Mais Lidas

  1. Ex-ator mirim sobre pedofilia em Hollywood: ‘Fui molestado por várias pessoas’

    Entretenimento

    Ex-ator mirim sobre pedofilia em Hollywood: ‘Fui molestado por...

  2. Fã que atacou Ana Hickmann ia fazer 'roleta russa', diz delegado

    Entretenimento

    Fã que atacou Ana Hickmann ia fazer 'roleta russa', diz delegado

  3. Delação da Odebrecht 'vem como uma metralhadora ponto 100', diz Sarney em gravação

    Brasil

    Delação da Odebrecht 'vem como uma metralhadora ponto 100', diz...

  4. Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e frieza’, diz irmã

    Entretenimento

    Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e...

  5. Janot defende legalidade de grampo entre Lula e Dilma

    Brasil

    Janot defende legalidade de grampo entre Lula e Dilma

  6. Produtores de ‘Game of Thrones’ ficaram chocados com três revelações do autor

    Entretenimento

    Produtores de ‘Game of Thrones’ ficaram chocados com três...

  7. Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

    Entretenimento

    Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

  8. Serra diz que Brasil é 'atacado' por causa do impeachment

    Brasil

    Serra diz que Brasil é 'atacado' por causa do impeachment

Há várias Dilmas em Dilma, resta saber qual vai governar

É grande a lista de perguntas sobre a nova presidente - e as respostas precisam ser escarafunchadas na sua trajetória

