

Galeria 'O gabinete secreto do conspirador'

X

TAGs:
Mensalão
José Dirceu
Julgamento do Mensalão
Supremo Tribunal Federal (STF)
PT