Por: Cecília Ritto, do Rio de Janeiro - Atualizado em

Papa exortou líderes políticos durante audiência semanal, a fazer todos os esforços para criar postos de trabalho e disse que o desemprego foi causado pelo pensamento econômico "fora dos limites da justiça social."
Papa Francisco(Gabriel Bouys/AFP/VEJA)

A programação dos jesuítas na Jornada Mundial da Juventude (JMJ) começa, no Brasil, onze dias antes do evento. Do grupo da Companhia de Jesus - mesma ordem do papa Francisco - 2.000 jovens, de 50 países, desembarcarão no dia 12 de julho em Salvador para uma série de atividades religiosas e culturais do Magis, o encontro que antecede todas as jornadas desde 1997. No dia 14, padre Adolfo Nicolás, o mais alto na hierarquia jesuíta do mundo, celebrará uma missa na capital baiana.

A partir dessa data, os jovens viajarão para 40 cidades do país em atividades que envolvam experiências sociais, culturais, ecológicas ou socioambientais. Um dos locais de desembarque será a favela da Rocinha, no Rio de Janeiro, onde terão contato com a produção artística do morro. Outros destinos acertados são os sertões nordestino e mineiro, e as periferias de Manaus e do Ceará.

Leia: Durante a JMJ, visita ao Cristo deve ter hora marcada

Os 2.000 jesuítas serão divididos em grupos de 30 para os trabalhos voluntários e se hospedarão em casas de brasileiros da mesma ordem religiosa, que abrirão as portas para a realização das atividades. Esse período de experiências pelo Brasil se estenderá até 21 de julho. No dia seguinte, todos se encontrarão no Rio de Janeiro, sede da JMJ 2013, que ocorrerá entre os dias 23 e 28 de julho.

Durante o evento, esses jovens ficarão hospedados no colégio Santo Inácio, em Botafogo, na Zona Sul da cidade. "Os padres também devem ficar na escola, mas alguns se hospedarão na casa de voluntários em Botafogo", acrescenta o padre Geraldo Lacerdine, coordenador nacional de comunicação do MAGIS e diretor de comunicação da Companhia de Jesus.

A expectativa é de que Francisco os encontre no colégio, localizado na Rua São Clemente, a mesma do Palácio da Cidade, sede da prefeitura e um dos lugares cotados para receber o pontífice em uma agenda com autoridades. A agenda dos jesuítas na JMJ 2013 é a mesma dos peregrinos, com a catequese, shows e os atos em que o papa estará presente.

LEIA TAMBÉM:

Chuvas atrasam obras da Jornada Mundial da Juventude

Papa será recepcionado por coral de 100 vozes na praia

Bispos da JMJ terão hospedagem de graça em hotéis do Rio

JMJ: Rio espera invasão argentina em julho

Segurança da JMJ terá 12.000 policiais

banner JMJ Rio 2013
(VEJA.com/VEJA)
TAGs:
Papa Francisco
Rio de Janeiro
Catolicismo
Igreja