Por: Ricardo Setti - Atualizado em

Em junho deste ano, já candidata à Presidência, Dilma Rousseff em Paris
Em junho deste ano, já candidata à Presidência, Dilma Rousseff em Paris (Lionel Bonaventure/AFP/VEJA)
Quem marcou o número 13 na eleição de hoje para presidente da República votou numa caixa preta. Não é porque o grosso do eleitorado da candidata Dilma Vana Rousseff pouco ou nada saiba da Dilminha da Rua Major Lopes, em Belo Horizonte, filha de classe média alta que estudava no colégio de freiras Sion, não desgrudava das amigas Ieiê, Auxiliadora, Sandra e Catarina, tinha um flertezinho aqui e acolá com o Múcio ou com o Sérgio Werneck, que ensaiava dançar o twist à tarde para não fazer feio à noite, que, a despeito de sua aparência hoje hierática e sisuda, era alegre e extrovertida, nunca levava chá de cadeira e tinha pai severo, o dr. Pedro Rousseff, desses de não deixar ir às festas ou ao cinema sem o irmão Igor, um ano mais velho, hoje empresário em Belo Horizonte. Da Dilminha filha da dona Dilma Maria que desde cedo, como até hoje, gostava de colocar apelido nos outros, não perdia o sundae de banana split das Lojas Americanas da Rua São Paulo nem deixava de assistir, longe dos olhos dos pais, às corridas de kart que os garotos mais velhos promoviam na Avenida Nossa Senhora do Carmo. Que viajou pela primeira vez para a Europa com a turma do Colégio Dorothéa e uma freira, a Madre Porto, tomando conta das jovens.
A família Rousseff na década de 1950
A família Rousseff na década de 1950(Arquivo pessoal/VEJA)
Não é também porque seus eleitores ignorem que aquela casa acolhedora com a grande varanda na frente tinha três empregadas domésticas, abrigava um piano e recebia regularmente uma professora de francês para ensinar às três crianças - Dilminha, o irmão e a caçula Zana, que um dia morreu dormindo, aos 16 anos, provavelmente de um ataque cardíaco. Ou que a jovem Dilma lia tudo, mais ainda que os demais em uma turma de universitários que liam muito, que gosta de Drummond, Fernando Pessoa e Mário Quintana, que conhece a obra de Sófocles e o mundo das artes plásticas a ponto de discorrer longamente sobre a obra de pintores de que pouca gente ouviu falar. Nem tampouco que se questione a adesão aos valores da democracia da ex-militante da luta armada Dilma Rousseff , 62 anos, ex-presa política, torturada e condenada a seis anos de cadeia, dos quais cumpriu 28 meses, até o final de 1972, no hoje extinto Presídio Tiradentes, em São Paulo, beneficiada por decisão do Superior Tribunal Militar. Isso nem o mais ferrenho de seus críticos faz. Tendo na juventude bebido fartamente na literatura marxista, mas não apenas, há pelo menos 35 anos a primeira mulher próxima de assumir o mais alto cargo público no país passou a participar da vida política dentro das regras do jogo, quando começou a frequentar o Instituto de Estudos Políticos e Sociais (Iepes), mantido pelo velho MDB gaúcho do então deputado (e hoje senador) Pedro Simon em Porto Alegre. Entre os palestrantes que o Iepes recebia na época estava um sociólogo e professor cassado chamado Fernando Henrique Cardoso. COMO VAI LIDAR COM O CONGRESSO, O PMDB, AS DIFERENTES ALAS DO PT? -- Não que a Dilma falte experiência na administração pública. Depois de um período de recuperação da cadeia na casa da mãe, em Belo Horizonte, de ter-se mudado para Porto Alegre e passado no vestibular para a Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Dilma foi contratada em 1975 como estagiária remunerada da Fundação de Economia e Estatística (FEE), órgão da secretaria estadual de Planejamento. De lá para cá, todo o seu trabalho e toda a sua experiência se deram sob as asas do estado. O que constitui um enigma é saber como as várias Dilmas existentes na presidente Dilma Rousseff irão governar o Brasil - e se a falta de experiência política no jogo duro que é o exercício do poder maior, e os 35 anos encerrada apenas em cargos públicos, sem o oxigênio da vida real lá fora, permitirão que ela o faça com êxito. Como ela se sairá nas constantes e obrigatórias negociações com o Congresso? Como ela vai lidar com seus parceiros do PMDB de seu vice Michel Temer, aglomerado de políticos fisiológicos, de insaciável gula por cargos públicos e sempre de olho nas vantagens que eles podem proporcionar? Como vai administrar a selva de alas que é o PT - ela, que com uma década de partido é tida como "novata" e nunca se alinhou a qualquer das correntes petistas? Até que ponto vai interferir nos esforços mantidos desde há tempos por seu antecessor José Dirceu para ter influência em seu governo e, especificamente, afastar do núcleo de poder o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci? E o relacionamento com o empresariado? E a política externa?
