Mais Lidas

  1. Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e frieza’, diz irmã

    Entretenimento

    Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e...

  2. PT obstrui votação e Câmara demora 6 horas para aprovar MP

    Brasil

    PT obstrui votação e Câmara demora 6 horas para aprovar MP

  3. PF deflagra 30ª fase da Lava Jato e descobre mais de R$ 40 mi em propina

    Brasil

    PF deflagra 30ª fase da Lava Jato e descobre mais de R$ 40 mi em...

  4. Bruna Linzmeyer sensualiza após ataques homofóbicos no Instagram

    Entretenimento

    Bruna Linzmeyer sensualiza após ataques homofóbicos no Instagram

  5. Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

    Entretenimento

    Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

  6. Jucá dá o troco em desafeto: 'Ele deveria entregar a mulher, que é procurada pela polícia'

    Brasil

    Jucá dá o troco em desafeto: 'Ele deveria entregar a mulher, que é...

  7. Moro, aplausos e um pedido: 'Prenda o Lula'

    Brasil

    Moro, aplausos e um pedido: 'Prenda o Lula'

  8. Temer propõe limite ao gasto público com base na inflação do ano anterior

    Economia

    Temer propõe limite ao gasto público com base na inflação do ano...

Henrique Alves pede exoneração do Ministério do Turismo

Ele é o primeiro peemedebista a deixar um cargo no primeiro escalão do governo de Dilma Rousseff. Temer e Renan Calheiros têm acordo para que os outros ministros da sigla deixem suas pastas

- Atualizado em

Presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves
Henrique Eduardo Alves entregou o cargo de ministro do Turismo a Dilma Rousseff(Pedro França/Agência Senado/VEJA)

O ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), pediu exoneração do cargo na tarde desta segunda-feira. Ex-presidente da Câmara e próximo do vice-presidente Michel Temer, Alves enviou à presidente Dilma Rousseff uma carta em que anuncia sua saída da pasta, ato que inaugura a debandada dos ministros do PMDB do governo da petista.

No documento enviado à presidente, Henrique Alves afirma que "o momento nacional coloca agora o PMDB, o meu partido há 46 anos, diante do desafio maior de escolher o seu caminho, sob a presidência do meu companheiro de tantas lutas, Michel Temer". O agora ex-ministro diz que sempre prezou pelo diálogo com o governo, "que - lamento admitir - se exauriu".

O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), afirmou hoje que Temer e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), fecharam um acordo para que os ministros do partido entreguem os cargos na convenção marcada para a tarde de amanhã.

Eunício, que também é tesoureiro da legenda, participou do encontro dos dois realizado há pouco na residência oficial de Renan. O líder peemedebista ressaltou que, com a decisão, os cargos ficarão à disposição da presidente Dilma Rousseff e não poderão ser mais considerados cota do partido no governo.

Até a saída de Henrique Alves, o PMDB ocupava sete pastas na Esplanada dos Ministérios. Segundo o senador cearense, a tendência é que não haja nenhum prazo extra para que os ministros devolvam os postos. "Se ficar (no cargo), estará na cota pessoal da presidente", explicou Eunício. Os ministros de Minas e Energia, Eduardo Braga, e da Saúde, Marcelo Castro, seriam os dois peemedebistas que mais resistem a devolver os cargos.

A tendência é que a decisão de desembarque do partido do governo Dilma ocorra por aclamação.

LEIA MAIS:

PMDB está perto de unanimidade pelo desembarque, diz ex-ministro

Temer se reúne com peemedebistas para fechar questão sobre saída do governo

(com Estadão Conteúdo)

TAGs:
Dilma Rousseff
Ministério do Turismo
PMDB