Mais Lidas

  1. Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e frieza’, diz irmã

    Entretenimento

    Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e...

  2. Temer bate na mesa e diz que sabe o que fazer no governo: 'Eu tratava com bandidos'

    Brasil

    Temer bate na mesa e diz que sabe o que fazer no governo: 'Eu...

  3. Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

    Entretenimento

    Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

  4. PT obstrui votação e Câmara demora 6 horas para aprovar MP

    Brasil

    PT obstrui votação e Câmara demora 6 horas para aprovar MP

  5. Bruna Linzmeyer sensualiza após ataques homofóbicos no Instagram

    Entretenimento

    Bruna Linzmeyer sensualiza após ataques homofóbicos no Instagram

  6. Aliados de Dilma entram em campo para impedir votação da nova meta

    Brasil

    Aliados de Dilma entram em campo para impedir votação da nova meta

  7. Jucá dá o troco em desafeto: 'Ele deveria entregar a mulher, que é procurada pela polícia'

    Brasil

    Jucá dá o troco em desafeto: 'Ele deveria entregar a mulher, que é...

  8. Propina bancou viagem para Europa de esposa de Collor, diz doleiro

    Brasil

    Propina bancou viagem para Europa de esposa de Collor, diz doleiro

Hotel contrata Dirceu com salário de R$ 20 mil

Ex-ministro pede que o Supremo o libere para trabalhar como gerente administrativo de hotel durante o dia – à noite, ele tem de dormir na cadeia

Por: Laryssa Borges, de Brasília - Atualizado em

Carteira de trabalho de José Dirceu
Carteira de trabalho de José Dirceu(Reprodução/VEJA)

O Hotel Saint Peter, em Brasília, contratou o ex-ministro José Dirceu, que cumpre pena no Complexo Penitenciário da Papuda, como gerente administrativo, com salário registrado de 20 000 reais mensais. A carteira de trabalho do petista foi assinada na última sexta-feira.

A defesa de Dirceu enviou cópia dos registros de trabalho assinados pelo hotel ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo que ele possa deixar o presídio durante o dia para trabalhar, já que cumpre pena inicialmente em regime semiaberto - poderia trabalhar das 8h às 17h e dormir na cadeia. Conforme os documentos anexados, na carteira de trabalho da atual gerente do hotel, Valéria Linhares, a remuneração para o cargo é bem inferior: 1 800 reais.

Na ficha cadastral preenchida protocolarmente, Dirceu afirmou que precisa trabalhar "por necessidade" e que "aprecia hotelaria e a área administrativa". O petista listou uma série de hobbies que praticava nas horas de lazer - antes de ser condenado por corrupção ativa e formação de quadrilha pelo Supremo -, como leitura, filmes e viagens, e informou praticar "caminhadas" regularmente.

Nos bastidores, a função administrativa escolhida pelo mensaleiro é interpretada como uma estratégia para evitar um embate direto com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A entidade já recebeu pedido para cassar a carteira profissional do ex-ministro.

O dono do hotel é Paulo Masci de Abreu, de 61 anos. O Saint Peter pertencia ao ex-deputado Sérgio Naya, que foi cassado depois da queda do Edifício Palace II, no Rio de Janeiro, em 1998. A tragédia deixou oito mortos. Quando os bens de Naya foram leiloados, em 2005, Abreu arrematou o hotel, que anuncia uma noite em um quarto duplo pelo preço de 560 reais. Paulo é irmão José Masci de Abreu, presidente do nanico PTN, que apoiou a eleição de Dilma Rousseff em 2010. O empresário é dono de pelo menos dez empresas - a maioria delas, no ramo da comunicação, como as rádios Kiss FM e Tupi FM.

O ambiente hoteleiro não é novidade para Dirceu. Em 2011, VEJA revelou que o mensaleiro tinha um "gabinete" em outro hotel de Brasília, o Naoum, onde recebia altos dirigentes do governo federal. Entre os políticos que se encontravam com Dirceu estava o ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento), o então presidente da Petrobras, Sergio Gabrielli, os senadores Walter Pinheiro (PT-BA), Lindbergh Farias (PT-RJ), Delcídio Amaral (PT-MS) e Eduardo Braga (PMDB-AM), além dos deputados Devanir Ribeiro (PT-SP) e Candido Vaccarezza (PT-SP).

Leia também:

Dirceu mostra que ainda manda em Brasília

Galeria 'O gabinete secreto do conspirador'

X

TAGs:
Mensalão
José Dirceu
Julgamento do Mensalão
Supremo Tribunal Federal (STF)
PT