Dilma Rousseff com colegas de escola
Dilma Rousseff com colegas de escola(Arquivo pessoal/VEJA)
O MARIDO QUE SEQUESTROU UM AVIÃO - É grande a lista de perguntas. São poucas as respostas, e elas precisam ser escarafunchadas na trajetória de Dilma até aqui e em depoimentos de quem a conhece. Não será por falta de formação que ela deixará de tocar o barco - aliás, Lula está aí para mostrar que formação, embora extremamente desejável, deixou de ser quesito para levar à frente o governo "deste país". De toda maneira, a ex-chefe da Casa Civil da Presidência percorreu longo trajeto de estudos: o Colégio Sion, em seguida a então prestigiosa Escola Estadual Central, pública, e logo dois anos na Faculdade de Ciências Econômicas (FACE) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Parou ao ser expulsa por suas ausências e pela militância política, primeiro na minúscula Política Operária (Polop), grupúsculo delirante cuja ala pró-luta armada acabou prevalecendo e se transformando, com participação dela, no Comando de Libertação Nacional (Colina), pomposo título para uma organização com algumas dezenas de jovens militantes. A essa altura, fugindo da repressão da ditadura em Belo Horizonte, vivia na clandestinidade no Rio com o primeiro marido, o militante de esquerda e àquela altura ex-preso político Cláudio Galeno Linhares, com quem se casara em 1966, aos 19 anos. Seis anos mais velho que Dilma, Galeno - que em 1970 seria um dos seqüestradores de um jato Caravelle da extinta Cruzeiro do Sul em Montevidéu desviado para Cuba - acentuara as idéias políticas que a namorada já abrigava. E a inclinação pela luta armada se reforçara com a leitura entusiástica que os dois compartilharam do livro Revolução na Revolução, do então intelectual marxista francês Régis Debray, celebrizado por haver sido preso na Bolívia, onde tentou participar da frustrada guerrilha do argentino-cubano Ernesto "Che" Guevara.
Ficha de Dilma Rousseff nos arquivos militares
Ficha de Dilma Rousseff nos arquivos militares(Foto Antonio Milena/VEJA)
OS ANOS DE CADEIA E A FORMAÇÃO EM ECONOMIA - Eventuais planos de estudos formais, para Dilma, adiaram-se com sua prisão pelo antigo Departamento de Ordem Política e Social (Dops), em São Paulo, em janeiro de 1970, quando passara a integrar as fileiras da organização armada clandestina VAR-Palmares (união do Colina com a Vanguarda Popular Revolucionária do ex-capitão Carlos Lamarca).À prisão se seguiram as torturas nas dependências da famigerada Operação Bandeirantes (Oban), por ironia localizadas no bairro do Paraíso - choques elétricos na "cadeira do dragão", choques nas mãos, pés, coxas, seios e cabeça, palmatória e pau-de-arara - e a condenação à pena de prisão no Presídio Tiradentes. Dilma aproveitou a longa estada na cadeia para ler como nunca, inclusive quase toda a gigantesca obra de Dostoiévski, mas só voltaria aos estudos em 1973, em Porto Alegre, num cursinho pré-vestibular para economia. Nesse meio tempo, se separara de Galeno, de quem é amiga até hoje, e se unira ao advogado gaúcho Carlos Franklin Paixão de Araújo, dirigente da chamada "Dissidência" do Partido Comunista no Rio Grande do Sul, que conhecera no Rio, num período em que atuava na logística do Colina, transportando armas, munição e dinheiro. Passou na UFRGS, formou-se economista em 1977, aos 30 anos de idade e já mãe da filha Paula, que teve com Carlos Araújo. Mudou-se para São Paulo a fim de cursar mestrado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). A sogra lhe dava uma mão financeira. Mas não terminou nem elaborou a obrigatória dissertação final. Dez anos depois, começou um doutorado na mesma Unicamp, também deixado seis anos depois, em 2004, porque suas tarefas como ministra das Minas e Energia do primeiro governo Lula não lhe davam tempo. As duas titulações inexistentes figuraram durante longos meses no site da Casa Civil da Presidência da República, provocando críticas, embora provavelmente a mancada se deva a um funcionário subalterno. "CAPACIDADE DE APRENDER E DE APREENDER" --Além de oito, nove anos de estudos centrados em Economia, Dilma, por sua natureza de pessoa reconhecidamente dedicada e pertinaz, aprendeu muito no desempenho no serviço público. "A Dilma sempre foi uma pessoa muito aplicada, obstinada, lia muito, tinha capacidade de análise e percepção muito aguda", disse a VEJA.com o amigo de juventude Fernando Pimentel, ex-prefeito petista de Belo Horizonte e um dos coordenadores de sua campanha. "Ela tem uma capacidade extraordinária de aprender e de apreender", relatou a VEJA.com um colega de ministério que continua no governo Lula. Funcionária "caxias" da