Mais Lidas

  1. Envenenamento causou morte de empresário investigado na Operação Turbulência

    Brasil

    Envenenamento causou morte de empresário investigado na Operação...

  2. Em imagens, o vestido da discórdia em Wimbledon

    Esporte

    Em imagens, o vestido da discórdia em Wimbledon

  3. PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

    Brasil

    PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

  4. Renan desengaveta projeto que define crimes de abuso de autoridade

    Brasil

    Renan desengaveta projeto que define crimes de abuso de autoridade

  5. “Determinar final de operações PF”: diz bilhete encontrado na residência de João Santana e Mônica Moura

    Brasil

    “Determinar final de operações PF”: diz bilhete encontrado na...

  6. Gretchen, essa guerreira, casa pela 17ª vez

    Entretenimento

    Gretchen, essa guerreira, casa pela 17ª vez

  7. Thammy pede sugestão de nome masculino nas redes: 'Tommi?'

    Entretenimento

    Thammy pede sugestão de nome masculino nas redes: 'Tommi?'

  8. Advogada liga Toffoli e Gilberto Carvalho a máfia do DF

    Brasil

    Advogada liga Toffoli e Gilberto Carvalho a máfia do DF

Gravação comprova que objetivo do Mais Médicos é enviar dinheiro a Cuba

Durante reunião no Ministério da Saúde, funcionários da Opas e do governo discutiram estratégias para esconder a verdadeira utilidade da importação de profissionais cubanos, revela reportagem do Jornal da Band

- Atualizado em

Mozart Sales, então coordenador dos Mais Médicos pelo Ministério da Saúde, Maria Alice Fortunato e Joaquim Molina, chefe da representação da Opas no Brasil
Mozart Sales, então coordenador dos Mais Médicos pelo Ministério da Saúde, Maria Alice Fortunato e Joaquim Molina, chefe da representação da Opas no Brasil (VEJA.com/VEJA)

Uma gravação divulgada ontem pelo Jornal da Band comprova que há uma trama entre o Ministério da Saúde e a Organização Pan-americana de Saúde (Opas) para acobertar a intenção de favorecer a ditadura cubana por meio do Programa Mais Médicos.

O áudio consiste numa conversa entre a coordenadora do programa pela Opas, a pernambucana Maria Alice Barbosa Fortunato, e funcionários do ministério.

Maria Alice alerta: "Eu acho que não pode ter o nome 'governo de Cuba' porque senão vai mostrar que nós estamos driblando uma relação bilateral". Ela sugere que, para tirar o foco de Cuba, o governo finja que o programa está aberto para médicos de outros países. "Eu posso colocar atividades do Mercosul e da Unasul, que vai dar dois milhões. Dois milhões (de reais) em relação a um bilhão e seiscentos milhões (de reais), será que na coisa da justiça tem problema?", diz a funcionária da Opas.

A gravação também mostra que o Brasil lavou as mãos quanto ao confisco, pelo governo cubano, da maior parte do pagamento aos médicos. O assessor especial para assuntos internacionais do Ministério da Saúde, Alberto Kleiman, afirma na gravação que o valor dos salários e a forma de pagamento já haviam sido definidos pelo assessor internacional da Presidência, Marco Aurélio Garcia. "Sessenta (por cento) para o governo e 40 (por cento) para o médico. O Marco Aurélio (Garcia) botou isso na reunião, só para socializar", afirma Kleiman. Maria Alice discorda: "A relação é do governo deles, eles que decidem. Não é a gente que vai interferir nisso".

Em outubro de 2013, VEJA revelou como a intermediação da Opas serviu para o governo brasileiro ocultar o verdadeiro objetivo do Programa Mais Médicos - arrumar uma maneira de enviar dinheiro a Cuba. Os registros do Ministério da Saúde permitiram descobrir que o chefe da representação da Opas no Brasil, o cubano Joaquim Molina, apresentou a minuta do contrato no dia 17 de dezembro de 2012, seis meses antes de o programa ser anunciado publicamente, em meio aos protestos de 2013.

TAGs:
Saúde Pública
Cuba
Mais Médicos