FEE, onde começou estagiária, perdeu o emprego por razões políticas mas voltou poucos meses depois ao cargo por iniciativa de um governador da Arena, o partido do regime militar - Sinval Guazzelli, que mais tarde se transferiria para o PMDB. A FEE, por sua própria natureza, permitiu-lhe familiarizar-se em detalhes com a economia gaúcha, enquanto exercitava a atividade política no PDT, partido de cuja fundação pelo ex-governador Leonel Brizola participou, ao lado do marido, Carlos - mais tarde eleito três vezes consecutivas deputado estadual. Por causa do PDT deixou a FEE para trabalhar como assessora da bancada do partido na Assembléia Legislativa. Uma coisa leva à outra e, misturando sua formação técnica com a influência política do marido deputado, surge o convite para um primeiro cargo de real importância: em 1985, o recém-eleito prefeito Alceu Collares (PDT) a chama para ocupar a Secretaria Municipal da Fazenda. Collares, futuro governador gaúcho (1991-1995), chegara à Prefeitura no primeiro pleito livre para a escolha de prefeitos das capitais - até então nomeados pelos governadores, por decisão da ditadura - desde 1964. A HORA DE DEIXAR O PDT DE BRIZOLA - Quem acha que a sua própria foi a primeira campanha eleitoral de Dilma não leva em conta o fato de que ela renunciou à Secretaria para participar em tempo integral da primeira tentativa do marido de eleger-se prefeito de Porto Alegre, em 1988, contra Olívio Dutra (PT). Olívio ganhou de Carlos Araújo, e Dilma, após um ano e pouco como diretora-geral da Câmara Municipal de Porto Alegre, acabaria resgatada para a FEE quando Collares assumiu o Palácio Piratini, em janeiro de 1991 - desta vez, o governador a colocou na presidência do órgão. No final de 1993, Collares convocou-a para a Secretaria Estadual de Energia, Minas e Comunicações. Ficou até o final do governo, 1º de janeiro de 1995, praticando imersão numa área em que se tornaria especialista. Voltaria à mesma Secretaria no começo de 1999, quando Olívio Dutra, ex-adversário do marido na disputa municipal de 1988, venceu as eleições para o governo do estado com apoio do PDT de Brizola. Entre a saída e o regresso à Secretaria, a presidenciável retornara à FEE para editar a revista da fundação, na qual publicou artigos sobre sua nova área de especialização, a energia. A aliança de Brizola com o PT não resistiria à disputa pela Prefeitura de Porto Alegre, em 2000. Os dois lados não conseguiram indicar um candidato comum, e acabaram partindo para o pleito cada um com o seu: de novo Collares, pelo PDT, e o então ex-deputado, ex-vice-prefeito e ex-prefeito Tarso Genro , do PT. Chegara, para Dilma, a hora de romper com o PDT: ela defendeu a continuidade da aliança dos dois partidos de esquerda, não concordou com a candidatura de Collares, resolveu permanecer como secretária do governador Olívio Dutra e, em seguida, filiou-se ao PT. Por isso acabou incluída no grupo que Brizola acusou de ter-se "vendido por um prato de lentilhas".
Dilma Rousseff em 1991, quando era presidente da Fundação de Economia e Estatística do Rio Grande do Sul
Dilma Rousseff em 1991, quando era presidente da Fundação de Economia e Estatística do Rio Grande do Sul(Mauro/Zero Hora/VEJA)
"SAI A MADONNA, ENTRA A MANDONA" - O ano de 2000 coincidiria com o fim de casamento entre Dilma e Carlos Araújo. Eles haviam se separado cinco anos antes, quando Carlos alimentou um caso extra-conjugal do qual resultou um filho. Dilma despachou-o de casa, mas voltaram às boas mais tarde antes de colocarem um ponto final na relação. Contudo, mantêm-se amigos e se visitam ainda hoje. Araújo deu grande apoio à ex-mulher durante o tratamento para combater o câncer no sistema linfático surgido em março do ano passado. Não se sabe praticamente nada da vida sentimental de Dilma a partir daí, exceto um possível namoro, aparentemente encerrado, com um engenheiro gaúcho, Luiz Becker, com quem trabalhou na Secretaria Estadual de Energia. A ex-ministra é reservadíssima e defende com tenacidade a vida pessoal. - Ela virou avó agora, e eu nem sabia que ela tinha uma filha - contou a VEJA.com um ex-político amigo do presidente Lula que conhece Dilma há anos. Reservada e fechada na vida pessoal - pouca gente sabe que a mãe e uma tia solteira moram com ela em Brasília --, Dilma não costuma ser discreta quando se trata de reclamar do que considera errado no trabalho. Muitos consideram que a forma de expressar seu grau de exigência e sua impaciência para com colaboradores, mesmo de primeiro grau de importância, será um grande problema para uma Dilma presidente. "Ela é muito brava", comenta esse amigo do presidente Lula, que lembra: - A melhor frase sobre Dilma a esse respeito foi a do governador Sérgio Cabral, do Rio, logo após o Carnaval, quando a Madonna foi embora do Rio e o Lula anunciou a Dilma como candidata: "Vai-se a Madonna e chega a mandona". BRONCAS, CHORO, "MENTIROSA?" - Um ex-presidente de estatal durante o primeiro mandato de Lula assíduo ao Palácio do Planalto conta que "cansou" de ver auxiliares e assessores chorando ao deixar a sala da então ministra da Casa Civil depois de levar reprimendas terríveis. Um ministro colega de Dilma presenciou uma bronca em altos brados no presidente da Petrobrás, Sérgio Gabrielli, diante de dezenas de outros membros do governo. Um amigo do economista Damien Fiocca lembra-se de que quando o atual presidente da Nossa Caixa, integrada ao Banco do Brasil, era vice-presidente do BNDES (2006-2007) e ousou comentar um "não é bem assim" durante exposição da ministra, ouviu a resposta, aos gritos: - Você está me chamando de mentirosa? Fiocca pôs panos quentes, mas ela insistiu: - Está, sim! Durante a conferência sobre mudanças climáticas em Copenhague, em dezembro do ano passado, a então ministra, membro da delegação brasileira, dirigiu-se aos berros diante de professores universitários, cientistas e funcionários a um assessor que expressou sua opinião nos seguintes termos: - O senhor cale a boca, porque essa conversa é de nível político. Em apresentações que lhe eram feitas como chefe da Casa Civil, sua insatisfação com dados incompletos ou conclusões feitas sem a suficiente base se manifestava - nunca com uso de palavrões, prática tão comum no governo Lula, a começar pelo próprio presidente - com frases como: - Mas isso é de uma incompetência absurda! Ou, então: - Essa apresentação é ridícula! Com uma terceira possibilidade: - Você deveria ter vergonha de apresentar isso!
Dilma Rousseff em campanha, Brasília, 28/09/2010
Dilma Rousseff em campanha, Brasília, 28/09/2010(Fernando Bizerra Jr./EFE/VEJA)
"METÓDICA, ORGANIZADA, SEVERA, RÍGIDA" - O amigo Fernando Pimentel, ex-prefeito de Belo Horizonte, comenta: - A Dilma lapidou seu senso de disciplina, de organização. Ela é uma pessoa muito metódica, organizada, severa, rígida com prazos resultados e metas. Pimentel considera essa característica uma herança dos tempos da luta armada. - Ela não transige com falhas ou erros, e isso acho que tem a ver com nossa militância, porque na clandestinidade qualquer falha podia levar à prisão ou até à morte de companheiros". "Dizem que ela é dura", comenta o ex-colega de ministério. "Mas a verdade é que um ministro precisa ser duro, cobrar. Tem muita gente ruim, pouco qualificada em Brasília. Poucos sabem fazer uma apresentação digna desse nome, por exemplo". O fato, atesta esse ministro, é que com Dilma na Casa Civil "tudo no meu Ministério passou a andar, não tinha mais essa história de 'ah, isso está parado na Casa Civil'". Nem todos os ex-colegas de Dilma no governo compartilham dessa visão. Um deles concorda em que um ponto forte de Dilma é o domínio dos temas de que trata. "Se o presidente pede para estudar um assunto, ela passa o fim de semana mergulhado nele e volta sabendo o que precisa", diz. "Ela conhece os assuntos do governo como muito pouca gente no Brasil, lida muito bem com dados". "INTELIGÊNCIA EMOCIONAL PÉSSIMA" - Isso, contudo, é pouco, na opinião dessa fonte. "O problema da Dilma é que ela não motiva, não há 'dilmistas' dentro do governo, ninguém se empolga com ela". E acrescenta: "A inteligência emocional dela é péssima. Não vejo em Dilma condições de amarrar acordos, liderar um time, coordenar uma equipe como presidente. Falta-lhe liderança natural. Temo que ela fique na mão do PT, ou do PMDB ou então do Lula". Para esse observador muito bem informado, "seu estilo de gerenciamento pode funcionar para coordenar ministros, mas não é bom para um presidente". Ele aponta também o que, em sua visão, seriam "o micro-management e o detalhismo" de Dilma, que "desgastam o que é bom nela". QUESTÕES DEIXADAS NO AR - A despeito de seu detalhismo, e mesmo que seus adeptos apregoem tratar-se de uma servidora pública que nunca se envolveu em corrupção, Dilma deixou no ar certas questões, sérias, que os eleitores mereciam haver conhecido melhor. A ex-ministra, por exemplo, viu acrescida uma nódoa a seu currículo com a recente revelação dos escândalos de tráfico de influência na Casa Civil, que comandou até abril passado e que deixou nas mãos de sua secretária-executiva, Erenice Guerra. A chusma de parentes de Erenice encastelada em cargos públicos, ora em investigação pela Polícia Federal, lá estava quando Dilma era ministra, da mesma forma que já atuava, vendendo facilidades, o filho lobista de Erenice, Israel Guerra. Nada existe sobre o envolvimento de Dilma em irregularidades, mas inevitavelmente se aplica a ela, no caso, a velha norma: se Dilma sabia de algo e nada fez, foi no mínimo omissa, e na pior das hipóteses, conivente; se não sabia de algo em curso em seu quintal, é sinal de incompetência. Outro caso relaciona-se com a notória família Sarney. Em agosto do ano passado, a ex-secretária da Receita Federal Lina Vieira contou em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo ter sido chamada ao Palácio do Planalto para uma audiência com Dilma, à época chefe da Casa Civil. A ministra teria pedido a ela que "agilizasse" investigações em curso na Receita sobre a família do senador e presidente do Senado José Sarney (PMDB-AP). Como isso não ocorreu, ela foi demitida do cargo. Dilma não somente negou o pedido como assegurou que sequer houve o encontro com Lina Vieira. Até hoje não se sabe o que ocorreu na verdade. E há, naturalmente, o célebre caso do dossiê que pretendia atingir o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, a falecida ex-primeira dama Ruth Cardoso e alguns assessores próximos de FHC. As coisas se passaram no começo de 2008 quando, para tentar calar a oposição e a barulheira que fazia na CPI dos Cartões Corporativos - sobre gastos excessivos e não transparentes de integrantes do governo com esse tipo de cartão de crédito -, a Casa Civil teria produzido e divulgado o dossiê com as despesas de FHC, a mulher e assessores. Dilma negou a existência do dossê. O que havia, asseverou, era a montagem de "um banco de dados" formal organizado a pedido do Tribunal de Contas da União. A Polícia Federal entrou na história e, após investigações, revelou que efetivamente o dossiê havia sido produzido na Casa Civil e vazado por assessor de Dilma para o gabinete de um senador da oposição. O assessor assumiu a culpa e, formalmente, deixou o emprego "a pedido". Posteriormente, Dilma telefonou a Ruth Cardoso. Amigos da ex-primeira-dama dizem que ela "foi dura" com a ministra na conversa.
Dilma Rousseff em 2007, quando ocupava o cargo de ministra-chefe da Casa Civil
Dilma Rousseff em 2007, quando ocupava o cargo de ministra-chefe da Casa Civil(Celso Junior/AE/VEJA)
"NEM TODO EMPRESÁRIO É LADRÃO" - A questão do que se baixou debaixo dos panos da Casa Civil e a de presença ou não de carisma, capacidade de liderar e forma de trabalho, sem dúvida, são importantes quando se indaga que tipo de presidente seria Dilma, ou que tipo de governo faria. E, naturalmente, há outras. Talvez tão importante quanto esta é como Dilma vê o papel do Estado, do capitalismo, motor de riqueza e crescimento no mundo, e seus representantes, os empresários. Nesse aspecto, é perfeitamente possível dizer que a ex-ministra passou por uma grande transformação - e, a despeito de ainda manter uma considerável ternura pelo Estado, no caminho da modernidade. Talvez a semente disso tudo estivesse na sua família: o pai, o imigrante búlgaro Pétar Russév, que mudou o nome para Pedro Rousseff, advogado de formação, era um empreendedor: realizou muitas obras para a siderúrgica Mannesmann e ao morrer, em 1962, quando a filha tinha 17 anos, deixou dinheiro no banco e 15 imóveis. O ex-diretor de um grande banco se lembra da brutal dificuldade que encontrou para conseguir uma importante audiência com Dilma ainda quando ministra das Minas e Energia (2003-2005). "E era assunto de interesse do governo", lembra. O banco integrava uma operação que canalizaria centenas de milhões de dólares para um grande empreendimento da administração Lula, que precisava ser exposto à ministra. Os pedidos de audiência, entretanto, batiam numa parede. Foi preciso acionar contatos no Planalto para flexibilizar a agenda de Dilma. "A ministra tinha uma certa ojeriza a empresas", lembra hoje o ex-diretor. "Isso é até compreensível: durante muito tempo, o PT só governou municípios, e seus quadros mantiveram contato com empresários que, justa ou injustamente, têm má fama, como os da área de limpeza urbana e de transporte coletivo". O fato é que Dilma se surpreendeu com o que viu e ouviu durante a audiência, ficou interessada e espichou para mais de uma hora uma conversa programada para menos de 30 minutos. A ida para a Casa Civil e a incumbência recebida de Lula de coordenar o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) - por mais que haja críticas ao programa, por muitos apontado como mera "prateleira" de projetos dispersos, em boa parte baseados em recursos privados que ainda não existem - puseram a ministra em contato com várias áreas muito dinâmicas da economia e do empresariado e aceleraram seu processo de mudança. Pulando de assuntos tão diversos que vão da produção de etanol e a construção do trem-bala São Paulo-Rio ao processo de transferência de tecnologia estrangeira para a exploração do pré-sal, a ministra incorporou a seu dia-a-dia a convivência com gigantes do empresariado brasileiro e dirigentes de imensas multinacionais. "Ela passou a ter uma visão muito diferente da que tinha - enxergou no empresariado eficiência, modernidade, viu que nem todo empresário é ladrão", atesta o ex-colega de ministério. Dilma, por exemplo, ficou perplexa ao perceber que o ambicioso programa Minha Casa, Minha Vida, com que Lula pretendia forrar o país de habitações para pessoas de renda modesta, estava totalmente nas mãos da Caixa Econômica Federal e mal conseguiria atingir 200 mil residências, em vez de 1 milhão, como queria o governo. Além disso, como cabia à CEF o seguro contra o calote nos pagamentos, o programa incluía dispositivos draconianos: um cidadão de 60 anos de idade ou mais pagaria a título de seguro um terço do valor das prestações. A Caixa engordava sua carteira seguradora e empurrava com a barriga a meta do governo. "O Lula ficou uma fera", conta uma testemunha do caso. Dilma apressou-se a convocar empresários do setor para discutir e reformular a política habitacional. O resultado é que, das mil empresas inscritas para participar do programa, passou-se a nove mil, e entidades poderosas como a Associação Brasileira de Infra-Estrutura e Indústrias de Base (Abdib). O programa, relatam empresários, passou a ser tocado a grande velocidade. Os contatos com dirigentes da iniciativa privada levaram a ministra até a adotar, para a gestão do PAC, princípios e fundamentos do modelo de controle de projetos desenvolvido por uma instituição privada com interesses e investimentos em diferentes áreas da economia. Essa Dilma polida pelo pragmatismo atuou, obviamente, nos fundamentos de sua campanha à Presidência. Apoiada por Lula, ela decepou uma série de barbaridades do projeto de governo do PT, coordenado pelo inefável professor Marco Aurélio Garcia, um dos responsáveis pela política externa errática, esquerdóide e esquizofrênica da administração Lula. Ficaram de fora itens defendendo maior controle estatal da economia, arranhando a liberdade de expressão ou propondo controle governamental sobre canais de TV por assinatura. Entraram temas como a defesa da preservação da estabilidade econômica e um elogio explícito à atuação dos bancos brasileiros na grande crise financeira que explodiu em 2008.
Lula beija Dilma durante comício no Rio de Janeiro
Lula beija Dilma durante comício no Rio de Janeiro(Felipe Dana/AP/VEJA)
UM RETRATO DO PRAGMATISMO -- VEJA captou o retrato desse pragmatismo em reportagem publicada em fevereiro, de autoria dos jornalistas Otávio Cabral e Gustavo Ribeiro. Ali se listavam seis grandes projetos do governo a respeito dos quais a ministra utilizava uma retórica à esquerda, simpática ao petismo, e na prática adotava soluções mais adequadas ao país - em todos os casos, menos um, fazendo a balança pender para sensível participação da iniciativa privada. A lista: 1. GÁS O que Dilma dizia: em discursos, defendeu o fortalecimento da Petrobrás e seus interesses comerciais, por considerar a empresa indutora do desenvolvimento. O que Dilma fez: para evitar apagões, obrigou em 2007 a Petrobrás a priorizar o fornecimento de gás a termoelétricas (privadas), em detrimento de outros clientes. A medida deu prejuízo à Petrobrás e levou à demissão do diretor da área de gás da empresa, Ildo Sauer, opositor de Dilma, à demissão. Resultado: com as termoelétricas com abastecimento garantido, reduziram-se os riscos de apagão, mas as indústrias do Sudeste que adotaram o gás como matriz energética sofreram prejuízos. 2. FERROVIA TRANSNORDESTINA O que Dilma dizia: querendo inaugurar ainda em 2010 a ferrovia que cortará o Nordeste, chegou a ameaçar o empresário responsável pelo projeto, Benjamin Steinbruch, de tomar a obra para o governo. O que Dilma fez: determinou um aumento de 500 milhões de reais de investimentos do BNDES na ferrovia e que o Fundo de Desenvolvimento do Nordeste reduzisse as exigências feitas a Steinbruch para novos empréstimos. Resultado: antes paradas, as obras foram retomadas, o que permitirá a inauguração de um dos trechos da estrada no ano que vem. 3. ENERGIA O que Dilma disse: em 2003, declarava-se favorável ao aumento da participação estatal na distribuição de energia, setor privatizado pelo governo do presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2003). As tarifas, segundo ela, deveriam ser atreladas aos custos das empresas, e não aos índices de preços, como previam os contratos de concessão. O que Dilma fez: aprovou um marco regulatório que reduziu a presença do estado no setor. Com pouca interferência estatal, o mercado livre de energia - em poucas palavras, a possibilidade que passou a existir de consumidores até uma certa quantidade não adquirirem energia da concessionária local, mas procurar outros fornecedores - viu sua participação na cadeia de energia crescer de apenas 7% para 27%. Resultado: aprovado pelos empresários e pelos partidos de oposição, o novo marco regulatório estimulou investimentos privados na construção de usinas hidrelétricas, termoelétricas e de energia eólica. 4. TRANGÊNICOS O que Dilma disse: apoiava o projeto de governo de Lula que prometia impedir o plantio de grãos transgênicos no Brasil e se alinhava com os ambientalistas mais extremados. O que Dilma fez: garantiu, em 2008, a aprovação do plantio de grãos transgênicos no país. Depois, enquadrou os ministros que se rebelaram e até ameaçaram recorrer à Justiça contra a medida. Resultado: a medida permitiu que as lavouras brasileiras se equiparassem em competitividade às dos países mais avançados na área. A então ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, pediu demissão. Mais tarde, deixou o PT e este ano candidatou-se à Presidência pelo PV. 5. RODOVIAS O que Dilma disse: pregava o fortalecimento do papel do estado e das estatais como promotores de desenvolvimento. O que Dilma fez: em 2007, liderou dentro do governo a concessão à iniciativa privada de rodovias como a Fernão Dias (São Paulo-Belo Horizonte) e a Régis Bittencourt (São Paulo-Sul do país). Optou pelo modelo no qual vence o leilão quem oferece o pedágio mais barato, e não quem paga mais pela concessão. Resultado: as novas concessionárias estão em processo de modernização das estradas e cobram pedágios inferiores aos das vencedoras dos leilões realizados no governo FHC. A abertura à iniciativa privada, louvável, resultou porém, devido ao critério do pedágio mais barato como item fundamental das concorrências, a estradas de qualidade discutível. 6. PRÉ-SAL O que Dilma disse: não se pronunciou publicamente, mas integrou a comissão que elaborou as novas regras do setor, em 2008. O projeto previa a participação de empresas privadas e estatais na exploração do petróleo da camada submarina do pré-sal. O que Dilma fez: em 2009, em recaída estatista, defendeu maior controle estatal na exploração das reservas. De acordo com a proposta apresentada ao Congresso e aprovada, a Petrobrás passou a ser a única operadora das reservas. Criou-se uma nova estatal, a Petro-Sal, encarregada de gerir os recursos e coordenar a exploração dos recursos. Resultados: ainda é pequeno. A exploração começou em julho, em uma plataforma no litoral do Espírito Santo, a uma média de 20 mil barris por dia.
Dilma Rousseff, candidata petista à Presidência, cumprimenta eleitores durante evento em julho deste ano em Natal, no Rio Grande do Norte
Dilma Rousseff, candidata petista à Presidência, cumprimenta eleitores durante evento em julho deste ano em Natal, no Rio Grande do Norte(Leo Caldas/VEJA)
UMA QUESTÃO MORAL: CAMPANHA ERIGIDA SOBRE UMA MENTIRA - Tudo isso considerado, vemos que a ex-ministra tem aspectos positivos, tem aspectos negativos. Deixa explicações incompletas sobre problemas ocorridos durante sua gestão na Casa Civil. Falta-lhe experiência política. Além de jamais haver sido antes provada nas urnas, está a anos-luz do carisma de Lula e longe do preparo intelectual e da capacidade política de Fernando Henrique. Muito bem. Isto posto, há ainda uma questão a levantar - que, neste texto, será a última. É uma relevante questão moral. Uma mulher que os amigos consideram "íntegra", colegas de ministério "transparente" e interlocutores vários "verdadeira" já defendeu, em público e em mais de uma ocasião, o uso da mentira como recurso extremo - para salvar companheiros de clandestinidade da prisão, por exemplo, quando lutava para instalar um regime "revolucionário" totalitário no país. Trata-se de uma questão complexa, que, nesses termos e nessa situação extrema, pode ser discutida interminavelmente. O problema é que Dilma aceitou, incorporou e repetiu ao longo da campanha um outro tipo de mentira, grande e grave - uma enorme mentira forjada por Lula e martelada milhares de vezes perante o povo brasileiro como verdade inquestionável: a de que tudo começou em 2003, com o governo do PT, e que antes dele, especialmente nos oito anos anteriores, nada se fez, nada se transformou, nada foi tornado melhor, nada se construiu, exceto uma "herança maldita" que coube ao homem simples do povo que chegou ao Planalto administrar e transformar em glória. Nenhum país decente se constrói em cima de uma mentira sobre a própria História. Se não se desfizer deste fardo, um dia Dilma será destruída por ele.